31/10/2020 às 16h21min - Atualizada em 31/10/2020 às 15h43min

Blackpink: Light Up The Sky mostra a dura realidade do mundo K-Pop

Documentário da Netflix mostra o que acontece por trás dos bastidores de cada integrante do grupo

Leonardo Oliveira - Editado por Fernanda Simplicio
Blackpink / Fonte: Netflix / Reprodução: Google

Blackpink: Light Up The Sky é um documentário original da Netflix que conta a história da banda coreana e os desafios que cada uma delas enfrentaram para estourarem no mundo da música e se tornar o maior grupo feminino de K-POP do mundo. Lançado no dia 14 de outubro, o filme conta com a direção da Caroline Suh e ela consegue mostrar um pouco do que acontece por trás dos bastidores sobre cada uma das quatro integrantes do grupo. O filme começa mostrando um resumo dos 4 anos da carreira do Blackpink, desde a formação do grupo pela empresa YG Entertainment em 2016 até o auge da carreira atual delas, a apresentação delas no festival Coachella de 2019, foi a primeira vez que um grupo feminino de K-Pop se apresentou nesse festival.


Ao longo do filme somos introduzidos a cada integrante de forma individual e a primeira a ser apresentada ao público é a Jennie. Ela conta como não gosta de dar entrevistas sobre sua vida pessoal, pois prefere falar sobre qualquer outro tema. Ela sempre precisa praticar pilates após cada show, pois sofre com muitas dores no corpo e por isso, ela se sente a mais doente do grupo, porque está sempre está sempre mais cansada que qualquer outra integrante. Ela foi a primeira a ser acolhida pela YG Entertainment e a que passou mais tempo treinando. Durante esses anos treinando viu várias amigas dela sendo reprovadas e até pensou em várias vezes em desistir, mas foi persistente para alcançar seu sonho de ser cantora.


A Lisa é a rapper e dançarina principal do grupo, ela nasceu na Tailândia e como era muito ligada à sua mãe foi muito difícil para ela abandonar a sua família e ir para a Coréia-do-Sul na sua plena pré-adolescência. Ela decidiu desde criança que queria dançar e cantar para a sua vida, e na sua infância ganhou diversos concursos de danças, até percorrer seu caminho e ser aprovada para entrar na YG Entertainment, ela é fluente em quatro idiomas diferentes, como tailandês, inglês, coreano e japonês. Lisa é a mais carismática do grupo e está sempre com um sorriso em seu rosto, todas integrantes concordam que ela eleva uma energia positiva para o grupo.


Jisoo é a mais forte do grupo no sentido emocional, como conta Teddy Park produtor e compositor musical do grupo, em 6 anos ele só a viu chorar uma vez. É a única do grupo que não fala inglês fluentemente, porém ela entende muito bem e fala japonês e coreano. Jisoo teve uma infância bem difícil com sua família porque sofria bullying com eles, ela era considerada feia e fora do padrão, a chamavam de “macaca” por causa dos seus dentes. Hoje em dia ela é considerada a mais linda do grupo e é sempre a garota que é chamada para fazer moda na Coréia-do-Sul. Jisoo teve pouco tempo de tela no documentário e acaba deixando o público com o gostinho de querendo mais.


Rosé nasceu na nova Zelândia, mas mudou para Austrália e passou boa parte de sua infância e adolescência lá. Aos 16 anos ela se mudou sozinha para a Coreia-do-Sul, e ela conta como foi difícil abandonar os amigos e a família, e como é difícil sacrificar uma vida normal de ir para a escola, por uma de trainee, mas também comenta a importância desse tempo juntas sendo trainee e que passam morando juntas faz a diferença para um grupo de K-Pop dar certo, pois é ali que dá pra sentir a química entre as integrantes. Rosé ama música e sempre em seu tempo livre ela tenta cantar suas músicas, como ela não tem muito tempo livre, é a forma que ela encontrou para aliviar seu estresse acumulado. Ela ainda conta como a gente só consegue ver o que elas mostram, como tudo é “perfeito”, e na realidade não é. Isso deixa mais perguntas em aberto sobre as meninas do que não foi mostrado.

O documentário consegue passar duras críticas ao mundo de K-Pop e seus bastidores, como eles exigem a perfeição da perfeição, a fazer crianças e adolescentes trabalharem tão cedo na vida por horas e horas seguidas, e como isso pode afetar o psicológico de quem passa por esse tipo de seleção, mesmo de quem é aprovado. Light Up The Sky consegue apresentar bem os membros para o grande público que não as conhece e servir de porta de entrada para um público novo, e também consegue agradar os fãs que querem sempre mais de Blackpink, e isso é motivo para se animar pois elas contam que estão apenas começando e estão bem longe do fim, demonstram que querem continuar com muito entusiasmo e como serão lembradas eternamente, entrando para a história.




REFERÊNCIAS:
NETFLIX. THE BLACKPINK: LIGHT UP THE SKY. 14 de out 2020. Disponivel em: <https://www.netflix.com/br/title/81106901>. Acesso em: 15 de out. 2020.

YOUTUBE. THE BLACKPINK: LIGHT UP THE SKY Trailer. 06 de out. 2020. Disponivel em: <https://www.youtube.com/watch?v=r75l7J6ylkE> . Acesso em: 15 de out. 2020.
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »