24/06/2020 às 18h13min - Atualizada em 24/06/2020 às 16h59min

O sucesso dos jogos eletrônicos no Brasil

No último ano houve um aumento de 7,1% de brasileiros gamers

Catharine Senna - Editado por Fernanda Simplicio
Fonte: Agencia Brasil / Reprodução:Rovena Rosa
Os games que existem hoje, são frutos de antigos testes de simuladores e programas de inteligência artificial feitos por acadêmicos de Ciência da Computação, a fim de exercitar mais o cérebro em atividades escolares. E através da evolução dos computadores, foi possível também evoluir os jogos eletrônicos.

O surgimento do PDP-1, o computador mais moderno da década de 60, fez com que o estudante Steve Russel criasse o jogo “Spacewar”, para testar a potência do computador. O jogo simulava duas naves espaciais batalhando; posteriormente, em 1971, Nolan Bushnell criou um jogo semelhante chamado “Pong”, no qual era uma espécie de ping-pong virtual. O criador, então, colocou o aparelho dentro de um gabinete operado por moedas de 25 centavos, em um bar, que acabou fazendo muito sucesso. Ele, por fim, fundou a Atari, que dominou o mercado de games na década de 80.

No decorrer dos anos, outros consoles foram surgindo, com temáticas diferenciadas, desde os games de plataforma, como Super Mario, da Nintendo, aos jogos de terror de Silent Hill, no Playstation I. Com a diversificação dos games, também é possível notar mudanças no consumo entre a década de 80 aos dias atuais, houve um aumento no número de jogadores, e especificamente no Brasil, segundo a Pesquisa Game Brasil (PGB), 73,4% dos brasileiros jogam games, tendo um aumento de 7,1% de 2019 para 2020.

O organizador da RetroGames (evento voltado para os games das antigas) da cidade de Manaus (AM), Amélio Belchior (34), diz que como começou a jogar desde novo, ele pôde acompanhar o trajeto e a evolução dos games e seus respectivos consoles, “os jogos se tornaram universais, mais mídia, mais opção e entretenimento, tudo isso influenciou no aumento de gamers conforme o tempo foi passando”, afirma Amélio.




Em 2019, a PBG destacava a predominância do PS4 entre os jogadores, isso porque ocorreram grandes lançamentos, como: Resident Evil 2 Remake, Devil May Cray 5, e também, o ganhador do “Game Of The Year” no Game Awards, Sekiro. Games como esses, acabam por influenciar às pessoas a comprarem o console, ainda mais o PS4 que já é conhecido por lançar exclusivos que fazem muito sucesso entre os jogadores. Porém, nem todos conseguem comprar na mesma época que lança. É o caso da acadêmica de Licenciatura em Geografia, Hanna Wakabayashi (20), que nunca pôde jogar a maioria dos games, por conta do preço, mas com a ajuda do namorado, isso acabou sendo possível, “meu namorado comprou o PS4 fim de 2018, mas eu comecei a jogar mesmo no início de 2019, os jogos Horizon Zero Dawn e Detroit Become Human, foram os reais motivos para eu querer ter um PS4”, diz Hanna.

No ano seguinte, em 2020, o celular se tornou a plataforma favorita dos brasileiros, com 86,7% de usuários, logo em seguida os consoles com 43% e por último o PC, com 40,7% , segundo os dados da PGB. A preferência do celular é devido ao jogo “Free Fire”, que apesar de ter sido lançado oficialmente em 2017, ele passou a ser jogado com mais frequência recentemente, devido suas atualizações e melhorias da jogabilidade.

MERCADO BILIONÁRIO
O mercado dos jogos eletrônicos, não é apenas uma atividade dos nerds, é também uma atividade bilionária. Um estudo feito pela consultoria Newzoo, concluiu que esse universo movimenta cerca de US$ 1,5 bilhão por ano no Brasil. O país é o 13º maior mercado de games do mundo e, segundo um levantamente feito pela PWC (PricewaterhouseCoopers), deverá crescer 5,3% até 2022.

A tendência que está se consolidando, são os programas os quais cobram assinaturas para que as pessoas possam jogar, segundo a Newzoo, a Apple e a Microsoft são exemplos disso. Em eventos como o Brasil Game Show, apostam também não só em profissionais associados aos consoles, mas também àqueles jogadores que se destacam em torneios oficiais, os quais tiram fotos com os fãs e dão autógrafos.

No que se diz respeito às vendas de jogos eletrônicos em 2020, pode-se afirmar que o aumento do número de gamers é devido a pandemia causada pelo COVID-19. Como o público deve ficar em casa, não há muitas opções de lazer além de ver filmes e séries e jogar videogame. Porém, com ou sem pandemia, o mercado continua crescendo e a tendência é que venham jogos com mais qualidade gráfica e histórias que venham a encantar o público nos próximos anos.

REFERÊNCIAS:
GARCIA, Tayná. 73,4% dos brasileiros jogam videogames, aponta pesquisa. Jovem Nerd, 3 jun 2020. Disponível em: <https://jovemnerd.com.br/nerdbunker/734-dos-brasileiros-jogam-videogames-aponta-pesquisa/https:/www.google.com.br/ > Acesso: 23 jun 2020 .

SUPERINTERESSANTE. Como foi inventado o videogame?. 31 out 2016. Disponível em :< https://super.abril.com.br/tecnologia/como-foi-inventado-o-videogame/> Acesso 23 jun 2020.

MENDES, Jaqueline. Indústria de games cresce e se profissionaliza cada vez mais. Estado de Minas, 16 out 2019. Disponível em: < https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2019/10/16/internas_economia,1093076/industria-de-games-cresce-e-se-profissionaliza-cada-vez-mais.shtml > Acesso: 23 jun 2020.

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »