19/11/2020 às 12h02min - Atualizada em 19/11/2020 às 11h50min

Turismo para todos: conheça destinos acessíveis para pessoas com deficiência

Viagem acessível no Brasil melhorou durante pandemia, mas ainda há muito a se fazer

Juliana Neves - Alexandra Machado
Foto: licença Freepik
O turismo é uma atividade que está em constante crescimento e, partindo da ideia de que todos têm o direito de viajar, é que o turismo acessível permite que quaisquer turistas tenham o direito de conhecerem e desfrutarem, dentro das suas limitações, diversos lugares. Por exemplo, viajar até uma praia e utilizar uma cadeira anfíbia (que facilita o acesso à praia e o deslocamento na areia) para possibilitar que o cadeirante tenha contato com a água do mar.

“Também é turismo acessível quando você oferece ao deficiente uma viagem a qualquer lugar que tenha rampas para que ele possa se locomover sem o auxílio de outras pessoas, dentro de um hotel ou em uma cidade que ele pode visitar. E estamos falando de qualquer tipo de deficiência ou limitação. Também podemos citar como turismo acessível um roteiro de viagem com Informações em braile ou através de QR Code, para que um deficiente visual total, de baixa visão ou um surdo cego, possa ter conhecimento do que está sendo apresentado em um museu ou em qualquer outra atividade”, explica Arthur Minniti, proprietário cego da Viagem Acessível, agência de viagem para usuários comuns e pessoas com baixa visão ou sem visão e com limitação motora.
 
No Brasil, o turismo acessível está melhorando, mas ainda há muita coisa a ser colocada em prática. Durante a pandemia, alguns estabelecimentos inseriram em seus cardápios e resumos de atividades o código QR, tecnologia assistiva em ação. Embora muitos hotéis ofereçam acessibilidade nos quartos, deixam a desejar em outros espaços do local, como restaurantes, que podem ter degraus, e piscinas com difícil acesso às pessoas com deficiência.
 
Realizar uma viagem para a pessoa com deficiência significa, segundo Arthur, “conhecer novas culturas, novos lugares, é se perder e se encontrar. Fazer novos amigos, experimentar a gastronomia local, tudo isso faz com que, ao retornar, você se torne um contador de histórias”.
 
Sendo assim, o empresário listou algumas dicas de lugares acessíveis para planejar a próxima viagem: 

Machu Picchu para cadeirantes
Uma das experiências mais procuradas de turismo acessível é o passeio para Machu Picchu, localizada no topo de uma montanha, no Peru, a mais de dois mil metros do nível do mar. O destino é procurado por muitos viajantes, mas o acesso é um pouco complicado para quem tem algum tipo de limitação física. Graças a uma empresa local, é possível fazer uma visita totalmente guiada em inglês ou espanhol, com permissão para crianças com mais de oito anos de idade. Neste caso, os viajantes usam uma cadeira de rodas especial mais leve com uma roda na frente e duas na parte de trás, como um carrinho de mão.

Praia acessível em São Francisco do Sul
A ilha e suas belas praias estão localizadas a 180 quilômetros de Curitiba (PR) e a 194 quilômetros de Florianópolis (SC). Um projeto local, feito por voluntários, garante banho de mar para pessoas com deficiência, agora transformado em lei.
 
Aventura e acessibilidade na Serra do Cipó
A Serra do Cipó, em Minas Gerais, é o passeio ideal para quem busca aventura com esportes radicais, mas também é um local muito procurado para quem busca tranquilidade e ar puro. Com montanhas, cânions e cachoeiras, o destino turístico é bem democrático, além de ser uma experiência de acessibilidade e aventura numa viagem incrível pela natureza com destaque para a gastronomia local.
 
No Parque Nacional da Serra do Cipó, há cachoeiras e trilhas por toda a parte - localizado na Serra do Espinhaço, o Parque é um divisor natural das Bacias dos Rios São Francisco e Doce e abriga animais em extinção da fauna brasileira e inéditas espécies da flora em mais de 33.800 hectares. Todo o passeio é programado da forma que o cliente desejar com segurança, inclusive, com cadeira de rodas adaptada para trilhas e regiões montanhosas.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »