16/04/2021 às 09h20min - Atualizada em 16/04/2021 às 09h09min

Você é o que você come?

A importância de hábitos alimentares saudáveis para uma boa saúde

Ianna Oliveira Ardisson - Editado por Andrieli Torres
Fonte/Reprodução: Google
Nós somos o que comemos? Se nossa resposta é “sim” para essa pergunta precisamos dar valor à nossa alimentação e entender a importância das escolhas nutricionais que fazemos no nosso dia a dia. Informações sobre o que faz bem não nos faltam, cabe a cada um fazer escolhas responsáveis e conscientes.

Hipócrates, considerado o pai da medicina, apresenta-nos uma reflexão importante: “Que o alimento seja o teu remédio e o remédio seja o teu alimento”. É interessante perceber que, provavelmente, se nos alimentarmos melhor teremos menor probabilidade de precisar do auxílio de medicamentos farmacêuticos. Vale ressaltar como é grande a publicidade desenvolvida pela indústria farmacêutica, são soluções apresentadas para as mais variadas mazelas que nos acometem, para nos fazer consumir cada vez mais. Precisamos ficar atentos às reações adversas dos remédios, que trazem prejuízos ao nosso organismo. Alternativas possíveis para além da medicação existem e uma delas está na alimentação adequada.

Alimentos “in natura” são uma excelente opção nutritiva e possuem propriedades protetoras, antioxidantes e anti-inflamatórias que auxiliam na nossa imunidade. Comidas simples e acessíveis que podem fazer parte das nossas refeições nos dão os nutrientes que precisamos. Ovos, vegetais folhosos verde-escuros, manga e cenoura são ricos em vitamina A. Ao consumirmos laranja, goiaba e vegetais crus absorvemos a vitamina C. O zinco é outro elemento importante para nossa imunidade e está presente nos ovos e carnes vermelhas que são consumidos comumente pelos brasileiros.

Muitas vezes a busca pela praticidade e rapidez nos leva a consumir alimentos ultraprocessados que são nutricionalmente desbalanceados. Biscoitos recheados, salgadinhos de pacote e macarrão instantâneo são alguns desses alimentos pelos quais muitos optam em dias corridos. Essas opções não nutritivas, se virarem regra e não exceção, serão um “veneno” em nosso organismo. A justificativa usada para essa escolha pelos industrializados é a de que ter uma alimentação balanceada é uma opção cara, existem sim opções pouco acessíveis, entretanto existem escolhas baratas e basta ter interesse e buscar por elas. Observa-se uma tendência em nossa sociedade em gastar dinheiro com os mais diversos bens de consumo, mas pouco se investe em saúde e alimentação, investir nesses quesitos é investir em nosso próprio corpo e é algo que vale a pena.

Ter um estilo de vida saudável é uma opção a ser feita. Jadisson Zerbone, 34, resolveu mudar seus hábitos alimentares logo no início de 2021 e nos conta como tem sido essa escolha:
“O principal motivo que me guiou para a mudança de hábitos alimentares foi a questão da saúde. Eu estava na obesidade grau 1 e depois de um exame de sangue foi constatado que alguns parâmetros estavam alterados, isso me preocupou, fora o fato de me sentir com pouca disposição para lidar com a minha rotina. Busquei tratamento com uma nutricionista, o que contribuiu de maneira esplêndida nos resultados dessa mudança de hábitos alimentares.”
 
Em participação no programa “Sou 60”, da Rede Minas de Televisão, a nutróloga Isabel Correia falou sobre o que é comer bem. Segundo ela é algo muito amplo o “comer bem”, mas aponta como fundamental as pessoas terem um prato bem colorido. Seja com o verde das verduras, da cenoura, do tomate, das frutas, os quais são fontes de energia e vitaminas.

Isabel acrescenta ainda que para uma alimentação balanceada são necessárias também as proteínas, presentes, por exemplo, nas carnes, ovos e cereais. O programa contou também com a presença da nutricionista Cintia Tarabal que apresentou o que devemos incluir na alimentação para melhorar o sistema imune:
 “Um dos principais alimentos que a gente deve incluir na alimentação para melhorar o sistema imune são as fibras, principalmente fibra solúvel. Elas ajudam no crescimento das bactérias que são benéficas para o nosso intestino. Alimentos como frutas, verduras, legumes, feijão, soja, aqueles alimentos ‘in natura’, que a gente come com casca, são ricos em fibra. O ômega 3 é um nutriente extremamente importante para melhorar o sistema imune e ele está presente principalmente nos peixes. Alguns minerais como o zinco presente nas castanhas, no feijão, na soja, ele (o zinco) está diretamente relacionado com a melhora do sistema imune.”

Jadisson relata também mudanças feitas no estilo de vida dele e benefícios que tem observado:
“Além das mudanças em meus hábitos alimentares, acrescentei em minha rotina exercícios físicos na parte manhã, tenho praticado uma hora de corrida todos os dias. Bem, o principal benefício que notei foi a redução de peso quase que imediata, após três meses nessa nova rotina consegui reduzir consideravelmente meu peso. Ainda estou no sobrepeso, porém me sinto muito mais disposto na lida diária de minhas obrigações. Acredito que um próximo exame de sangue terá um resultado muito melhor que o do início do ano.”

Uma alimentação saudável combinada com outros bons hábitos de vida ajudarão a fortalecer nosso sistema imunológico e, assim, teremos uma melhor resposta às mais diversas infecções que possam nos atingir. A escolha do que comer é pessoal, e deve ser consciente, já que os alimentos nos formam e interferem nos mais diversos aspectos da nossa vida física e psíquica. Somos o que comemos e isso reflete em nossa complexa estrutura. Escolher bem o que irá ingerir é uma questão de ter responsabilidade consigo mesmo e com o bom funcionamento do próprio corpo.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »