23/04/2020 às 11h31min - Atualizada em 23/04/2020 às 11h31min

Lives e educação tornaram-se aliados

Algumas escolas têm aderido a projetos de aulas ao vivo para que os estudantes não saiam prejudicados

Lunna Rocha - Editado por Letícia Agata
https://www.ebc.com.br/sites/_portalebc2014/files/atoms_image/ead.jpg
Desde que o surto de Covid-19 chegou ao Brasil e a necessidade do isolamento social foi decretada, a rotina de escolas e faculdades, tanto da rede pública quanto privada, foi interrompida. Porém, graças à possibilidade de interação e inúmeras plataformas que a internet oferece, algumas escolas conseguiram readaptar seu cronograma para que os alunos deem continuidade aos seus estudos.
Em Manaus, Amazonas, por exemplo, o projeto “Aula em casa” transmite aulas ao vivo para alunos da rede pública de ensino. Além de um conteúdo programático específico para cada segmento de ensino, o programa tem o diferencial de ser multiplataforma, sendo transmitido em canais de televisão aberta e pela internet através do YouTube e do aplicativo “Mano”, plataforma online de vídeos interativos.


 "Aula em casa" vira referência nacional em aulas à distância. Foto: Reprodução/ internet

Outra vantagem é que, caso o aluno não consiga assistir a transmissão ao vivo, o conteúdo com exercícios e orientações do professor é disponibilizado na plataforma online. A professora da rede municipal, Glauce Simões, 41, afirma que o projeto tem dado retorno positivo: “Os alunos têm se mostrado muito empenhados e os pais colaboram demais também. Eles foram compreensivos com o momento que estamos passando e abraçaram a causa.”
A gestora educacional, Eline Ale, 51, fala de alguns fatores que fazem com que o projeto não atinja ainda 100% dos estudantes: “Na minoria dos casos encontramos pais que não fazem questão de estimular o aluno a participar das aulas. Isso dificulta o envolvimento. Também tem o fator de que muitos não tem acesso à internet ou até mesmo TV aberta. É difícil de acreditar, mas ainda tem uma parcela da população que não tem condições de pagar por isso.”

 Aluno acompanha aula ao vivo pela televisão. Foto: Reprodução/ internet

Nos últimos tempos não só escolas adotaram a cultura das lives, mas também academias, salões de beleza e figuras públicas. Cantores, principalmente, estão apostando alto nas transmissões ao vivo que, além de gerar entretenimento (essencial em tempos de quarentena), beneficia o artista que cria laços ainda mais fortes com seu público. Marília Mendonça detém o recorde mundial com cerca de 3.2 milhões de espectadores simultâneos em sua live, que tinha como objetivo incentivar o isolamento social para ajudar no combate ao coronavírus.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »