13/11/2020 às 19h43min - Atualizada em 13/11/2020 às 14h56min

Economia do Brasil deverá sofrer grandes impactos devido a segunda onda da covid-19

A previsão da OCDE para a queda da economia mundial caso ocorra uma segunda onda de contaminação, é uma projeção de queda de 7,6%, em 2020, e expansão de 2,8% em 2021

Marceli Maria - Editado por Ana Paula Cardoso
FOTO: Getty images
Após o período mais crítico da pandemia do coronavírus, entre março e abril, houve uma volta significativa à normalidade nos meses seguintes em que ocorreu o declínio do pico. Mas, em meados das últimas semanas de outubro, os números de casos da doença na Europa e dos Estados Unidos voltaram a se alarmar, causando uma preocupante segunda onda do coronavírus nos países.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as mortes diárias por Covid-19 em território europeu aumentaram quase 40%. Nos Estados Unidos, a situação é igualmente preocupante. O país bateu o recorde global de 500 mil novos casos em uma semana e registrou 80.662 novos casos da doença na quarta-feira (28), o maior número de casos já registrado em um dia em todo o mundo.

De acordo com a infectologista Dra.Gabriela Margraf, da mesma forma que o Brasil viveu o pico após 3 meses do surto na Europa, a segunda onda pode chegar no país seguindo esse mesmo período de tempo e proporção.

 
"Acredito que, provavelmente,  terá novamente algumas medidas bem restritivas para conter esse novo pico, mas vai depender muito de região para região, da epidemiologia local. Pode chegar inicialmente em São Paulo e depois interiorizar", afirma. 

Segundo previsão da OCDE, a economia brasileira deve apresentar queda de 7,4% neste ano. Essa retração pode ser ainda maior, se houver uma segunda onda de contaminação pelo novo coronavírus no país, chegando a 9,1% de queda do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país. 
 
Por isso, a possibilidade de uma segunda onda da covid-19 no Brasil e seus prováveis efeitos econômicos, têm se tornado uma questão extremamente preocupante para a economia brasileira. Segundo relatório publicado pela OCDE-Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, a economia brasileira estava finalmente se recuperando de uma longa recessão quando veio o surto da covid-19. E agora, há previsão é que a economia sofra uma recessão ainda mais profunda, diz a organização.

De acordo com o economista Bruno Cunha, a segunda onda de coronavírus na Europa tem impacto direto no PIB. Além disso, ela gera influência direta no Brasil, já que o país mantém fortes relações comerciais com países europeus, e as restrições afetam a exportação e importação dos produtos. É importante ressaltar também, que a Europa é uma parcela muito considerável na economia global, e havendo a paralisação da economia europeia, se cria uma estabilidade nas bolsas de valores, na cotação das moedas como Euro e Dólar, e tudo isso é um conjunto de efeitos que podem impactar o Brasil.

 
"Se confirmada a segunda onda no país, o impacto no setor de serviços será muito grande, também na indústria, no consumo das famílias. O desemprego tende a crescer, e assim o impacto será muito grande no PIB brasileiro. Outro fator de preocupação é o fato do governo já ter utilizado todas as suas reservas. Com isso, o endividamento do Brasil já era alto, e além disso o governo já fez um investimento muito alto com o Auxílio Emergencial e uma série de medidas. Dessa forma, as empresas também já queimaram no caixa, muito dinheiro que tinham guardado para sustentar as suas atividades. Portanto, os prejuízos provavelmente serão grandes", completa Bruno. 



REFERÊNCIAS 
Segunda onda da covid-19 pode levar PIB do Brasil a cair 9,1%. Agência Brasil. 10/06/2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2020-06/segunda-onda-da-covid-19-pode-levar-pib-do-brasil-cair-91. 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »