16/10/2020 às 20h34min - Atualizada em 16/10/2020 às 19h27min

Após queda da Victoria Secrets, Savage x Fenty aposta em representatividade na moda

Grife fundada pela cantora Rihanna marca o início da desconstrução dos padrões de beleza

Mylena Campos - Editado por Larissa Barros
Reprodução / Amazon Studios
Por muitos anos, o mercado das lingeries foi dominado pela marca estadunidense Victoria Secrets, fundada em 1977. Além de ter os produtos mais vendidos, como perfumes, hidratantes e roupa íntima, consumir algo vindo da marca era o sonho de muitas mulheres. No entanto, os padrões de beleza que eram impostos pela marca acabaram sendo desconstruídos, pois, tornaram-se ultrapassados, e a diversidade de corpos não fazia parte das metas da empresa. 

A influência que a VS causava no mundo da moda era enorme, e um pouco problemática. Em 2016, uma fotógrafa que chegou a trabalhar com a marca, preferiu não se identificar, mas revelou em entrevista ao site refinery29, diversos “truques” usados para modificar as modelos, como o clareamento de axila, e até adicionar mais “carne” nas modelos, por elas serem magras demais. 

Devido à algumas polêmicas envolvendo o seu nome, e por não atender seus consumidores, aos poucos a Victoria foi sendo deixada de lado, e outras marcas ganharam espaço, como por exemplo a Savage x Fenty, criada pela cantora Rihanna, em 2017. Entre as propostas iniciais da grife, está a criação de mais representatividade nesse mercado. 
 

Em 2019, no mesmo ano em que a Victoria Secrets anunciou o fim do seu famoso show, que acontecia anualmente desde o ano de 1995, a Rihanna iniciou o fashion show da sua marca. Com a diversidade e a inclusão de mulheres Plus size, asiáticas e até mesmo grávidas. 

Segundo a artista, a Savage tem o objetivo de “abraçar as pessoas, gerar representatividade em aspectos diferentes, nos quais as mulheres normalmente são projetadas a pensar sobre o que é ser sexy”. 
 
“Elas são sexys! não importa o tamanho. Eu estou extremamente focada nisso. Em fazer mulheres, não só mulheres, se sentirem representadas. A SAVAGE é um lugar seguro, uma família, para todos”, disse Rihanna em entrevista ao portal ET! Canadá.

A questão da representatividade da marca avança cada vez mais. Neste ano, a Savage lançou uma coleção masculina, onde Rihanna surpreendeu novamente, com modelos com corpos diversificados.

Ao folhear o catálogo da Savage, é possível sentir que há uma representação. Finalmente, consumidores se veem em passarelas de underwear. No desfile deste ano, a empresária trouxe lingeries coloridas, e visuais de tirar o fôlego, nas quais o preto e o neon estavam presentes. Assim como biker shorts, botas over the knee, com a cor roxa marcando presença. Diversas famosas, entre elas Bella Hadid e a cantora Normani marcaram presença. 

Ainda de acordo com a Rihanna, a inclusão sempre fez parte do projeto da Savage, e que marca não é uma coisa de momento. “Eu me sinto muito feliz que há mulheres se sentindo representadas no palco pela primeira vez. Se nós conseguimos continuar expandindo isso, nós já teremos alcançado mas do que nós queríamos no início”, afirmou em entrevista à revista People. 

*A apresentação completa do segundo fashion show está disponível na Amazon Prime Video, serviço de streaming da Amazon Prime.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »