14/10/2020 às 23h24min - Atualizada em 14/10/2020 às 23h21min

Ruth Bader Ginsburg e sua representação na cultura pop

A juíza se tornou um ícone da cultura pop devido sua defesa a pautas progressistas na Suprema Corte americana

Lucas Lima - Editado por Bárbara Miranda


 

Ruth Bader Ginsburg, ou RBG como era popularmente conhecida, faleceu no mês passado, 18. Ruth foi a segunda mulher a se tornar magistrada na Suprema Corte dos EUA. Sua história de vida e posicionamentos jurídicos em defesa de pautas progressistas a vez se tornar um ícone da cultura pop.

 

Documentários, filmes e fantasias de Halloween são populares, especialmente entre os mais jovens, quando se trata em homenagear a figura heróica que ela se tornou. Sua importância política e social, em conjunto com um estilo único a fez uma personalidade extremamente popular na sociedade americana.

 

Seus colares eram sem dúvida a marca de maior destaque da sua figura. Ela vestia uma variedade deles de acordo com o seu posicionamento em alguma discussão - o que, muitas vezes, gerava especulações sobre sua possível decisão nos casos. Junto aos colares, também eram usados outros acessórios que definiam seu estilo, como brincos e luvas.

 

Natural do Brooklyn. Filha de imigrantes judeus. RGB terminou seus estudos na Harvard University Law School como melhor aluna da turma e uma das poucas mulheres no curso. Em sua vida profissional, ele ganhou relevância em casos que lutava pelos direitos das mulheres e igualdade de gênero.

 

Embora tivesse uma vida pessoal reservada, a sua popularidade permitiu uma abertura sobre seu privado. Em 2015 foi publicado a biografia ‘’Notorious RBG: The Life and Times of Ruth Bader Ginsburg", que conta um pouco sobre sua história, com relato de amigos, colegas com quem ela trabalhou e de familiares. Essa foi a primeira grande brecha que ela deu sobre o seu íntimo. 

 

Anos depois, em 2018, foi realizado o documentário A Juíza (‘‘RGB’’, no original), explorando suas primeiras batalhas jurídicas e como elas mudaram o mundo para as mulheres. Aqui há um foco no processo de como ela se tornou um ícone na cultura pop.

 

A produção mais recente, de 2019, foi filme Suprema, escrito por seu sobrinho. Indicado ao Oscar de melhor documentário e canção original. Nele é trazido a trajetória de Ginsburg, desde da sua vida acadêmica até sua chegada a Suprema Corte. O filme é protagonizado por Felicity Jones e retrata um dos seus casos mais marcantes, ainda como advogada, onde revolucionou os direitos das mulheres no país.

 

Suprema é dividido em dois atos. A primeira parte acompanha os empecilhos enfrentado por Ruth no desafio de se formar e começar a trabalhar como advogada. Aqui somos apresentados ao romance dela com seu marido, Martin, que foi diagnosticado com câncer no pâncreas.

 

Na segunda parte é trazido o desenrolar de uma batalha legal, marcante da sua carreira, que foi o primeiro passo de sua luta para conquistar direitos a minorias.  

 

Por fim, é notório sua importância nas lutas sociais. O destaque adquirido defendendo pautas mais progressistas na mais alta Corte americana, combinado com seu estilo marcante a tornou essa personalidade idolatrada, tendo seu rosto reproduzido em camisetas, canecas, chaveiros, máscaras etc.



 

REFERÊNCIAS

 

AUTOR, O Globo. Ficção, documentário, internet: como Ruth Bader Ginsburg foi retratada na cultura pop. Disponível em: <https://br.noticias.yahoo.com/fic%C3%A7%C3%A3o-document%C3%A1rio-internet-como-ruth-174138091.html?guccounter=1&guce_referrer=aHR0cHM6Ly93d3cuZ29vZ2xlLmNvbS8&guce_referrer_sig=AQAAAEVhVgXlGmQOrF1f8NY8bUrr5valhcoms2VGB3h_LYJVDmbuxFDCBJ00qn3hyNB8fu_V0d2_Xh_N4uEnL-G4LgmHUp9-q8W9PnGT3xl-DAAC4T3AZhXqYUF32NqBKCEyxfy0Zalk1CeuUQih77CLIrjJogeo3GYXymBBaCGnNb10>. Acessado em: 14/10/2020.

 

AUTOR, A Universa. As golas de Ruth Ginsburg e o estilo supremo de um ícone da cultura pop. Disponível em: <https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2020/09/19/estilo-supremo-as-golas-e-luvas-que-tornaram-ginsburg-icone-de-elegancia.htm>. Acessado em: 14/10/2020.

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »