18/04/2020 às 18h01min - Atualizada em 18/04/2020 às 18h01min

Especialistas recomendam masturbação durante isolamento social

Apesar da Covid-19 não ser sexualmente transmitida, beijos e carícias podem facilitar o contágio

Ana Beatriz Motta - Editado por Letícia Agata
Getty Images

Com a adoção do isolamento social em nível global como medida de contenção do Coronavírus, a vida sexual de inúmeras pessoas foi impactada, principalmente para aquelas que não moram com seus parceiros. Autoridades de saúdes de muitos países ao redor do mundo, como Argentina, Irlanda e Colômbia, vêm recomendando a masturbação e o sexo virtual como alternativas nesse momento de pandemia.

Em março, a prefeitura de Nova York divulgou uma cartilha orientando os cidadãos nova-iorquinos sobre os cuidados para evitar a contaminação durante o sexo. O documento destaca que “você é o parceiro sexual mais seguro para si” e que é necessário higienizar as mãos e os brinquedos eróticos antes e depois do ato.

A psicóloga e terapeuta sexual, Lilian de Paula, ressalta que ainda não foi encontrado nenhum indício de que o vírus esteja presente no sêmen ou nos fluidos vaginais. A contração do vírus ocorre a partir do contato físico, principalmente no beijo, já que o vírus é transmitido pela saliva, e no toque.

“Para as pessoas que estão em relacionamento fixo, em um namoro ou que já vêm saindo algum tempo com alguém, é uma boa oportunidade para reinventar a forma delas de se relacionar, criar novos momentos de intimidade com vídeos, mensagens, fotos e formas que utilizem a imaginação para inovar. É um bom momento para se falar a respeito de sexo, que normalmente não é falado e é só feito”, diz a psicóloga.

Para ela, a masturbação pode ser a melhor opção, pois além de não transmitir a Covid-19, traz inúmeros benefícios, tanto para a saúde mental quanto para a saúde física. “Tem a questão de autoconhecimento. A pessoa passa ter o domínio sobre o que ela gosta, o que ela quer e de onde gosta de ser tocada. A masturbação é como se fosse um treino, porque ela que vai melhorar a relação do casal. Quanto mais você se conhece, mais prazeroso será o sexo”, explica.

Já em relação aos benefícios físicos, a terapeuta alega que o orgasmo funciona como um analgésico natural. “Durante e depois da masturbação é como se o corpo liberasse relaxantes químicos, a endorfina e a dopamina, por exemplo, que ajudam a induzir um sono de melhor qualidade, aliviar dores menstruais, abaixar os níveis de stress e que também trazem o relaxamento e a sensação de bem-estar”.

Segundo ela, o músculo do assoalho pélvico se contrai durante o orgasmo, “fazendo com que ele se fortaleça e evite a queda de bexiga e perda de urina, por exemplo.” Além disso, outro benefício que pode ser listado é o aumento de anticorpos e a melhora do sistema imunológico por meio da liberação da serotonina e adrenalina na masturbação.

 

Mercado de produtos eróticos

Empresas de brinquedos sexuais do mundo todo vêm reportando aumento da procura por seus produtos durante o isolamento social. Segundo a loja Womanizer, suas vendas cresceram cerca no total de 50% e a maior parte de seus pedidos são provenientes dos países mais afetados pela pandemia, como Hong Kong, Estados Unidos e Itália.

De acordo com a Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual (Abeme), durante o isolamento social pode haver um aumento de até 12% na compra de vibradores e outros produtos sexuais no Brasil.

Mas para a empreendedora, Sheila Muniz, as vendas não aumentaram. “O que aumentou foi a curiosidade pelos produtos em relação à utilização e às funções deles, além de quais produtos que o mercado oferece, porque muitos clientes não conheciam alguns tipos de sex toys”, explica.

Segundo ela, a procura não é por um produto específico e sim geral. “Um dos cuidados em relação ao sexo é que pessoas solteiras não conheçam pessoas novas, então aproveitei esse gancho para oferecer produtos voltados para a masturbação”, continua. Em relação ao sigilo na entrega, mesmo que o cliente não especifique, Sheila opta por embalagens discretas e evita deixar os produtos em portaria.

Já a loja virtual, “Momentos da Sedução”, acredita que as vendas nesse contexto de pandemia não saltaram devido à instabilidade financeira em que o país se encontra, mas a esperança é as lojas de produtos eróticos apresentem melhoras nas vendas após esse período de confinamento.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »