02/10/2020 às 19h11min - Atualizada em 02/10/2020 às 18h49min

Literatura Inclusiva

Novos suportes de leitura garantem acessibilidade em diferentes níveis

Thaís Cordeiro - Editado por Bruna Araújo
Tânia Rêgo/Agência Brasil
A literatura oferece a possibilidade de educar e incluir por sua pluralidade de temas nas mais variadas manifestações da língua. Por seu caráter transdisciplinar, o texto literário estimula uma nova compreensão da realidade. A literatura possui uma função social de facilitadora da compreensão humana, uma função libertadora e que promove uma prática sócio-cognitiva. (ZARDO, 2004, p. 57)

A inclusão pode ser definida como um movimento conjunto, em que a sociedade também se modifica para atender a diversidade, garantindo os seus direitos, o respeito, possibilitando as pessoas com deficiência tornarem-se sujeitos ainda mais ativos, reflexivos e críticos.

Quando se fala em leitura acessível, normalmente pensa-se em braille, o que é um grande passo na inclusão, mas acaba por limitar o acesso a pessoas que não utilizam esse recurso, como surdos, que tem como primeiro idioma a Língua Brasileira de Sinais (libras) e dificilmente encontram obras literárias nesse formato.

“É muito ruim sentir que não fazemos parte desse mundo por que vamos a algum lugar e não tem nada voltado para pessoas com a mesma deficiência que a nossa, é como se tivéssemos uma doença que mais ninguém tem, de uma forma negativa, é extremamente importante ter mais artigos, livros, revistas em diversos formatos para cara especificação como braile e libras. Isso faz com que as pessoas que sofreram algum acidente recentemente e se tornaram deficiente, consiga aceitar melhor sua nova vida, e perceba que independente do que aconteceu ela continua um ser humano igual a qualquer outro”, diz Letícia Fabbri, influenciadora digital com deficiência física e auditiva.

Ações como o projeto “DIVERSOS – Livros Acessíveis e Inclusivos” da Secretaria de Estado da Pessoa com Deficiência de São Paulo, auxilia na difusão à acessibilidade dos livros infantis e infanto-juvenis em diversos formatos, propiciando a inclusão literária da pessoa com deficiência através de um site.

Cada obra reúne diversos recursos que podem ser usados por pessoas com e sem deficiência, como tradução e interpretação em Libras, narração e texto em português, audiodescrição e Leitura Fácil – adequações com linguagem simples e ajuda visual para facilitar a compreensão 
ainda contam com animações e trilhas sonoras criadas especialmente para as versões acessíveis;

Os livros estão disponíveis gratuitamente através do site http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/livros-acessiveis/

Entre os títulos disponíveis estão:

Come, menino, de Letícia Wierzchowski; 
A Mulher que Matou os Peixes, de Clarice Lispector; 
Um Sonho no Caroço de Abacate, de Moacyr Scliar
 A Aldeia Sagrada, de Francisco Marins.
O Menino Azul, de Cecília Meireles
Peter Pan, de James Matthew Barrie
A Volta Ao Mundo Em Oitenta Dias, de Julio Verne
 
Além das obras, o projeto realiza oficinas para sensibilizar e instrumentalizar os profissionais da educação, cultura, assistência social e bibliotecários em relação às possibilidades da leitura inclusiva.
 
 
Referências

ZARDO, Sinara Polom. A literatura Infantil como auxilio pedagógico para uma educação inclusiva.
 
Agência Brasil. “Livros ganham versão em diferentes formatos de literatura inclusiva”. Disponível em: <https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2020-09/livros-ganham-versao-em-diferentes-formatos-de-leitura-inclusiva> Acessado em 29 de Setembro de 2020
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »