10/06/2022 às 07h57min - Atualizada em 10/06/2022 às 07h39min

Epifania: Como a música e personagens masculinos conflituosos destacam a obra “Sul da Fronteira, Oeste do Sol” de Murakami

Como Haruki Murakami, o notável escritor japonês, tem sua originalidade marcada em suas obras através do sobrenatural e da musicalidade

Ana Luíza Lima - Editado por Andrieli Torres
Reprodução: Google/TAG Curadoria
A história "Sul da Fronteira, Oeste do Sol" possui elementos que a destaca entre os escritos mais memoráveis de Murakami, como por exemplo "1Q84" com o volume de três livros sobre um romance distópico, inspirado na obra 1984 de George Orwell. O elemento do "fantástico" está presente em toda a narrativa, desde a importância que o jazz e a musicalidade ganham até o aprofundamento psicológico de seus personagens. 
 
O romance é curto e a trajetória do personagem principal, Hajime, é marcada principalmente por seus dilemas que se inicia com o fato de ser filho único e em como isso lhe torna "estranho" na realidade onde se insere. Da infância à vida adulta, a ansiedade e a morte rondam sua trajetória que se torna um tormento, desde que uma figura de importância, Shimamoto, sua amiga de infância, reaparece e o coloca em episódios de epifania, ou seja, a solução de suas maiores tormentas, mas também em situações complexas diante a realidade em que vive e de sua obscuridade. 
 
 
Acho que mantive, por muito tempo, um pedaço do meu coração vazio, destinado especialmente para ela. Como uma mesa tranquila, no fundo de um restaurante, com uma discreta placa de “reservado”. Mesmo acreditando que eu jamais a veria novamente. (Sul da Fronteira, Oeste do Sol) 

A musicalidade
A admiração e presença marcante da música em suas obras, expõe um lado interessante de Murakami e da trajetória que a música indica na vida de seus personagens. Hajime é uma das representações da paixão do autor pelo jazz e música clássica. Frustrado com sua vida como editor de livros didáticos, Hajime se casa e recebe um empréstimo de seu sogro para que ele possa abrir seu bar de jazz e nisso ele encontra sentido para sua própria vida, viver daquele espaço onde as pessoas se sintam alguém no mundo, algo que faça e tenha sentido. 
 
 “South of the Border” é a canção que faz referência ao título do livro, música que Hajime ouviu com Shimamoto em um LP de Nat King Cole. Entrentanto, não há indícios de que Nat King Cole tenha gravado a música.  
 
“Star-crossed Lovers”, presente no álbum “Such Sweet Thunder” (1957) do pianista e compositor Duke Wellington, torna-se uma das canções mais frequente durante a narrativa. A música marca sua presença sempre que Shimamoto retoma a uma parte importante da obra e de confusão de Hajime, por não saber muito sobre a figura misteriosa e emblemática que ela se torna, logo a canção tem sua importância na representação de um amor que não estava fadado a dar certo.
 
Personagens conflituosos 
Sul da Fronteira, Oeste do Sol é a história de personagens humanos, repletos de traumas e medos que vão se mostrando ainda mais densos quando Hajime expõe de fato quem ele se tornou. Um homem vazio, que busca sentido em seus relacionamentos, que é infiel e que carrega o "fardo" de ter machucado mulheres que marcam fases importantes de sua vida. A presença desse homem "miserável" e egoísta que busca preencher esse sentimento estranho, essa ansiedade e vazio desde a infância, onde se sentia desajustado e só por ser filho único. 
 
 “Não conseguia encontrar naquelas mulheres nada que existisse só para mim". (Sul da Fronteira, Oeste do Sol)
 
A figura masculina nas obras de Murakami carrega um peso psicológico que pode se tornar, de certa maneira, angustiante em alguns aspectos durante a leitura. A facilidade que Hajime cogita já no final da narrativa em abandonar suas filhas e sua esposa por uma mulher de seu passado, a frequência com que trai sua mulher, seu egoísmo em pensar apenas em justificar seus próprios medos e condutas duvidosas; Esses são apenas alguns dos aspectos que traçam essa imagem de um homem que não marca presença apenas em uma obra literária, mas que reverbera hoje na realidade. 
 
Logo, a figura problemática, a musicalidade que preenche a história de forma sútil e a figura do mistério, do fantástico são apenas alguns dos aspectos que marcam a brilhante obra que Murakami escreveu. A figura de alguém vulnerável, mas que é capaz de ferir, a história que sonda o imaginário e a realidade é a representação da vida vista por um ângulo, por um olhar e perspectiva. A realidade do outro ainda se torna um mistério pouco acessível, o que temos acesso é apenas a uma pequena fração do que acreditamos que é real. 
 
O vazio continuava sendo apenas um vazio. Passei muito tempo imerso nele. Tentando me habituar a ele. “No fim, foi aqui que cheguei”, pensei. Preciso me acostumar com este lugar. (Sul da Fronteira, Oeste do Sol)

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »