06/10/2020 às 11h23min - Atualizada em 06/10/2020 às 10h42min

Jornalismo em quadrinhos

Talyta Brito - Editado por Bruna Araújo
Reprodução instagram @fenggler
Ele é o lar de inúmeras famílias ribeirinhas, fonte de renda de tantas outras. Já foi tema de música do saudoso rei do baião, e em 2019 teve uma etapa importante da sua história – a polêmica transposição -  eternizada nas páginas de uma reportagem em quadrinhos produzida pelos jornalistas Gabriela Güllich e João Velozo. O Rio São Francisco ou o velho Chico, como é popularmente conhecido, nasce em Minas Gerais e percorre outros 5 estados (Bahia, Goiás, Pernambuco, Recife e Alagoas) além de parte do Distrito Federal. O livro e divido em três capítulos: água, seca e obra, o trabalho mescla fotografias e desenhos feitos em nanquim – mais de 11 cidades foram visitadas para a apuração do conteúdo. 

Tudo isso só foi possível porque um dia Joe Sacco, jornalista maltês, decidiu inovar e uniu sua paixão pelo desenho ao amor pela profissão. Dessa forma, surgiu um novo jeito de contar histórias – o Jornalismo em quadrinhos. A obra “ Palestina – uma nação ocupada”, precursora do gênero, foi lançada em 1994 e discorre sobre o conflito árabe-israelense. Uma peculiaridade de Sacco é a sua inserção ao enredo. Especialista em cobertura de conflitos foi preciso um período de dois meses para a apuração do conteúdo. O livro recebeu o American Book Award – prêmio literário americano e o HQ mix em 2000 -  tradicional premiação de quadrinhos brasileiros – na categoria Graphic novel estrangeira.



A partir de então, muitos outros trabalhos surgiram. Selecionamos algumas reportagens jornalísticas brasileiras para você conhecer.


Quatro Marias - ( Helô D’ Angelo, Joyce Gomes e Bianca Santana)

A reportagem apresenta a história de quatro mulheres anônimas com realidades diferentes que optaram pela interrupção da gravidez de forma licitas e ilícitas. Embora o aborto seja crime no Brasil – a Constituição garante o direito em casos de estupro e risco a saúde da mulher.


Parque das Luzes – (Cecília Marins, Maria de Vicentis e Tainá Freitas)

Durante um ano, a jornalista Cecília Marins acompanhou o cotidiano de mulheres em situação de prostituição que trabalham no Parque da Luz, na cidade de São Paulo. A obra apresenta a história de 5 mulheres, bem como, a história de uma das fundadoras da Ong Mulheres da Luz – entidade que busca oferecer apoio e garantir os direitos humanos para mulheres em situação de prostituição.



Meninas em Jogo – (Andrea Dip e Alexandre de Maio)

A Copa do Mundo de 2014 trouxe consigo inúmeros benefícios para Economia do país, como a movimentação do setor hoteleiro, todavia ajudou a acentuar problemas como a exploração sexual de menores. A reportagem focou em uma das 12 cidades- sede – Fortaleza. 

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »