16/05/2019 às 14h59min - Atualizada em 16/05/2019 às 14h59min

Dica de leitura: Ghetto Brother - Uma Lenda do Bronx

Daniela Santos
A graphic novel publicada em 2016 pela editora Veneta nos leva à Nova York, mais especificamente ao bairro do Bronx, nos anos 1970, dominado por gangues de rua. A história é narrada por Benjamin "Yellow Benjy" Melendez, descendente de imigrantes porto-riquenhos e criador da Ghetto Brothers, que se tornaria a maior gangue do Bronx naquela época.

O roteiro foi escrito por Julian Volog e a arte é de Claudia Ahlering, que faz algo bem parecida com os fanzines, com os desenhos em preto e branco, meio relaxados e que soam até amadores. Mas isso tudo faz parte da própria estética da obra e ajuda a criar uma atmosfera de degradação e abandono pelas quais o bairro passava naquela época.

Além disso, a arte é toda inspirada nas fotografias de Joe Conzo, primeiro fotógrafo de hip hop que acompanhou o início do movimento no Bronx dos anos 1970.



A história mostra como o descaso do poder público motivou o surgimento - e crescimento - das gangues de rua e, principalmente, a cultura, modo de se vestir e de pensar dos membros desses grupos. Ela oscila entre mostrar aspectos bastante pessoais da vida de Benjy, como a religião e a família; e o que se passava nas ruas, naquela esfera de marginalização, violência e drogas. 
O ponto alto da graphic novel é quando ela narra o episódio da morte de Black Benjy, um dos membros da Ghetto Brothers, que foi assassinado por um grupo rival. O acontecimento que quase eclodiu uma guerra entre as gangues do Bronx, levou-as a se unirem em um tratado de paz, liderado por Melendez.



Este período, apesar de todo o contexto caótico, tem um peso cultural muito grande. Foi nele e a partir desses grupos, que a arte do grafite se desenvolveu, sendo usado para marcar o território das gangues; e é também quando surge o hip hop. A HQ fala sobre esse início, introduzindo personagens como o Afrika Bambaataa, que definiu os pilares do movimento: o rap, o MC, break e o grafite.

Outras obras
As gangues de New York inspiraram diversas outras obras, além desta graphic novel. Os documentários “Rumble Kings”, disponível na Netflix e “Flyin’ Cut Sleeves” também se centram na história de Benjy e o tratado de paz na década de 1970. Já "Os Selvagens da Noite" (The Warriors) é uma ficção que se passa nessa época e retrata um pouco da guerra entre as gangues. O filme fez tanta sucesso que deu origem a vários spin offs e até jogo de videogame.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »