31/07/2020 às 01h02min - Atualizada em 31/07/2020 às 00h56min

Tecidos naturais e leves são tendências voltadas para região Norte do país, diz consultora

Eloiny Nóbrega conta que peças mais fluídas não podem faltar no guarda-roupa de quem enfrenta o clima amazônico

Vanessa Albino - Editado por Larissa Barros
Reprodução
A região norte é um lugar bastante úmido, quente e com muitas chuvas. Apesar disso, a moda também inspira pessoas que enfrentam o clima amazônico, com o uso de roupas leves, tendências com tecidos, estilo e atitude como as demais regiões do país.

Em conversa com a nossa reportagem, a consultora de Imagem que mora no Amapá, Eloiny Nóbrega, afirmou que as peças de tecidos naturais, como o algodão e linho é essencial para as pessoas que moram no estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins, por causa do frequente calor. 

 
“A regra é não falar de regras, mas penso em 3 dicas para driblar o clima nortista: peças de cores claras dissipam o calor ao invés de absorvê-lo; as peças de tecidos naturais, como o algodão e o linho que trazem um ótimo conforto térmico e também peças mais fluídas com uma modelagem mais soltinha que deixam o seu corpo respirar melhor e não ficam grudando na pele”, conta a consultora.

Pensando em adaptar tendências para o clima amazônico, Eloiny explica que não é a tendência que faz a pessoa e sim o contrário. De acordo com ela, roupas com xadrez, tecidos plissados, assimetria e textura croco estão em alta nas passarelas.
 
“A dica para usar tendências é conhecer seu estilo. Se combina com você, com a imagem que deseja transmitir, se favorece seu corpo… Se joga! E sobre as tendências, cito aqui 4 em alta: o xadrez seja geométrico ou simplificado; plissados que estão em looks mais femininos até os mais modernos e fashionistas; assimetria que vai desde a barra irregular de um vestido até as mangas ou decote; e a textura croco que aparecem nas bolsas e sapatos deixando-os ainda mais interessantes”, revelou.

Com relação à moda regional, Eloiny Nóbrega afirma que a região norte tem muita influência da cultura indígena, tendo representação e identidade através das biojoias que são os brincos, colares, pulseiras, pingentes e anéis criados a partir de penas, folhas, madeira e sementes naturais.
 
“Nossas roupas costumam ser mais coloridas, vivas e estampadas também o que nos caracterizam muito e reforçam a imagem que temos aí fora de ser um povo alegre e caloroso. Mas os acessórios, sem dúvida, são a nossa marca registrada”, disse.

Eloiny Nóbrega atua como consultora de moda e estilo pela empresa Resolva Meu Look no Amapá e relata que consultoria é sua paixão, pois ajuda às pessoas a descobrirem o próprio estilo. “Dentro do Resolva meu look temos um serviço incrível, que é o Resolva Meu Estilo Online que é um encontro de 3 horas onde você descobre seu estilo, como expressar a sua personalidade e quem você realmente é através das suas roupas, cores e acessórios”, fala com entusiasmo.

Durante a entrevista a consultora deixou claro que a moda vai além de ser apenas uma roupa que usamos para fazer tarefas, trabalhar e as inúmeras coisas do dia a dia.

 
“A moda é coletiva porque ela é criada e fomentada por um conjunto de pessoas em um momento e contexto específico, mas também individual porque cada pessoa tem sua forma de expressar essa moda que nasceu no coletivo. Essa forma individual de expressão chamamos de Estilo e está completamente associada ao meu trabalho”, destacou. 

Ainda segundo Eloiny, a moda é expressão, transmite traços de um local, de um continente, de uma etnia e do ser humano como indivíduo, seja na região Norte ou em outra parte do país. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Elô Nóbrega (@elonobrega.resolva) em

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »