30/05/2019 às 09h29min - Atualizada em 30/05/2019 às 09h29min

Equoterapia ajuda no tratamento de pessoas com deficiências

Método terapêutico faz uso do cavalo como mediador do processo

Yasmine Mônica Martins
Arquivo pessoal do Centro de Equoterapia EquoAmigos de Santa Rita do Araguaia - GO
A Associação Nacional de Equoterapia (ANDE), define a equoterapia como uma técnica terapêutica que usa os cavalos em uma abordagem interdisciplinar com conhecimentos nas áreas de saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiência e/ou necessidades especiais. O método foi reconhecido em 1997 como técnica terapêutica pelo Conselho Federal de Medicina. É uma terapia que estimula o desenvolvimento da mente e do corpo de seus praticantes. A técnica trabalha com pessoas que possuem síndrome de Down, paralisia cerebral, derrame, esclerose múltipla, hiperatividade, autismo, crianças com dificuldades de concentração, entre outras.

A equoterapia tem quatro estágios de tratamento, sendo eles: a hipoterapia, reeducação, pré esportivo e esportivo paraequestre. Cada estágio possui uma especificidade, sendo assim, por meio do estudo de caso e juntamente com a elaboração do prognóstico, que o terapeuta trabalhará com o praticante.

Para a psicóloga Milana dos Santos Miranda, o tratamento dependerá da avaliação médica e também da avaliação da equipe multidisciplinar do centro de equoterapia. Em alguns casos, a equoterapia deve ser contraindicada. Porém, cada caso deve ser avaliado em sua particularidade, para que assim não se tenha maiores prejuízos e agravamentos no quadro clinico do possível praticante. Algumas contraindicações são: Doenças degenerativas; instabilidade atlantoaxial; insuficiência respiratória; paciente psiquiátrico instável; pacientes que possuem quadros de epilepsia frequentes e/ou recentes; hipertensão não controlada e sifose estrutural.

Além disso, a psicóloga conta que para a realização dos atendimentos a equipe realiza uma avaliação e um plano de atendimento individualizado. Nessa avaliação é pontuado os principais aspectos a serem trabalhados na sessão para conseguir uma melhora na qualidade de vida do indivíduo. Na sessão o praticante realiza primeiramente o contato com a equipe (mediador, auxiliar guia e condutor), e também o contato com o cavalo através do toque e montaria. Posteriormente são realizadas as atividades elaboradas pelo terapeuta que dependerão da necessidade especifica de cada patologia.

Milana explica que o animal utilizado em uma sessão equoterápica deve ser de uso exclusivo para esse fim.  “Alguns pontos precisam ser analisados na escolha do animal. Ele precisa ser dócil, calmo e gostar da proximidade do ser humano. O cavalo não pode ter cócegas ou apresentar hipersensibilidade olfativa e auditiva, pois isso dificultaria a terapia e poderia causar acidentes, caso o cavalo se assuste” pontua. Para a prática da equoterapia, o cavalo também precisa possuir equilíbrio e apresentar as três andaduras regulares que são o passo, o trote e galope. Estas funções são de grande relevância para o desempenho do animal no processo.

Benefícios da equoterapia

A atividade traz muitos benefícios para a vida de seus praticantes como avanços físicos, psicológicos e cognitivos. Além de contribuir para a melhora do equilíbrio e da postura; desenvolvimento da coordenação motora; estimulação da sensibilidade tátil, visual e auditiva; melhora e aumento da força muscular; relaxamento, etc.

A interação entre cavalo e praticante, incluindo os primeiros contatos, os cuidados preliminares, o ato de montar e o manuseio final facilitam a integração social, pois desenvolvem novas formas de socialização, autoconfiança e autoestima.

Lei sancionada

O presidente da república, Jair Bolsonaro (PSL) sancionou no dia 13 de maio de 2019, a lei 13.830/19 que regulamenta a equoterapia como método de reabilitação e educação de pessoas com deficiência. Segundo o decreto a prática da equoterapia é dependente de avaliação médica, psicológica e fisioterápica para ser executada. 
 
Centro de equoterapia

O Centro de equoterapia EquoAmigos está localizado em Santa Rita do Araguaia, GO (situada a 510 km da capital Goiânia). Conforme a presidente e coordenadora da associação, Renata Cristina Resende Irigaray, o centro de equoterapia já existe na cidade desde 2015, porém só veio a realizar atendimentos a comunidade em 2017, depois que a equipe realizou os Programas de Equoterapia do SENAR/GO e da ANDE Brasil.

Renata explica que os serviços são gratuitos, pelo fato do centro ser uma Associação sem fins lucrativos que trabalha com voluntariado e parcerias. O centro atende as cidades de Santa Rita do Araguaia - GO e Alto Araguaia – MT. As sessões são realizadas as terças-feiras das 13h às 17h, no Parque de Exposições Manoel Rocha. São atendidos cerca de 10 praticantes numa sessão que dura 30 minutos. “É possível atendermos até 30 praticantes, mas como  70% da equipe é de voluntários e parceiros eles só conseguem trabalhar por meio período. Para atender essa quantidade de 30 praticantes, eles teriam que trabalhar o dia todo” justifica a presidente.

Em relação a lei que foi sancionada, a presidente explica que o Centro de Equoterapia EquoAmigos já está dentro do que pede a lei. “O centro conta hoje com 2 fisioterapeutas, 2 psicólogos, 1 pedagoga, 1 equitador, 1 auxiliar guia e 2 auxiliares laterais, todos com curso específico na área da equoterapia’’ reforça.
 
Outros centros de Equoterapia

Para quem busca por um centro de equoterapia basta entrar no site da Associação Nacional de Equoterapia, http://equoterapia.org.br. Nele será possível pesquisar todas as informações a respeito dos centros existentes, seja por regiões, centros agregados, afiliados, ou mesmo sem vínculo com a entidade.

Editado por Pâmela Rita 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »