12/02/2021 às 17h26min - Atualizada em 12/02/2021 às 17h18min

Clubhouse, conheça melhor a rede social de conversa por áudio

Paula Cruz - Editado por Manoel Paulo
Getty Images
Fundado em 2020, o Clubhouse viralizou no Brasil nas últimas semanas. A rede social funciona exclusivamente por conversas de áudios. Famosos e anônimos tem dividido o espaço para troca de informações e networking.

Para fazer parte da nova rede é necessário ter iPhone (iOS) e receber um convite de alguém que já é usuário. O anfitrião é o responsável pelas atitudes de quem convidou, ou seja, se o convidado desrespeita as diretrizes, ambos são banidos, podendo perder a conta.

Existem algumas exclusividades que poderão ser atualizadas em breve, como a ampliação para o funcionamento em Android. Mas a função de conteúdo apenas em áudio preocupa Jonas dos Santos, estudante e deficiente auditivo. Ele fala da satisfação que tem sido consumir conteúdos mais acessíveis, e espera que isso possa acontecer também no Clubhouse. “Poder assistir vídeos de pessoas que gosto pelo instagram tem sido bem legal, me sinto até importante por isso, alguém se preocupou comigo, é esse o sentimento”.

A rede funciona como uma comunidade. Os mais de 6 milhões de usuários escolhem as salas que querem participar, de acordo com o interesse no tema. São 5 mil vagas em cada uma delas. Famosos como Elon Musk, Flávio Augusto e Oprah Winfrey também estão compartilhando experiências com a audiência do Club. A plataforma também tem sido oportunidade de negócio.

A grande procura por convites tem feito com que estes sejam comercializados. A farmacêutica Fabiane Mendes teve acesso à rede dessa forma. “Encontrei convites de até duzentos e noventa reais, mas comprei por vinte, procurando no Twitter”.

Fabiane diz ter valido a pena pagar o convite, pois já esteve em salas de temas que foram interessantes para ela, onde dividiu espaço com alguns ídolos. “O Club tem me proporcionado conversar com grandes nomes, que a algumas semanas nem imaginaria acontecer”. Quanto a audiência das salas, ela conta que tem diminuído, reuniões que aconteciam com mais de mil pessoas, tem tido trezentas nos últimos dias.

Uma das características da rede é a efemeridade. As conversas são ao vivo e as mensagens não ficam gravadas, quando a sala é finalizada, elas desaparecem para sempre. Ao contrário das outras redes sociais que você pode se atualizar depois, lá você precisa estar atento para não perder nada. Negativo a isso é a falta de prova quando acontecem desrespeitos, como ataques racistas, por exemplo.  

O Clubhouse trabalha o ‘FOMO’ – Fear of Missing Out (medo de ficar de fora). É uma espécie de ansiedade social decorrente da crença de que as outras pessoas podem estar fazendo coisas mais interessantes do que você. Segundo especialistas, é o desejo de permanecer continuamente conectado com o que os outros estão fazendo. 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »