21/08/2020 às 12h00min - Atualizada em 21/08/2020 às 11h54min

Construindo leitores

Meios de não leitores criarem o hábito de leitura

Maria Luiza Machado - Editado por Letícia Agata
O baixo hábito de leitura no Brasil é um problema. A falta desse costume é decorrente por diversos motivos, como por exemplo o alto preço dos livros, a falta de incentivo, a alfabetização precária do país e até mesmo por acharem que a leitura não agrega em nada.

O Brasil é declarado como um país não leitor. Se analisarmos os dados de pesquisas já feitas por órgãos brasileiros como o Instituto Pró-Livro, descobriremos que a nossa população lê em média 4,96 livros por ano, o que é preocupante, ainda mais se compararmos com outros países. Segundo o governo francês, sua população lê certa de 21 livros por ano, quatro vezes mais do que os brasileiros.

Por mais que a nossa Constitução garanta desde 2004 a imunidade de impostos a todos os materiais de leitura, o atual ministro da economia, Paulo Guedes, pretende acabar com essa isenção de tributos ao trocar o PIS/Confins pela CBS (Contribuição Social Sobre Operações Com Bens e Serviços), fazendo assim com que o preço dos livros tenha um aumento de 12%, ou mais.

Portanto, em uma nação onde o governo parece tentar sabotar a evolução dos hábitos de leitura da própria população, nós precisamos encontrar formas de continuar lendo e tentando aumentar a média de leitura do país.

Uma das formas de incentivar esse hábito é a criação de clubes do livro

A participação em clubes do livro com amigos ou desconhecidos pode manter viva a chama desse hábito. Dessa forma, nós temos novas experiências literárias, estimulando o hábito e, além de tudo, conhecemos pessoas com os mesmos gostos e interesses.

Bruna Dias, 19, contou um pouco sobre como surgiu a ideia de criar um clube do livro e como funcionam as atividades em grupo.

 
“Estava escutando um podcast cujo o tema era sobre reviver amizades do passado, e a ideia veio! Eu e algumas amigas lemos os livros e depois, caso tenha, assistimos o filme! ”.

Além disso, o clube do livro criado por amigos pode fazer a rotação de livros interessantes, onde uma sugestão encanta todos os outros participantes.

Outra forma é o empréstimo em bibliotecas públicas

O Brasil conta com mais de 6 mil bibliotecas públicas com acervos gigantescos e variados. O empréstimo dos livros é uma forma de desmistificar que em bibliotecas só existem livros velhos e sem graça.

Em julho de 2019 a biblioteca Municipal Terezinha França de Mendonça Duarte, em Hortolândia, registrou mais de 1.400 empréstimos em um mês, ao aumentar o prazo para devolução. Os três livros mais emprestados foram Diário de Um Banana – Maré de Azar, Jeff Kinney; Para Sempre, Alyson Noël e A Maldição do Tigre, Colleen Houck.

Para confeccionar uma carterinha em bibliotecas públicas é simples e rápido, e o processo pode ser feito no próprio prédio. Confira na sua cidade os documentos necessários.

Tente ler e-books

Apesar de muito leitores não gostarem desse formato de livros, eles são mais baratos e práticos de obter. Os e-books podem chegar a ser 27% mais baratos que os livros impressos e tem preço médio de R$12. Eles podem ser lidos no celular, computador ou e-readers e chegam para você no momento da compra.

Segundo a Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), os e-books representavam apenas 1% das vendas aqui no Brasil em 2016, mesmo com esses benefícios.

E por fim, a dica mais importante: Comece por gêneros que goste!

Todas as dicas acima não são nada se você achar que ler é uma obrigação! O espírito leitor é construído aos poucos, mas quando você o estabelece, é difícil parar.

Para isso acontecer, leia coisas que gosta, livros de romance, aventura, poemas ou até mesmo histórias em quadrinhos! Comece pequeno, aos poucos. Não tente acompanhar aqueles que já possuem um hábito de leitura estabelecido e utilize os mais diversos métodos para conseguir esses livros.

Para conseguirmos construir uma nação leitora, temos que estar sempre incentivando e lutando pelos nossos direitos como uma comunidade.

Acesse aqui e assine a petição contra o aumento de 12% dos produtos de leitura: http://chng.it/mjttjGhHsf

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »