06/05/2019 às 11h54min - Atualizada em 06/05/2019 às 11h54min

Novo método pode eliminar a contaminação de órgãos para transplante

Essa técnica de biofotônica foi aplicada, primeiramente em nível experimental, em pulmões humanos, no Canadá.

Vanderson Nunes dos Santos - Editado por Thalia Oliveira
Pulmões de porco sujeito a teste de radiação ultravioleta (Foto: Cristina Kurachi/FAPESP)

Os pesquisadores da USP São Carlos e Universidade de Toronto elaboraram um novo método que pode viabilizar a descontaminação de órgãos para transplante com a utilização de radiação ultravioleta e luz vermelha.

Para desenvolver essa técnica inédita, os cientistas utilizaram luz ultravioleta e luz vermelha para poder diminuir a carga viral e bacteriana de órgãos para transplante de forma que doenças sejam transmitidas para o receptor.

Essa técnica de biofotônica foi aplicada, primeiramente em nível experimental, em pulmões humanos, no Canadá, que já está  em prática em um dos maiores centros da especialidade, encontrando-se em fase de desenvolvimento protocolos para fígado e rins. No Brasil, os modelos experimentais estão em fases iniciais.Segundo o pesquisador Vanderlei Bagnato, coordenador do Centro de Pesquisas em Óptica e Fotônica (CEPOF), o método foi criado para tratar pulmões, mas já está sendo adaptada para fígado e rins.

Marcelo Cypel, pesquisador canadense conta sobre os resultados dos estudos:

Já foram realizados 10 testes com pacientes [usando a terapia biofotônica]. Em oito casos, a nova técnica se mostrou capaz de reduzir significativamente a carga viral dos órgãos para transplante. Em outros dois, o procedimento praticamente eliminou a presença do vírus”, explica o coordenador.

Os cientistas estão em busca da implantação do projeto de descontaminação de fígados e rins no Brasil. Essa criação revolucionária, desenvolvida em parceria com a Universidade de Toronto - que tem o maior programa de transplante de pulmão do mundo - já está sendo observada por empresas internacionais que estão interessadas em fabricar e comercializar o equipamento futuramente.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »