12/03/2021 às 09h45min - Atualizada em 12/03/2021 às 09h36min

Mulheres brasileiras na literatura: obstáculos em busca do seu lugar e reconhecimento

Independente do período de cada escritora, cada uma possui seus obstáculos pelo reconhecimento e valorização

Adélia Fernanda Lima Sá Machado - Editado por Andrieli Torres
Reprodução | Google
Muitas coisas já foram construídas de Maria Firmina dos Reis até Djamila Ribeiro no mundo literário brasileiro, mas apesar dos anos decorridos, muitas são as amarras que permanecem dentro da escrita feminina no Brasil. São inúmeras as mulheres que fazem parte da história da literatura do nosso país, algumas com maior destaque e outras sem o reconhecimento total.

Em várias áreas, as mulheres sofrem os mais diversos tipos de opressão e falta de credibilidade imediata, ações vindas da sociedade machista no qual estamos inseridos e no mundo literário não é diferente. Até pouco tempo reconhecimento e prestigio em relação à escritos eram dados apenas para o público masculino, apesar de já existir mulheres marcando suas trajetórias com obras cheias de potência e personalidade.

Questões como: medo e a ciência da falta de reconhecimento permeavam como um dos principais sentimentos no meio da literatura feminina, e, é nítido perceber em alguns escritos como o da primeira mulher escritora de romances do Brasil, a maranhense Maria Firmina dos Reis, que em uma de suas principais obras, escreveu no prólogo de Úrsula, de 1859:

“Sei que pouco vale este romance, porque escrito por uma mulher, e
mulher brasileira, de educação acanhada e sem o trato e a conversação dos
homens ilustrados, que aconselham, que discutem e que corrigem; com uma
instrução misérrima, apenas conhecendo a língua de seus pais, e pouco lida,
o seu cabedal intelectual é quase nulo.”
 

Apesar de os leitores aumentarem à procura de escritoras mulheres, o número ainda é baixo de quem ler mulheres brasileiras, o que demonstra uma valorização maior da literatura feminina estrangeira. Isso é perceptível através dos próprios perfis iterários do Instagram ou Youtube, onde a maior parte das indicações e resenhas são de escritoras estrangeiras. Mais um obstáculo das escritoras da literatura brasileira, a valorização por parte do seu próprio povo.

Tendo descrito algumas realidades em relação as escritoras brasileiras, é importante destacar algumas que se tornaram precursoras na área aqui no Brasil, enfatizando seus marcos em suas trajetórias. São elas:

  • Maria Firmina dos Reis - Maranhense e primeira escritora de romances no Brasil, primeira mulher a escrever sobre o abolicionismo;
  • Lygia Fagundes Teles – Considerada a 1° Dama da literatura brasileira, por ser a primeira mulher na Academia Brasileira;
  • Carolina Maria de Jesus – Por meio de seu diário tornou-se uma das maiores escritoras negras do país, conseguindo descrever como ninguém dificuldades provindas das questões sociais e raciais;
  • Rachel de Queiroz – Uma das primeiras mulheres no período modernista da literatura, importante em sua escrita e protagonismo, conhecida e aclamada até hoje por seus escritos tão reais e cheios de significados regionais;
  • Adélia Prado – sua aparição no mundo literário significou a revalorização do feminino na escrita brasileira;
  • Djamila Ribeiro – Desde 2017 vem ganhando destaque em seus escritos apresentando questões raciais e sociais de dentro do país, além disso relações entre homens e mulheres na sociedade. Nos últimos anos (de 2019 para 2020), Djamila esteve vários meses entre os primeiros livros mais vendidos, ganhando o Prêmio Jabuti por um de seus últimos livros: Pequeno Manual Antirracista.

 
É notório perceber que, independente do período a escritora brasileira passou ou passa por obstáculos, tanto de valorização, quanto de reconhecimento, mas cada uma possui sua importância na história deste mundo literário tão vasto e significante. É importante a valorização destas escritoras, pois ao mesmo tempo há valorização do histórico do país. Leia mulheres brasileiras!!

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »