13/11/2020 às 16h09min - Atualizada em 13/11/2020 às 15h35min

Entre polêmicas e discussões, o VAR domina cada vez mais o futebol brasileiro

A tecnologia, que chegou como uma forma de auxiliar os árbitros, tem sido bastante questionada dentro e fora de campo

Maria Santos - editado por Thamyres Pontes
Árbitro em momento de análise. Foto: campeonatobrasileiro.com.br
O sistema de vídeo-arbitragem VAR (Assistant Referee) é um recurso composto por um conjunto de câmeras que têm como função captar lances, que vistos a olho nu não podem ser percebidos com a mesma desteridade. Por isso, seu auxílio é de grande importância nas partidas futebolísticas. O VAR foi aprovado em junho de 2016 pela International Football Association Board (IFAB) e começou a ser utilizado em agosto do mesmo ano, na United Soccer League. Em 7 de abril de 2017 o sistema foi utilizado pela primeira vez na Austrália, na A-League, em um jogo de liga profissional. No entanto, a partida foi encerrada sem o uso da ferramenta.
 
No Brasil, o VAR foi utilizado pela primeira vez em testes na final do Campeonato Regional Pernambucano entre Salgueiro e Sport em 2017. No ano seguinte, a tecnologia foi implantada oficialmente em uma competição nacional entre Santos e Cruzeiro pela Copa do Brasil. Já no ano de 2019, o uso do sistema foi aprovado nas 380 partidas do Campeonato Brasileiro, fazendo com que a novidade fosse introduzida á elite do esporte nacional.
 
Desde a sua implantação, o árbitro de vídeo tem causado muitas polêmicas e discussões entre jogadores, jornalistas,torcedores e até mesmo árbitros. Em entrevista ao Lab Dicas Jornalismo, o árbitro Jesiel Ellias, que já participou de diversas competições importantes, conta que apesar da tecnologia ter chegado ao mundo do futebol como uma maneira de auxílio e não como ferramenta de decisão, muitos juízes em campo ainda não o utilizam de forma correta. "A chegada do VAR ao futebol brasileiro foi bem estimulante, porém o jeito que vem sendo utilizado não é legal. A falta de preparo dos árbitros faz com que eles usem para todo e qualquer situaçãode jogo". 


Nas arquibancadas, torcedores vivem uma relação de amor e ódio com o novo sistema de vídeo. Alan Favareto, torcedor do Corinthians, considera que a chegada da ferramenta é favorável, mas as interferências causadas pela tecnologia trouxeram perda de emoção ao futebol. “Pela demora e interferências que acontecem em alguns lances, isso acaba quebrando um pouco do clima de jogo, tanto nas arquibancadas, assim como, entre os próprios jogadores”, declara.


Dentro de campo, o sistema altera com frequência alguns resultados finais das partidas, e os lances mais comuns, em que a ferramente é acionada, são revisões de gols e marcações de pênaltis. Porém,  os árbitro têm demorado até 46% do tempo proposto, com média de 110 segundos (1min50), para a tomada da decisão, atrasando ainda mais a partida. Entretanto, o tempo estimado e recomendado pela FIFA é de 75 segundos (1min15). Dois anos após sua implantação, ainda não é vista uma melhora na tecnologia. 

 
Histórico do VAR 

Em 2019, na 24ª rodada do Campeonato Brasileiro, no jogo entre Cruzeiro e Fluminense, nos acréscimos do primeiro tempo,
o árbitro de vídeo foi concludente, expulsou Yuri Lima por deixar o pé em Jadson. Mas o VAR fez com que o juíz revisasse o lance e cancelasse a expulsão, dando apenas um cartão amarelo ao jogador.

Aos seis minutos do segundo tempo, o VAR foi utilizado novamente. Após o cruzamento de Edígio, Fred fez um gol de cabeça que foi anulado devido à falta de Robinho em Gilberto, no começo da jogada. Por conta disso, a partida terminou com empate de 0 a 0.

Na semifinal da Copa do Brasil em 2018, aos 52 minutos do segundo tempo, o árbitro anulou o gol de Carlos, p
or uma falta de Edu Dracena no goleiro Celeste Fábio, o que gerou um empate de 1 a 0, entre Cruzeiro e Palmeiras. 

Na final da Copa do Brasil, em 2019, o jogo entre Cruzeiro e Corinthians não foi muito diferente da semifinal. O VAR foi usado duas vezes, no primeiro lance aos sete minutos do segundo tempo, o árbitro marcou um pênalti que Thiago Neves fez em Ralf. Logo em seguida, aos 24 minutos, novamente o recurso foi utilizado, o gol de Pedrinho foi anulado devido à falta de Jadson em Dedé. Apesar disso, o Cruzeiro venceu o Corinthians por 2 a 1, se tornando hexa campeão da Copa do Brasil.

No Brasileirão de 2019, o Flamengo venceu o Athletico Paranaense por 2 a 0, o VAR foi usado aos 17 minutos do primeiro tempo, depois que Léo Pereira foi derrubado dentro da área. O árbitro assinalou o lance como pênalti, porém, após Bráulio da Silva marcar, o VAR anulou e retirou a penalidade.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »