05/02/2021 às 11h59min - Atualizada em 05/02/2021 às 11h38min

Influenciadores que simplificam o hábito da leitura

Como produtores de conteúdos literários podem ser grandes incentivadores à leitura

Larissa Bispo - Editado por Roanna Nunes
Foto/Reprodução: Pixabay
É muito comum que a visão da leitura ainda seja penosa. O muro que separa uma pessoa do livro é quase todo feito por um país que pouco investe em políticas de incentivo à literatura, mas dentro da internet é cada vez mais possível encontrar influenciadores que se utilizam de espaços como Instagram e YouTube para trazer novas atribuições ao hábito da leitura.

Apesar da presença na internet como produtores de conteúdo, essas pessoas são, sobretudo, leitoras. Dessa forma, a visão apresentada através de vídeos e posts está longe de qualquer obrigatoriedade, o que faz a aceitação do público acontecer como um reflexo da naturalidade assistida. “As pessoas que me influenciaram a ler mais não foram aquelas que me fizeram sentir obrigadas a isso, mas sim que viviam constantemente a leitura, ou seja, aqueles que mostravam quem realmente eram e o que gostavam”, relata Maria Eduarda, 17 anos, atualmente estudante de controle ambiental que, além de sonhar em estudar o comportamento infantil, também sonha em falar sobre literatura para mais pessoas.

O fato de estarem separados por uma tela de computador não parece ser nada comparado a maneira como livros conseguem aproximar pessoas e criar laços. A identificação com gostos, opiniões e o jeito informal de falar sobre literatura não só quebra essas distâncias físicas, como também desenha um caminho acessível e simples em direção ao conhecimento.
 
Nádia Tamanaha, dona do canal no Youtube de mesmo nome e do Instagram @namanita, diz que, pelo fato do Brasil ser considerado um país que não lê existem muitos leitores que não possuem com quem conversar: Falar sobre isso na internet é simplesmente criar um espaço em que essas pessoas possam se reunir e compartilhar”.
 
Não podemos falar apenas na importância dos influenciadores no despertar do interesse, precisamos destacar sobre a maneira de fazer constantes encorajamentos que mantenham vivo o prazer pela leitura. Assim, Nádia ressalta a importância no objetivo de estimular a constância de interesse: “Acho que contribuímos mais com a manutenção do gosto do que a criação em si”, destaca.
 
Dessa forma, Maria Eduarda também evidência a relevância de encarar a leitura e se beneficiar de maneira saudável: “Graças a esses produtores de conteúdo, eu passei a me desafiar mais e soube respeitar o meu tempo e não me cobrar tanto, deixar a leitura fluir como algo prazeroso da vida e não um peso”.
 
Nádia ainda revela que recebe muitos feedbacks de pessoas que leram ou pretendem ler um livro por causa da sua indicação, e ainda acrescenta dizendo que é gratificante não só poder incentivar a leitura, mas também saber que as pessoas levam sua opinião em consideração e em como isso cria em si um senso de responsabilidade ainda maior.
 
O modo atual de falar em um espaço que proporciona interatividade e dinamismo também traz uma nova maneira de enxergar os clássicos e desmitificar conceitos pessoais. Sabemos que não é fácil encontrar acessibilidade para este tipo de livro, porque acreditamos se tratar de um conteúdo difícil ou por muitas vezes, monótono. Entretanto, quando encontramos leituras coletivas – onde pessoas leem um determinado livro clássico juntas e depois discutem sobre o tema (virtualmente ou não) – cria-se o sentimento de incentivo e encorajamento.
 
“Quando elas veem que a pessoa que lê, por exemplo fantasia, também lê clássicos, ela começa a pensar ‘talvez eu também possa ler’ e não estou dizendo que fantasia é inferior aos clássicos, apenas não é um gênero que costuma causar esse "medo" nos leitores”, diz Nádia.
 
Além disso, a leitura é transformadora em diversos aspectos na vida de alguém, são muitos os gêneros apresentados através de vídeos e postagens, e através destes meios torna-se possível encontrar discussões além da ficção. As representações da realidade encontradas nesses enredos, desde literatura infanto-juvenil a livros adultos, nos proporcionam reflexões importantes capazes de despertar ou resgatar sentimentos que ajudam a compreender situações e problemas do nosso cotidiano e sociedade.
 
“Por passar por situações, muitas vezes parecidas com a nossa, acabamos nos sentindo inspirados para encarar a vida real e os problemas que nela existem”, conta Maria Eduarda sobre a identificação com os personagens e seus conflitos.
 
É dessa forma que encontramos a importância da presença de influenciadores literários que levam os livros para além das suas estantes e promovem a leitura de uma forma simples e interativa, motivando a conservação do hábito de leitura como prazer e atraindo leitores em potenciais.
 
O poder de um livro está em suas linhas e páginas, e um dos seus principais propósitos está na busca pela mensagem e, consequentemente, em propagá-la. Afinal, melhor do que ler um livro bom, é encontrar alguém para compartilhá-lo.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »