23/06/2020 às 22h42min - Atualizada em 23/06/2020 às 22h39min

Dirigentes dos times paraenses discutem volta do campeonato estadual

Responsáveis apresentam planos para o retorno do futebol no Pará

Beatriz Reis - Editado por Paulo Octávio
Lance entre Paysandu x Remo antes da quarentena. Foto: Jorge Luiz/ASCOM Paysandu
O retorno do campeonato paranaense está no centro de um impasse entre clubes, prefeitura de Belém e do governo do Estado. Na última sexta-feira (19), houve mais uma reunião entre os clubes representados por seus presidentes Ricardo Gluk Paul (Paysandu); Fábio Bentes (Clube do Remo); Eder Luiz Pisco (diretor de futebol da Tuna Luso); médicos convidados pela prefeitura, Flávio Freire e Felipe Sena; e o prefeito da capital, Zenaldo Coutinho. Luiz Omar Pinheiro,  o presidente do Carajás, justificou sua ausência em decorrência a uma viagem.

A prefeitura avalia uma possibilidade de retorno gradual aos treinos e vem estudando os protocolos de segurança para entrar em um consenso. Na segunda-feira (22), o Paysandu anunciou a instalação de uma cabine de higienização na entrada do estádio da Curuzu e que será obrigatório a passagem de jogadores, comissão técnica, funcionários e dirigentes durante está nova rotina de trabalho. A equipe Bicolor é a principal interessada nessa volta, pois já possui um protocolo feito internamente e hoje depende exclusivamente do posicionamento do governo.
 

O Clube do Remo, também aguarda posicionamento das autoridades para uma definição de retorno e de confirmação de contrato com os atletas. Já a Federação Paraense de Futebol, com auxílio de médicos e da Confederação Brasileira de Futebol, montou um protocolo que garante total segurança aos atletas, comissão técnica e pessoas envolvidas na realização das partidas. “Foram semanas de debates e de aprendizado para todos que estavam na comissão, trocamos muitas informações e estamos seguros do que foi produzido. Aguardamos as agendas do governo e prefeitura para a entrega do documento e esperamos pela análise para darmos início às etapas e a retomada do futebol no Pará”, finalizou Paulo Romano, vice presidente da FPF e coordenador do protocolo.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »