18/07/2019 às 15h54min - Atualizada em 18/07/2019 às 15h54min

A expansão dos fãs na era digital

As novas tecnologias têm o poder de transformar a relação entre o fã e o artista

Thamires Silva
Os fãs possuem um papel importante para o sucesso do artista no mercado. (Foto: Francis Lima / Thiago Brava)
Na era da convergência das mídias, deixamos de ser apenas os consumidores e reintegramos na cultura participativa e ativa na propagação de conteúdos diversos. Graças ao desenvolvimento das mídias digitais, cada vez mais artistas tendem a ter um contato maior com as pessoas que admiram e gostam dos trabalhos que eles realizam.

Diante disso, os fãs possuem um papel importante na expansão da indústria cultural e do entretenimento, tornando o elemento indispensável para construir uma marca, afinal, para que o artista tenha sucesso no mercado, há a necessidade de alguém acompanhar o seu trabalho.

Com toda a influência dos veículos de comunicação, os grupos de fãs, mais conhecidos como fandoms, contribuíram na criação de novos relacionamentos entre as informações e a produção de conteúdo. Antes disto, o fã era aquele que guardava os recortes de revistas em uma pasta, esperava ansiosamente a sua música favorita tocar no rádio para que pudesse gravar na fita cassete, etc.

A fã do Backstreet Boys Clarisse Silva, de 35 anos, conta que na sua época um meio de manter-se informada sobre os ídolos era pela televisão, rádios e revistas, o que é bem diferente do que estamos vivendo hoje.


Backstreet Boys | (Foto: Reprodução/Internet) 


MÍDIAS SOCIAIS

A Psicóloga Bárbara Elisa acredita que as mídias sociais mudaram completamente o modo de ser fã de alguém. “As pessoas sempre tiveram ídolos, seja personagens ou entidades religiosas, e atualmente, com a evolução e popularização dos meios de comunicação, as referências aumentaram. Antes os membros se falavam por telefone ou por cartas, e marcavam encontros na sede do clube. Hoje os fã-clubes são fã sites (produtores de conteúdo). Tudo é mais rápido e tem um alcance maior”, conta.
 
Com a internet é possível que tenhamos em mãos milhares de informações sobre os artistas, há um campo vasto de fotos, vídeos, músicas em apenas um clique. O fã possui um envolvimento maior com aquilo que gosta, não é simplesmente ir em um show, assistir uma série, ouvir uma música e amar, mas sim, preservar e empenhar-se a tornar um fã intenso na interatividade com outros fãs e com o próprio ídolo.
 
Segundo a Psicóloga, o fã é uma pessoa que defende com paixão, garra e tenacidade as suas preferências. Bárbara diz que não há um conceito concreto a ser firmado. “O fã sente entusiasmo desmedido por aquilo que o faz bem. O fã espera, uma espera interminável. Ele espera pela próxima música, pelo próximo álbum, pelo videoclipe novo, pelo próximo show”, conta .
 
Vale destacar também que com toda essa aproximação das redes sociais, muitos fãs acabam criando laços saudáveis com os seus ídolos. Esta conexão pode ser tão forte, que nem toda a distância é capaz de quebrar os laços.

O ídolo se torna um membro da família, como é o caso da Michele Orniéski, fã do cantor Thiago Brava (dono de hits como “Dona Maria” e “Namora Bobo”) há seis anos. “A minha relação com o Thiago é baseada em reciprocidade. Nunca senti um amor tão puro e intenso entre eu e um ídolo. São anos que o acompanho e ainda não acostumei com todo o reconhecimento dele pelas redes sociais, e também quando me encontro com ele pessoalmente. Foi sendo fã do Thiago que eu aprendi o significado de amar e ser amado. Sinto que é algo de outras vidas”, afirmou.




Thiago Brava | (Foto: Isabella Mendes)

Virgínia Naves faz parte de um dos fandoms que mais cresce no mundo, principalmente no Brasil (onde ganhou os holofotes nos últimos anos), o ARMY, do Boy Group Sul-Coreano, Bangtan Boys, mais conhecido como BTS. Ela relata que se uniu ao fandom quando estava sofrendo de uma depressão muito forte. “Estava em um momento realmente difícil e foi quando, pesquisando sobre momentos difíceis que os jovens passam, eu descobri uma música deles chamada "Tomorrow". Nela encontrei um suporte e pude perceber que não estava sozinha. Que tinham jovens, mesmo do outro lado do mundo, que me entendiam, que sabiam pelo que eu estava passando”.

Assim como Virgínia, muitos outros fãs encontram nos artistas uma ponte para lidar com diversas situações difíceis. O relacionamento que há entre ambos, é o que dá força para milhares.

Em síntese, podemos dizer que o fã passou a ser um elemento importante na internet e nas mídias digitais. Afinal, trocar informações e experiências, compartilhar interesses e conectar-se com pessoas de diversos lugares é algo fantástico, que somente a tecnologia pode nos presentear. É a quebra de fronteiras, que resulta em mais visibilidade às culturas do entretenimento



BTS | Rich Fury/Getty Images for The Recording Academy

BTS | Rich Fury/Getty Images for The Recording Academy


BTS | (Foto: Rich Fury/Getty Images for The Recording Academy)

Editado por Pâmela Rita 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »