26/05/2020 às 10h00min - Atualizada em 26/05/2020 às 10h00min

Crescer nas telas é ser Coming of Age?

Conheça mais sobre o gênero que retrata o amadurecimento na sua narrativa

Ernandes Silva - Editado por Fernanda Simplicio
Divulgação: Universal Pictures
Não importa a década, produções sobre jovens aprendendo a lidar com os seus problemas e outras questões da vida sempre existirão. Essas produções são tão importantes que criaram um gênero chamado Coming of Age, ou como podemos chamar em português de amadurecimento.
Esse gênero tem como ideia/base personagens que estão por volta dos seus 12 anos até os seus 20 anos, e que estão aprendendo a lidar com o mundo ao seu redor. Isso inclui questões de relações com os seus familiares, amigos e amores, qual o seu papel no mundo e como ele funciona, autodescobrimento, aceitação do individuo que é ou vai ser.

Então quer dizer que todas as histórias que têm jovens como protagonistas são Coming of Age? Não exatamente!
Pois o foco principal do gênero é nas questões listadas anteriormente. O gênero configura-se a partir da presença de elementos fantásticos ou de tramas ligadas ao mistério/drama que envolvem a história, desviando o seu foco para esse novo elemento. É claro que existem histórias que trabalham bem o desenvolvimento e o amadurecimento dos personagens com elementos fantasiosos, mas em sua maioria o gênero Coming of Age não tem isso.

O gênero Coming of Age está muito presente em diversos filmes e um dos maiores referente ao gênero, se não o maior, é o clássico dos anos 80 de John Hughes, O Clube dos Cinco (1985). Nele temos cinco estudantes distintos que estão em detenção na escola durante o sábado, e que ao longo do dia os jovens começam a se autoconhecer.
Clube dos Cinco marcou uma geração e ainda marca aquelas que o assiste, já que a linguagem utilizada para se comunicar com o publico da época ainda funciona bem. As gerações de adolescentes podem não serem as mesmas, mas elas têm as mesmas dúvidas, problemas e questões e como lidar com tudo isso. O filme é tão marcante que sempre está sendo referenciado e homenageado na cultura pop, e que vale a pena assistir e reassistir.

 
Divulgação: Universal Pictures

Divulgação: Universal Pictures


 
Enquanto Clube dos Cinco fala sobre autoconhecimento e aceitar quem você é, As Vantagens de Ser Invisível (2012) trata de assuntos mais densos como depressão, abuso de crianças e suicídio. O filme é baseado no livro de mesmo nome de Stephen Chbosky, lançado em 1999. Aqui temos a história do Charlie, um adolescente de 15 anos que está se recuperando de uma depressão após ter perdido seu único amigo, que comete suicídio e conhece Sam e Patrick, que vão lhe ajudando nessa jornada. A forma que os temas são abordado é de extrema sensibilidade e conscientização para os espectadores, que comove bastante.
 
Divulgação: Summit Entertainment

Divulgação: Summit Entertainment



O gênero Coming of Age não está somente presente nos longas-metragens, ele se faz presente também em séries de TV e Streaming. O leque de opções para as produções do gênero é grande, como já falado alguns antes, e atualmente elas abordaram temas que são tabus de uma forma mais conscientizada e didática, assim pode-se dizer, e dentre elas está Sex Education (2019).

De início, Sex Education parece ser mais uma série teen sem grandes pretensões, mas ela conseguiu ser um grande destaque do catalogo da Netflix. Isso é devido a forma como a temática da sexualidade e do sexo na adolescência é tratada de uma forma tão orgânica que envolve o espectador. Assim, conseguindo conversar sobre sexo com o publico alvo de uma forma descontraída, algo que não havia sido feito antes. Ademais, o toque de humor e também de drama favorece para sua narrativa.  

Reprodução: Netflix

Reprodução: Netflix



Há diversas outras séries e filmes sobre crescimento e amadurecimento dos mais diversos temas como as séries: Glee (2009 – 2015), Atypical (2017 –), Euphoria (2019 –), Eu Nunca... (2020 –). E os filmes: Boyhood: Da Infância à Juventude (2014), Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (2014), Lady Bird: A Hora de Voar (2017). Sem mencionar as adaptações de livros YA (Young Adult ou Jovem Adulto) do John Green - A Culpa é das Estrelas (2014), Cidades de Papel (2015), Looking For Alaska (2019) -, Jenny Han - Para Todos os Garotos que Já Amei (2018) e Para Todos os Garotos: P.S. Ainda Amo Você (2020) -, Becky Albertalli - Com Amor, Simon (2018) e em breve Com Amor, Victor - que são os escritores atuais com trabalhos voltados para o público teen.

Podemos concluir que as produções Coming of Ages sempre existirão por haver a necessidade de se comunicar com os jovens sobre assuntos que surgem na fase da adolescência. Além de servir como reflexo daquela geração, tanto no lado positivo como no lado negativo. Com isso a arte podendo ajudar o público alvo, e as vezes também outros públicos, a lidar de forma saudável com os problemas e as questões da vida.

REFERÊNCIAS 
MATTA, Ana Clara. 
Cânone Hughes – Os 15 melhores filmes de “coming of age”. Ovo de Fantasma, 22 de mar. de 2017. Disponível em: <https://ovodefantasma.wordpress.com/2017/03/22/canone-hughes-os-15-melhores-filmes-de-coming-of-age/>. Acesso em: 22 de mai. de 2020. 

DEMEROV, Barbara. 10 filmes Coming Of Age que você precisa ver (ou rever).  Cinematecando, 16 de fev. de 2018. Disponível em: <http://cinematecando.com.br/10-filmes-coming-of-age-que-voce-precisa-ver-ou-rever/>. Acesso em: 21 de mai. de 2020. 
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »