04/03/2022 às 19h15min - Atualizada em 04/03/2022 às 17h27min

A história de Chernobyl

Como a usina nuclear foi destruída e como afeta o mundo hoje

Flávia Brito - Editada por Victória Silva
Foto: BBC News

Para falar de Chernobyl, precisamos começar com a cidade próxima da usina, a cidade de Pripyat, localizada a 90km da capital Kiev, na Ucrânia. Em 1970, Pripyat foi fundada com objetivo de abrigar os trabalhadores da Usina Nuclear de Chernobyl. Foi oficialmente proclamada como uma cidade em 1979.  

 

Durante anos, Pripyat abrigou cerca de 50 mil habitantes. Os reatores da usina eram resfriados por um lago artificial de aproximadamente 22 quilômetros quadrados, construído próximo do rio Pripyat. A cidade continha mais 13 mil apartamentos, quase 100 escolas, um hospital e um centro administrativo central familiar para muitos planejamentos urbanos soviéticos.  

A central nuclear de Chernobyl foi construída entre 1970 e 1977, ela foi a primeira usina nuclear construída no país e incluía quatro reatores nucleares. Em 26 de abril de 1986, Chernobyl foi cenário do maior desastre nuclear da história, quando um reator explodiu durante um teste de segurança, as explosões mataram dois funcionários que estavam no momento do acidente, e liberou 200 toneladas de material radioativo na atmosfera.  

Para controlar o fogo, helicópteros e bombeiros usaram todas os seus materiais, e mesmo assim a contaminação se espalhou, resultando na morte de 31 pessoas, de acordo com dados internacionais.  

O mundo só ficou sabendo do desastre dois dias depois, em 28 de abril. Na época, na antiga União Soviética, um acidente nuclear era considerado um grande risco político para o bloco, mas outros países começaram a notar altos níveis radioativos, e assim, a URSS, comunicou ao mundo sobre o acidente nuclear. 

 

Como está Chernobyl atualmente? 
 

Após o desastre de 1986, a cidade foi evacuada e foi criado uma “zona de exclusão de Chernobyl” uma área de 3 mil km para isolar o espaço do acidente. Para conter a radioatividade, os Estados Unidos e mais outros 30 países criaram um sarcófago, um cubo de concreto que pode durar até 100 anos, tempo suficiente para os cientistas descobrirem novos métodos para enterrar o reator. Até hoje, Pripyat e Chernobyl são inabitáveis e viraram cidades fantasmas. 

Rússia x Ucrânia  

 

A Rússia e Ucrânia vivem momentos de tensão há anos, com a Ucrânia sofrendo diversas invasões, foi incorporada pelos russos e pelos soviéticos em 1922 e recuperou sua independência em 1991, após a dissolução da União Soviética. 

 

No último dia 24 de fevereiro, a Rússia de Vladimir Putin começou um ataque em terra, ar e mar na Ucrânia, após reconhecer a independência de duas províncias separatistas do leste ucraniano.  

Entre os principais motivos para a invasão da Ucrânia pela Rússia, estão: a expansão da Otan pelo Leste Europeu, a possibilidade de adesão da Ucrânia à aliança militar, a contestação ao direito da Ucrânia à soberania independente da Rússia e o desejo de Vladimir Putin de restabelecer a zona de influência da União Soviética. 

 
Atualmente, mais de 2 mil civis ucranianos foram mortos na invasão. 

 

Referências: 

 

CHERNOBYL: o que é, onde fica e por que a região é importante. Brasil: Nayara Fernandes, 24 fev. 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2022/02/24/o-que-e-chernobyl-e-por-que-regiao-e-importante.ghtml. Acesso em: 2 mar. 2022. 

 

CHERNOBYL: o que explica o interesse da Rússia no local do maior desastre nuclear da história. Brasil: CNN, 27 fev. 2022. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/chernobyl-o-que-explica-o-interesse-da-russia-no-local-do-maior-desastre-nuclear-da-historia/. Acesso em: 3 mar. 2022. 

 

A ARQUITETURA de Chernobyl: passado, presente e futuro. Brasil: Niall Patrick Walsh, 3 maio 2018. Disponível em: https://www.archdaily.com.br/br/893607/a-arquitetura-de-chernobyl-passado-presente futuro#:~:text=A%20central%20nuclear%20de%20Chernobyl,e%20inclu%C3%ADa%20quatro%20reatores%20nucleares. Acesso em: 4 mar. 2022. 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »