25/08/2020 às 14h31min - Atualizada em 25/08/2020 às 13h59min

Trem turístico entre Minas Gerais e São Paulo pode ser reativado

Circuito que liga Poços de Caldas e Águas de Prata não funciona há mais de 20 anos

Melissa Costa - Alexandra Machado
Foto: (Divulgação/Prefeitura de Águas da Prata)

O trecho que liga Poços de Caldas (MG) e Águas de Prata (SP) possui 24 quilômetros de extensão. Inaugurado em outubro de 1886, pelo então imperador Dom Pedro II - devido à necessidade de transporte de mercadorias vindas de Caldas e São José da Boa Vista - funcionou por mais de um século, sendo desativado permanentemente para o público no ano de 1998.

O transporte de passageiros aconteceu até 1976, e um trem turístico funcionava eventualmente, com dias e horários marcados, até os anos 90. Ainda hoje o trecho funciona - de forma reduzida - para transporte de cargas, principalmente o minério de alumínio, vindos da fábrica de alumínio localizada em Bauxita - estação próxima de Caldas. No passado a linha já pertenceu à Companhia Mogiana de Estradas de Ferro (CMEF) e à  Ferroviária Paulista S.A. (Fepasa).

Uma primeira tentativa de reativação desse trecho teve inicio no ano de 2016, com um convênio assinado pela Prefeitura de Poços e pela Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge). Entretanto, o projeto que tinha duração de 20 meses e previa um investimento no valor de R$ 10 milhões não saiu do papel e foi encerrado em setembro de 2017, por problemas burocráticos. 

No entanto, no último dia 3 de agosto, a prefeitura poço-calsense procurou a administração pratense - o prefeito da cidade e a secretária de Cultura e Turismo, Luciana Sagarço - para uma nova tentativa de reativação. Segundo informações, a Prefeitura de Águas de Prata demonstrou interesse no projeto e assinou uma carta de intenção. No entanto, para que o mesmo tenha andamamento, ainda é necessário contatar o governador de Minas, Romeu Zema, do Partido Novo.


A ação tem como finalidade entrar no projeto de reativação de linhas ferroviárias do Governo de Minas Gerais - tanto para carga, como para passageiros - chamado Plano Estratégico Ferroviário (PEF), lançado pelo Estado em 2019. O plano leva em consideração, para reativação de linhas, principalmente a capacidade turística.

Após contato mineiro, o prefeito pratense, Carlos Henrique Fortes Dazena, enviou uma comitiva para a Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo, com intenção de debater o tema. Segundo Dazena, haverá uma conversa entre ambos os estados. "Com apoio dos governos [estaduais] as chances de conseguirmos que o trem turístico volte é bem maior" disse em entrevista. Ainda segundo o prefeito, uma conversa com o secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, será agendada nos próximos dias. Para Dazena é importante que se tenha um esforço conjunto ao governo paulista "para que o projeto se realize o quanto antes".
 
Conhecido pelas suas paisagens exuberantes - que é cercada pela natureza, principalmente cachoeiras - o município de Poços de Caldas, localizado na macrorregião sul-sudeste de Minas, recebe anualmente, cerca de 400 mil turistas. No ano de 2017, segundo o Ministério do Turismo, foram 440 mil visitantes, dentre eles mais de seis mil estrangeiros. Pela proximidade com o estado de São Paulo, o destino é muito procurado para viagens curtas e mais acessíveis. Um ônibus saindo da rodoviária Tietê, por exemplo, custa aproximadamente R$ 80.
O trem turístico, terá então como objetivo, fazer com que esse público realize o circuito pelos trilhos. A maior aposta da reativação é atrair as pessoas pelas paisagens, que passa por túneis, pontes e cascatas de água.


História das estações Prata e Caldas

A cidade de Águas de Prata desenvolveu-se a partir da estação de mesmo nome - que foi tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico (Condephaat) em março de 2018 - mas, que até o ano de 1935 chamava-se apenas Prata. Considerado um museu, o prédio da estação, localizado no centro da cidade, é bem conservado e ainda possui detalhes do passado - mesmo após ser erguido um novo prédio no ano de 1919 (RM-1919).

Já do lado de Poços, a estação - chamada Caldas - foi inaugurada no também ano de 1886 e era localizada no distrito de mesmo nome. A mudança no nome da estação ocorreu no ano de 1919, após o então hoje município de Poços de Caldas se tornar independente do distrito já citado, em 1889. 

Devido à queda no número de cargas que circulavam pela estação de Poços - já que a maioria do transporte era feito a partir da estação Bauxita - atualmente os trilhos de dentro da cidade foram retirados e o prédio da estação serve à Guarda Civil, além de abrigar desde 2016 a Secretaria de Turismo do município. 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »