02/04/2021 às 10h51min - Atualizada em 02/04/2021 às 10h38min

O Dia Internacional do Livro Infantil carrega grande importância para crianças, escritores e ilustradores

A leitura desde os primeiros anos de vida é a principal responsável pelo desenvolvimento de inúmeros fatores nos pequenos

Giovana Cerantola - Editado por Andrieli Torres
Capa retrata crianças lendo, para representar o Dia Internacional do Livro Infantil. (Foto: Reprodução/Google)
Internacionalmente, no dia 02 de abril é comemorado o Dia do Livro Infantil. A data foi criada no mesmo dia em que o escritor de clássicos infantis Hans Christian Andersen comemorava seu aniversário. Trata-se de uma homenagem ao autor, mas também, uma tentativa de incentivar a literatura infantil.

O  dinamarquês é autor de conhecidos contos de fada, como “A pequena sereia”, “ O patinho feio”, “A princesa e a ervilha”, “O soldadinho de chumbo”, entre tantos outros. Ele utilizava da escrita para detalhar as desigualdades existentes e questões que vivenciava, na sociedade da época. O autor é símbolo da literatura infantil mundial e por esse motivo foi criada a data comemorativa.



O universo que engloba a literatura infantil é muito amplo. No Brasil, existem representantes que através das palavras e das histórias, cativam seus leitores, diariamente. Nomes conhecidos carregam personagens inesquecíveis, como Eva Furnari, com a história do coelho poeta “Felpo Filva”, Monteiro Lobato e as aventuras no “O sítio do pica-pau amarelo”, Ana Maria Machado, com a obra “Menina bonita do laço de fita”, Maurício de Souza trazendo os gibis da “Turma da Mônica”, Ruth Rocha, em “Marcelo, Marmelo, Martelo” e tantos outros autores brasileiros proporcionam aos mais novos a possibilidade de dar asas à imaginação por meio das palavras.

E a leitura desde a infância não representa apenas o incentivo ao uso da imaginação. É através dela que outros fenômenos, de grande relevância para os pequenos, acontecem.

O hábito de ler para crianças é uma atividade importante e deve ocorrer desde os primeiros anos de vida. É nesse momento que pais ou responsáveis entram em contato com seus filhos, criando laços de amizade, confiança e aprendizado. Ademais, outro fator com grande significado é a sensação de reconhecimento e pertencimento, a criança começa a se identificar com detalhes transmitidos no livro, como as paisagens, elementos culturais, valores éticos, que ajudam a construir sua própria identidade.

Além disso, as histórias infantis têm a capacidade de ajudar seus leitores a entenderem melhor seus sentimentos e, pensando na vida em sociedade, compreender que ações e falas têm consequências no seu papel como cidadão.

Ou seja, associando a linguagem com o estímulo visual, a criança é capaz de criar um amplo repertório imagético, estimular a atenção e concentração, ativar  memorização, ampliar suas capacidades de absorção. Tudo isso possibilitado devido aos livros. As obras podem seguir o modelo de contos de fada, fábulas, livros de poesia ou gibis, a variedade é grande e o que importa, no final, é promover a leitura para as crianças.

Atualmente, também existem clubes de leitura por assinatura para livros infantis, entregando livros impressos, que cumprem seu papel na formação do indivíduo, além do mais, o contato com o livro físico é fundamental nessa fase da vida. No entanto, nem sempre a compra dessas obras é possível, falando em relação à questões financeiras, de modo que a aquisição de algumas pode ser feita, legalmente,  de forma gratuita pela internet.

Todo ano, para o Dia Internacional do Livro Infantil, um país é sorteado para ser o patrocinador do evento. O Brasil foi escolhido em 2003, com o tema “O mundo em uma rede encantada", e a mensagem foi escrita por Ana Maria Machado. Já em 2016, a mensagem escrita pela autora Luciana Sandroni carregava o tema “Era uma vez” e foi ilustrado pelo escritor e ilustrador brasileiro Ziraldo. A programação do evento esse ano começa no dia primeiro de abril, e a mensagem ficou a cargo do escritor brasileiro Roger Mello e da escritora cubano-americana Margarita Engle.
 
Conheça algumas histórias infantis

No livro “Ou isto ou aquilo”, de Cecília Meireles, a poetisa conseguiu reunir poesias infantis acessíveis para crianças. Através de recursos sonoros, como a rima, a autora criou sons musicais ritmados nos poemas, capazes de captar a atenção dos pequenos e ser uma ótima escolha para a leitura do dia. 

Enquanto isso, na história de Chico Buarque, ilustrada por Ziraldo, “Chapeuzinho Amarelo" conta a história de uma menina que, com medo de tudo, ficou amarelada, aproximando-se de medos que as crianças apresentam na fase da infância.

Seguindo a mesma linha do incentivo e conscientização durante a leitura, a ativista Luisa Mell vai lançar o primeiro livro com ambientação na Austrália, vem de uma coleção com temas centrais sobre os animais e preservação do ambiente em que vivem. Com o título “Se os bichos falassem”, as obras têm o objetivo de ensinar desde cedo as crianças sobre a causa animal, na qual, a ativista tanto se dedica. O lançamento está previsto para abril deste ano.



Não importa o livro, escritor, ilustrador, o ideal é que exista incentivo frequente à leitura infantil, seja por parte de pais e responsáveis ou por meio do ambiente escolar.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »