06/11/2020 às 09h01min - Atualizada em 06/11/2020 às 08h56min

Para cada pessoa, um livro

Documentário brasileiro aborda os benefícios da leitura compartilhada

Talyta Brito - Editado por Gustavo H Araújo
Reprodução: arquivo pessoal de Deborah Meira
Já passava das 20h quando os pezinhos tocaram o assoalho frio da madeira em direção ao quarto. Tentou insistentemente alcançar a estante, mas foi em vão - sua estatura não colaborava. Ao longe pode se ouvir o riso abafado da mãe ao contemplar a cena. Aproximou-se do filho, pegou-o no colo e o levantou até a estante - só assim ele poderia alcançar a prateleira de livros. Os dois se emaranharam entre as cobertas e, como de costume, passaram algumas horas desfrutando da companhia de fadas e duendes, até que o pequeno adormeceu.

Embora a descrição acima pareça a cena de um filme, essa é uma atitude que vem fazendo parte da realidade de muitas famílias brasileiras: a introdução da leitura conjunta na infância.


O documentário “Para cada pessoa, um livro” produzido por Dauana Vale, com direção de Natália Maia e Samuel Brasileiro, discorre sobre a experiência da leitura compartilhada. A escritora, mestre em psicologia e pesquisadora Dauana Vale – idealizadora do projeto - ressaltou como a sua experiência com a leitura compartilhada foi positiva: "Eu lia para a Malu desde a minha barriga. Então, desde muito pequenina eu lia com ela e sentia como era prazeroso”. Em seu ciclo de convivência ela percebeu que a leitura conjunta era pouco difundida. Assim, surgiu o desejo de trazer tal tema para discussão por meio de um documentário que levou seis meses para ser finalizado.

“Eu não acho que seja uma utopia desejar que as pessoas tenham acesso à experiência da leitura. Eu acho que está mais perto do que longe. Eu acredito que em sua grande maioria o país é feito por progressistas”.
 Dauana Vale
 
“Nosso intuito era ter a maior pluralidade possível de famílias, mas alguns obstáculos surgiram durante o processo: falta de tempo, desconforto em frente às câmeras. Por fim, 4 famílias de realidades sociais e econômicas totalmente diferentes concordaram em partilhar as suas vivências." Durante a conversa, a psicóloga também destacou os resultados da pesquisa “Retratos da leitura em Fortaleza": "A pesquisa constatou que o maior número de leitores está entre as classes C, D e E. Então, adquirir livros não está relacionado ao poder aquisitivo".

Para a escolha do título do curta, Dauana partiu do princípio de que os indivíduos são diferentes e para cada pessoa há um livro que o agrade. Em consonância com o lançamento do curta no Youtube (Canal Entrelinhas) 
foi criado o instagram @entrelinhas. Embora o perfil tenha sido criado para falar da leitura em família, ele foi expandido e atualmente reforça a importância da leitura coletiva em outras esferas da sociedade – como adultos e namorados. O retorno do público tem sido positivo, muitos se lembram da infância, outros se emocionam ao lembrar dos pais lhes contando histórias. Por fim, Dauana reforça que “ler junto é muito legal e pode ser transformador".  
 
A seguir, algumas indicações de livros infantis feitas por Dauana Vale:
Fonte: reprodução - site Amazon
 
Fonte: reprodução - site da Livraria Travessa

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »