29/06/2022 às 14h31min - Atualizada em 29/06/2022 às 12h03min

Corinthians e Boca empatam sem gols pela Libertadores

Além do pênalti perdido por Róger Guedes e boas atuações de Cássio e Rossi, partida foi marcada por ataque ao ônibus dos argentinos e atos racistas da torcida visitante

Tiago Silva - labdicasjornalismo.com
Adson lamenta um dos lances do Corinthians contra o Boca. Fonte: Danilo Fernandes/Meu Timão.
O Corinthians empatou em 0 a 0 com o Boca Juniors, na última terça-feira (28), em partida de ida válida pelas oitavas de final da Libertadores, na Neo Química Arena, em São Paulo. O resultado deixa a decisão em aberto para o jogo de volta, que será no próximo dia 05/07, no estádio La Bombonera, em Buenos Aires.

Em campo, a partida foi marcada pelo poderio defensivo de ambas as equipes, que fizeram de tudo para que não houvessem jogadas de perigo. Os xeneizes trouxeram mais perigo em seus chutes a gol, mas não marcaram graças as defesas do goleiro Cássio. Já o coringão, que tinha oito desfalques entre titulares e reservas, chutou mais vezes - dez no total -, entretanto trouxe menos perigo. A principal chance de gol foi o pênalti cobrado por Róger Guedes e defendido pelo goleiro Rossi.

Fora do campo, houve diversos atos de violência:  o ônibus do Boca Juniors foi alvo de apedrejamento a caminho do estádio, e uma das pedras quebrou o vidro próximo ao assento em que o integrante do conselho de futebol do clube, Jorge Bermúdez, estava; ele teve ferimentos leves na perna.

Já na arquibancada, seis torcedores da equipe argentina foram presos e levados à delegacia acusados de injúria racial. Destes, apenas três continuaram detidos por conta de provas registradas por torcedores corinthianos. Além disso, dois torcedores xeneizes foram gravados imitando macacos para a torcida corinthiana e um fazia gestos de apologia ao nazismo.

Segundo apurações da TV Globo e do portal Meu Timão, os dois primeiros foram enquadrados no crime de injuria racial, o que permite o pagamento de fiança estipulada em R$ 20 mil. Já o terceiro foi inicialmente enquadrado no crime de apologia ao nazismo, que é inafiançável, mas a autuação foi registrada como apologia ao crime, o que também  permite a liberação após o valor da fiança ser quitado.

PRIMEIRO TEMPO

O início de jogo foi favorável ao Corinthians, que teve mais domínio da posse de bola e a facilidade em se desvencilhar das pressões ofensivas do adversário. Porém, nenhum chute ao gol foi realizado por ambas as equipes até os 14 minutos, quando Exequiel Zeballos cruzou na cabeça de Darío Benedetto, e Cássio defendeu.

Uma nova jogada de perigo surgiu apenas aos 36 minutos. Giuliano passou para Adson pela direita, e o atacante brasileiro conduziu até o chute de fora da área, que passou perto do gol do Boca Juniors.

O principal lance da partida aconteceu aos 40 minutos, quando Marcos Rojo deixou o braço no rosto de Gustavo Mantuán e recebeu cartão amarelo. O árbitro marcou o pênalti. Na cobrança, Róger Guedes chutou no canto esquerdo do goleiro Rossi, que espalmou para a área. No rebote, Willian não acertou o cruzamento.

Já a principal chance do Boca Juniors saiu sete minutos depois, já nos acréscimos, quando Sebastián Villa cruzou pela esquerda e Benedetto, de primeira, chutou no ângulo. Cássio espalmou a bola para fora e evitou o gol.

SEGUNDO TEMPO

A segunda etapa contou com um domínio de posse maior do Boca Juniors no início, mas que se tornou totalmente equilibrado entre os clubes no decorrer dos 45 minutos.

Apesar disso, foi o Corinthians que começou com tudo: nos primeiros 30 segundos, Willian driblou quatro jogadores à esquerda da grande área e cruzou de forma rasteira para Giuliano, que chutou na marcação de Rojo. Já Aos seis minutos, em cobrança de falta na intermediária, Óscar Romero trouxe perigo para o Corinthians com o chute direto que Cássio foi buscar. 

No minuto 20, o timão voltou a finalizar a partir da sobra que Willian recebeu fora da área. Ele acionou o lado esquerdo com Adson e Mantuán, que tabelaram, mas o camisa 28 chutou por cima do gol.

A defesa corinthiana se mostrou eficaz durante o decorrer da etapa, evitou que o Boca acertasse os cruzamentos ou criasse jogadas de perigo em todos os lados do campo. O mesmo valeu para a equipe argentina, que evitou as construções pelo meio-campo e pelas laterais.

Willian foi o que mais sofreu com a marcação e descolou  o ombro. Aos 37 minutos - quando Benedetto cometeu a falta -, o brasileiro caiu de mau jeito, mas pediu para que o técnico Vitor Pereira não o substituísse; na segunda vez, quando Advíncula o derrubou, a situação ficou insustentável para o camisa dez.

A última jogada de perigo aconteceu aos 33 mintuos, quando João Victor dominou mal a bola lançada por Rossi e deixou a sobra para Benedetto que, ao perceber que Cássio estava adiantado, surpreendeu com um chute de primeira de fora da área. Porém, a bola foi para fora.

PRÓXIMOS JOGOS

Antes do jogo de volta, o Corinthians enfrenta o Fluminense no próximo sábado (02/07), às 16h30 (horário de Brasília), em partida válida pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro, no Maracanã. Já o Boca Juniors recebe o Banfield na próxima sexta-feira (01/07), às 21:30 (horário de Brasília), em partida válida pela segunda fase do Campeonato Argentino, em La Bombonera.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »