18/12/2020 às 09h50min - Atualizada em 18/12/2020 às 09h33min

F.O.T.O.G.R.Á.F.I.C.A.S: a mulher no fotojornalismo

Documentário faz recorte com mulheres para apresentar sua importância e trajetória no fotojornalismo

Adélia Fernanda Lima Sá Machado - Editado por Gustavo Henrique Araújo
TVE
Foto/Reprodução: capa do documentário/TVE
A fotografia é uma arte que ajuda a visualizar um fato, o indivíduo consegue se sentir pertencente aquele espaço registrado sem ter visitado ao menos uma vez. A fotografia nem sempre foi tão acessível e democrática como é hoje, o peso dos equipamentos eram leves em relação a submissão e limites impostos nas mulheres dentro do início do ramo fotográfico, e olha que todos os equipamentos necessários para uma boa foto pesavam em torno de 120 a 130 kg.

Apesar das dificuldades, o feminino dentro da profissão da fotografia sempre existiu, e é necessário apontar nomes e os passos trilhados, com o intuito de valorizar o espaço que foi conquistado e é ocupado por milhares de mulheres. Por mais que a maioria dos obstáculos tenham sido superados, as dificuldades se renovam e perduram.

 

Sobre o documentário

“O fotografo é uma ajuda. Ajuda a ver.” Essa é uma das primeiras falas presentes no documentário de 54 minutos intitulado: F.O.T.O.G.R.Á.F.I.C.A.S, frase proferida pela fotógrafa brasileira Arlete Soares. O curta metragem, que conta com a presença de 17 fotógrafas, apresenta a importância e o protagonismo das mulheres no ramo do fotojornalismo no Brasil e no mundo.

Quando se trata da mulher na fotografia, é necessário analisar todo o contexto da época. As primeiras aparições da arte chamada "fotografia" é datada do século 19, nesse período, tanto no Brasil quanto no exterior, ainda não existia a independência feminina, as mulheres ainda eram submissas aos homens. A partir dessa análise que é possível identificar o porquê da minoria feminina no início da fotografia no mundo.

Por mais difícil e inacreditável que pareça, a mulher, apesar de todos os obstáculos, já estava presente no meio fotográfico, nomes como Gertrude Kasebier e Margareth Bourke-White, que são lembrados logo no início do curta, apresentando suas fotografias, contexto histórico e o cenário de cada uma, pois foram pioneiras na história do fotojornalismo feminino no mundo. Cada uma com suas singularidades e importância.

O curta foi construído com uma perfeita cronologia, começando pela trajetória das primeiras mulheres no fotojornalismo tanto no exterior como no Brasil, seguindo pela evolução da câmera fotográfica, partindo, por fim, para as falas das grandes fotojornalistas brasileiras. Elas apresentam seus trabalhos, as dificuldades, o ser e o fazer fotojornalismo. Dentre as fotógrafas presentes, pioneiras do fotojornalismo no Brasil se fazem presentes, como é o caso de Nair Benedicto, fundadora da primeira agência de noticia brasileira, a F4.



F.O.T.O.G.R.Á.F.I.C.A.S foi lançado em março de 2017, no mês da mulher, foi gravado nos estúdios da emissora TVE, uma emissora que sempre abriu espaço para a fotografia e sua história, seja por meio de documentários ou por programas de cultura. O desejo e a produção deste documentário com um recorte para o feminino partiu das próprias fotógrafas, visto a urgência do reconhecimento, respeito e valorização dos seus trabalhos.

Quem já teve contato com o curta metragem relata sobre sua relevância, como ainda hoje as mulheres são subestimadas e desconhecidas nesse ramo. Como é o caso do universitário Pedro Mateus, graduando de Jornalismo da Universidade Federal do Piauí (UFPI), que após assistir ao documentário, afirma ter interesse na busca de mais mulheres no fotojornalismo:

 

“Gostei bastante da quantidade de mulheres como referência na fotografia e que eu não conhecia, pois eu leio mais sobre as referências masculinas, mas pretendo abrir um leque maior de referências femininas após esse documentário”, afirma o estudante.

Esse documentário possui uma grande importância social e histórica. É necessário reconhecer os grandes nomes da fotografia dentro e fora do Brasil, objetivando a valorização desse trabalho que era majoritariamente masculino, mas com o tempo o espaço foi conquistado e ocupado pelo braço feminino.

Grandes fotografias históricas foram capturadas e eternizadas por mulheres, mas fica aqui o questionamento, quantas mulheres fotógrafas você conhece?
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »