25/10/2020 às 16h13min - Atualizada em 25/10/2020 às 16h09min

Lewis Hamilton vence em Portugal e se torna o piloto com mais vitórias na história da Fórmula 1

Britânico chegou a sua 92ª vitória e ultrapassou marca de Michael Schumacher

Felipe Sousa - editado por Wesley Bião
Lewis Hamilton celebra 92ª vitória na carreira em Portugal (Foto: Getty Images)
Muitas vezes é difícil ter a percepção de estar acompanhando um evento histórico. Essa constatação só acontece quando o distanciamento causado pelo tempo coloca as coisas em seu devido lugar. Mas, no dia 25 de outubro de 2020, as 27.500 pessoas que estiveram no Autódromo Internacional do Algarve, em Portugal, além das milhares espalhadas pelo mundo, tiveram a mais absoluta certeza de estarem vendo a história diante de seus olhos quando Lewis Carl Davidson Hamilton cruzou a linha de chegada com sua Mercedes para vencer pela 92ª vez na carreira e se tornar o recordista absoluto de vitórias na história da Fórmula 1.

Com o triunfo em Portimão, o britânico ultrapassou Michael Schumacher, que venceu 91 vezes na carreira. Sebastian Vettel (53), Alain Prost (51) e Ayrton Senna (41) completam o Top 5. Na corrida deste domingo (25), a primeira disputada em solo português após 24 anos, Valtteri Bottas, companheiro de equipe de Hamilton, terminou em segundo e Max Verstappen, da Red Bull, fechou o pódio.

A CORRIDA

A corrida em Portugal prometia grandes emoções desde que foi anunciada como parte do remanejamento do calendário devido à pandemia de Covid-19. O sinuoso circuito, somado à expectativa de chuva, aumentou a expectativa para a largada – algumas gotas chegaram a cair pouco antes do início da prova.

Lewis Hamilton conseguiu manter a ponta, enquanto Max Verstappen e Valtteri Bottas lutavam pelo segundo lugar. O holandês perdeu posições – efeito da baixa aderência dos pneus – e se chocou com Sergio Perez (Racing Point), que acabou fora da pista. Na frente, Bottas tomou o primeiro lugar de Hamilton, enquanto Carlos Sainz (McLaren) se aproveitou dos pneus macios e enfileirou ultrapassagens, tomando a liderança depois de passar pelas duas Mercedes. Outro destaque na largada foi Kimi Räikkönen (Alfa Romeo), que ganhou 11 posições e ficou em um incrível sexto lugar.

Na volta seis, Bottas tomou a liderança do espanhol da McLaren, também sendo ultrapassado por Hamilton, enquanto Verstappen recuperava posições após o choque com Perez, passando por Lando Norris (McLaren) e pelo próprio Sainz para retomar o terceiro lugar.

Charles Leclerc (Ferrari), outro piloto que sofrera com a falta de aderência na largada, recuperou o quarto lugar após passar por Räikkönen e pela dupla da McLaren; Pierre Gasly (Alpha Tauri) também fazia uma boa corrida ao estar na sexta posição. O finlandês decidiu ir aos boxes para colocar pneus médios pouco tempo depois.

Em uma disputa entre Norris e Lance Stroll (Racing Point), os dois se chocaram com ambos tendo avarias no carro. Na ponta da prova, Hamilton tirava a diferença sobre Bottas; o britânico acionou a asa na 19ª volta e reassumiu a liderança da prova. Stroll passou a ter problemas com punições: cinco segundos pelo choque com Norris e, pouco tempo depois, mais cinco segundos por ter excedido os limites da pista.

Hamilton abria oito segundos sobre Bottas, seguidos por Leclerc e Verstappen; Esteban Ocon (Renault), ainda sem trocar os pneus, era o quinto, seguido por Perez. George Russell (Williams), uma grata surpresa, aparecia em sétimo. Na volta 34, após uma boa disputa, Perez passou por Ocon para assumir a quinta posição. Pouco tempo depois, Leclerc entrou no pit para a troca de pneus e o terceiro lugar retornou mais uma vez para Max Verstappen.

Hamilton troca os pneus na volta 31, cedendo a liderança para Bottas. O finlandês pediu à equipe uma estratégia diferente de pneus, mas foi ignorado; em seu pit, Bottas voltou com pneus macios e atrás do companheiro de equipe. No meio do pelotão, Daniel Ricciardo (Renault) não resiste à grande pressão de Gasly e perde o sétimo lugar, enquanto Perez opta por mais um pit para colocar pneus macios, seguido por Alexander Albon (Red Bull) e George Russell.

Stroll, em último lugar e sem perspectivas de lutar por posições, recolhe o carro e deixa a prova. Ocon finalmente faz sua troca de pneus na volta 54 e retorna à pista com pneus macios. O desgate dos pneus dificulta a vida de Sergio Perez nas voltas finais, e o mexicano é ultrapassado por Carlos Sainz e Pierre Gasly. Para Lewis Hamilton, confortável na liderença, bastou apenas conduzir sua Mercedes até o final da corrida e escrever mais uma vez seu nome na história, tornando-se o recordista de vitórias da Fórmula 1.

A próxima corrida do calendário está marcada para o próximo domingo (1) no Grande Prêmio da Emília-Romanha, na Itália, que marcará o retorno do Circuito de Ímola na Fórmula 1 após 14 anos.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »