27/01/2022 às 13h50min - Atualizada em 27/01/2022 às 13h41min

Gabriel Medina interrompe carreira e abre discussão sobre saúde mental no esporte

O surfista tornou pública a crise pessoal que vem enfrentando desde o último ano e não vai disputar a Liga Mundial do Surfe

Aliny Bueno - labdicasjornalismo.com
Gabriel Medina é um dos mais famosos esportistas do país. Foto: Miriam Jeske/COB
O tema saúde mental tem ganhado cada vez mais destaque no mundo dos esportes. Na última segunda-feira(24), o universo do surfe recebeu com surpresa o anúncio de pausa nas atividades do surfista tricampeão mundial Gabriel Medina. Em uma publicação feita em sua rede social Instagram, o atleta informou que não irá disputar as duas primeiras etapas da Liga Mundial do Surfe(WSL), que tem início no próximo sábado(29), em Pipeline, no Hawai.

De acordo com o brasileiro, o período de pausa se dá para tratar uma lesão no quadril e cuidar da saúde mental. "No ano passado, vivi uma montanha russa de emoções dentro e fora da água, o que afetou muito a minha saúde mental e física. Ao final da temporada, eu estava completamente esgotado. Cheguei no meu limite", escreveu Medina.

O desabafo do atleta mobilizou fãs, amigos e outras personalidades do esporte em apoio ao momento que vivencia , ao mesmo tempo em que expõe a importância de atletas darem atenção necessária ao assunto.

 Para a psicóloga Alessandra Cieri, é importante ficar atento a alguns sinais de que a saúde mental requer atenção. São eles:
  • Emoções desagradáveis de maneira muito intensa e frequente;
  • Perda de motivação do prazer por aquilo que gostava de fazer de maneira geral;
  • Cobrança e/ou autocobrança excessiva de bom desempenho, entre outros.

LAÇOS EXTREMECIDOS

O abalo emocional ganhou espaço em sua vida e o sobrenome da família Medina passou a repercutir nas colunas de fofoca.   O mais recente episódio foi anunciado hoje (27) pelo jornalista Leo Dias. Informação, confirmada pelo Globo Esporte, diz que Gabriel Medina e Yasmin Brunet não estão mais casados e, atualmente, vivem em casas separadas. Os dois celebraram a união no réveillon de 2020 e até a edição desse texto não se pronunciaram oficialmente, e a Yasmin não tinha tirado o nome Medina do seu Instagram.
 
No ano passado, outros episódios trouxeram à tona escândalos envolvendo brigas familiares e processos na Justiça que envolvem dinheiro. Um dos problemas enfrentados é o fato de sua mãe, Simone Medina, ser contra o casamento com Yasmin.

Medina tinha a esposa como inspiração e apoio para se fortalecer e chegou a comprar briga com o Comitê Olímpico do Brasil(COB) durante as Olimpíadas de Tóquio para levá-la. Por causa das restrições devido a Covid, os esportistas só tinham direito a uma pessoa como acompanhante, e a entidade entendeu que o surfista tinha optado pelo técnico como primeira opção. Em tentativa frustrada, voltou ao Brasil sem medalhas. Gabriel ainda cortou laços com a mãe e  briga com ela na Justiça por questões financeiras e, também, com o padrasto, Charles Saldanha, que não é mais o seu treinador.

De acordo com a especialista, estar exposto a conflitos frequentemente pode elevar os riscos de desenvolvimento de transtornos mentais. “Um ambiente familiar com muitas cobranças, exigências e expectativas pode fazer com que a pessoa se sinta deslocada, incompreendida e não aceita”, afirma.  

E complementa que o quadro clínico pode gerar certo alerta a qualquer possível crise. “Com o tempo, esse estresse pode acabar evoluindo para um quadro de ansiedade, por exemplo, onde a pessoa se mantém em alerta frente ao possível conflito, mesmo que ele não ocorra”, adverte.

OS LIMITES DE UM ATLETA

Transtornos mentais em atletas de alta performance tem chamado atenção nos últimos meses por evidenciar a dificuldade que muitos tem em lidar  com a pressão dos desafios e expectativas por resultados.


Nomes como Simone Biles, da ginástica artística, Naomi Osaka, do tênis e até Kelly Slator, o maior surfista de todos os tempos, também enfrentaram momentos de pausa em suas carreiras por situações emocionais. E em 2014 o choro de Tiago Silva e do goleiro Julio César, antes da disputa de pênaltis contra o Chile, deu a entender que a seleção estaria muito pressionada para buscar o hexa em casa. E muitos também culpam essa dificuldade em lidar com as emoções como uma das  responsáveis pelo 7 a 1. 

Ao tornar públicas as suas histórias, os atletas chamam mais atenção para o tema dentro e fora dos esportes.

Alessandra observa que o reconhecimento por parte do atleta de que precisa de ajuda é fundamental para o autocuidado. “O apoio de pessoas próximas e dos fãs pode sim contribuir para que ele se sinta melhor, assim como o próprio afastamento, porém, o que realmente faz a diferença para mudar o quadro clínico é o tratamento psicológico e psiquiátrico apropriados, de acordo com seus diagnósticos, demandas e necessidades”, explica.

Vistos como grandes profissionais em suas modalidades, é preciso não se esquecer que por trás de uma vida de holofotes, há um ser humano ,que assim como qualquer outro, enfrenta problemas e dificuldades em suas vidas pessoais e, em certos momentos, o lado pessoal requer mais atenção.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »