08/07/2022 às 09h45min - Atualizada em 08/07/2022 às 09h40min

Arte na cidade de São Paulo: as melhores exposições para visitar na capital

Sempre existe uma exposição que vale a pena ser contemplada.

Laura Amirati - Revisado por Jonathan Rosa
Fachada do MASP. (Foto/Reprodução: UOL).

A capital paulista carrega a fama de cidade que nunca dorme, referência a uma cidade americana também repleta de vida e energia (New York). Mas, além de madrugadas agitadas e bares cheios de estilo, São Paulo também abriga destinos para aqueles que preferem passeios mais tranquilos, repletos de  arte e história. 

 

Aqui, vamos listar exposições que estarão ativas nos próximos meses, para aqueles que gostam da calmaria dos museus:

 

Tim Burton na Oca do Ibirapuera

Ambiente interativo.

Ambiente interativo.

(Foto: Bruno Soares/ Reprodução: Veja SP).

Os personagens de Tim Burton carregam um estilo característico do cineasta, sendo quase impossível não reconhecer que uma obra é de sua autoria. A arte de Burton traz referências de histórias de terror, com personagens caricatos e profundos, que representam emoções e conflitos abstratos, personificados em personagens aclamados pela crítica e pelo público.

 

Lançado em 2009, o livro A Arte de Tim Burton, conta com um prefácio escrito pelo próprio cineasta e diversas representações de obras do artista. Um mergulho ao universo imaginativo e um tanto sombrio que ele criou. 

 

Em 2019, A Arte de Tim Burton  comemorou o aniversário de 10 anos da em Brasília e, em 2022 comemora os 13º aqui em São Paulo. A exposição A Beleza Sombria dos Monstros se inspira nessa obra e dá vida ao que o livro retrata.


Realizada pela Rua 34, com curadoria de Jenny He, a instalação está na Oca, no Parque Ibirapuera, até 14 de agosto. A classificação etária é livre e os ingressos variam entre R$20 e R$70, dependendo do dia e da categoria.


Museu da Imigração Japonesa

Parte do oitavo andar do Museu da Imigração Japonesa

Parte do oitavo andar do Museu da Imigração Japonesa

(Foto/Reprodução Bunkyo).

Inaugurado em 1978 no prédio Bunkyo, no bairro Liberdade, o Museu da Imigração Japonesa sempre contou com três espaços, que ficam entre o sétimo e o nono andar. Seguindo uma linha do tempo, o sétimo andar conta sobre os principais grupos imigrantes. O oitavo traz uma narrativa sobre como foi a vida desses imigrantes japoneses na década de 50 e durante a Segunda Guerra Mundial. 

 

Já o nono andar, onde encontra-se o novo acervo, aproxima a história da atualidade, completando a linha do tempo, fala sobre a influência da cultura japonesa no Brasil. Além de contar com edições raras de mangás, peças exclusivas de cosplays e diversos itens das icônicas séries e animes japoneses. 


O museu funciona de terça à domingo, das 13h00 às 17h00, os ingressos custam entre R$16 (inteira) e R$8 (meia), mas às quartas-feiras a entrada é gratuita. O site disponibiliza também a visitação digital do museu.


MASP - Museu de Arte de São Paulo

Cavaletes de Cristal.

Cavaletes de Cristal.

(Foto/Reprodução: Veja SP).

O mais conhecido e querido museu de São Paulo sempre comporta exposições incríveis, é um ótimo destino para um passeio de última hora, já que sempre tem alguma coisa interessante para contemplar. Até o final do mês de julho, conta com duas exposições, além do acervo que está desde janeiro e fica até dezembro. 


Os ingressos variam entre R$25 e R$50, com entrada gratuita todas as terças e na primeira quarta-feira do mês. Pessoas com deficiência e crianças com menos de 10 anos entram gratuitamente em qualquer dia.

O Acervo em transformação

 

Situado no segundo andar do prédio, diversos Cavaletes de Cristal acomodam obras de vários artistas. Os cavaletes são placas de vidro apoiadas por blocos de concreto, pensados por Lina Bo Bardi (1914-1992). As peças estiveram na inauguração do museu, em 1968, e voltaram em 2015. 

 

Desde então, o acervo é rotativo (em transformação), a ideia é aproximar o visitante da obra exposta, à tirando da parede e deixando as informações sobre artista e obra em segundo plano. O acervo atual fica até o fim deste ano.

 

Luiz Zerbini: A mesma história nunca é a mesma

 

O paulista Luiz Zerbini, referência na arte contemporânea latino-americana, pela primeira vez em uma amostra solo em São Paulo. A mesma história nunca é a mesma fala sobre as repetições de histórias durante os séculos, como acontecimentos parecidos continuam acontecendo ao longo dos tempos e a necessidade de criar novas narrativas. A exposição conta com 5 grandes obras, diversas monotipias e outros trabalhos do artista.

 

Volpi Popular

 

De origem italiana, mas crescido no Cambuci, em São Paulo, Alfredo Volpi demonstra, com suas obras, seu interesse por elementos da cultura brasileira. Dessa forma, integra o ciclo temático 21-2022 do MASP, Histórias Brasileiras. Com mais de 90 pinturas, a amostra não cronológica aborda sete temas, entre eles cenas rurais e urbanas da vida brasileira.


Não é preciso ser um grande entendedor de arte para visitar exposições, entender as obras e contemplar o artista. Mas, é importante entender que a arte é uma maneira de expressão que carrega, naturalmente, críticas sociais em todas as suas vertentes.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »