26/05/2021 às 19h47min - Atualizada em 26/05/2021 às 19h40min

Villarreal derrota Manchester United nos pênaltis e é campeão da Liga Europa

Foram precisas 22 cobranças de pênalti para o Submarino Amarelo ganhar o primeiro título de sua história

Léo Abrantes - labdicasjornalismo.com
Villarreal campeão da Liga Europa 2020/21 (Foto: Divulgação/Twitter Villarreal)
Villarreal e Manchester United se enfrentaram nesta quarta-feira (26), pela final da Liga Europa, disputada na Polônia, no Stadion Energa Gdańsk. No tempo regulamentar, o jogo encerrou com o placar de 1x1, com gols de Gerard Moreno, para os espanhóis, e Edinson Cavani, para os ingleses. Nos pênaltis, após 21 cobranças convertidas, De Gea perdeu a última, e o título ficou com o Villarreal, num placar de 11x10.
 
Com essa conquista, o Submarino Amarelo pode se chamar campeão pela primeira vez em sua história, pois nunca havia chegado se quer numa final desde sua fundação, em 1923. Além disso, o técnico Unai Emery ganhou a Liga Europa pela quarta vez em sua carreira, a qual havia vencido um tricampeonato pelo Sevilla entre 2013 e 2016.
 
PRIMEIRO TEMPO
 
Apesar dos primeiros instantes terem mostrado um Villarreal mais avançado no campo, com o decorrer dos minutos o Manchester United acabou tomando conta da posse de bola. Essa superioridade era consequência das linhas baixas e da pouca pressão que os espanhóis colocavam no adversário. Os ingleses, por outro lado, rodavam bastante a bola, com muitos passes e inversões.
 
Contudo, o Villarreal também buscava abrir o marcador. A sua estratégia era aproveitar as transições, principalmente tentando atrair os adversários para a sua grande área e explorar os espaços. Além disso, apesar de jogar com as linhas baixas muitas vezes, quando o United estava próximo de sua grande área, a marcação por pressão era visível e eficiente.
 
E justamente pressionando e roubando a posse que o Villarreal conseguiu sofrer uma falta, que foi cobrada por Dani Parejo, encontrando Gerard Moreno livre. Aos 29 minutos, o Submarino Amarelo vencia a partida. Após o marcador ter sido inaugurado, o United buscou atacar um pouco mais, porém encontrou uma forte defesa do Villarreal, que impedia qualquer ação mais perigosa.
 
Até os minutos finais da primeira etapa, os Red Devils fizeram uma pressão maior, levando mais perigo com jogadas individuais de Marcus Rashford e Mason Greenwood. Mas, no geral, a defesa dos espanhóis manteve a força e impediu grandes ações coletivas. Além disso, com apenas 31% de posse de bola, o Villarreal finalizou cinco vezes, duas a mais que o Manchester.
 
SEGUNDO TEMPO
 
Apesar de alguns momentos com muita troca de posses de bola, esta etapa começou com um domínio maior do United. A equipe se mostrava mais agressiva ofensivamente e colocando mais jogadores à frente. Depois de um escanteio cobrado, a bola sobrou para Rashford, que estava na meia-lua, e a finalização errada rebateu e sobrou para Cavani. Aos dez minutos, o jogo estava empatado.
 
Com o empate no placar, o cenário da partida se alterou um pouco: os times não exploravam tanto as transições, algo característico das duas partes no jogo. Seja United ou Villarreal com a bola, o outro ficava mais fechado e esperava um erro do adversário para atacar novamente. Mesmo assim, na maior parte do tempo, o domínio das ações era dos ingleses.
 
Passando da metade da segunda etapa, os Red Devils dominavam a partida. No ataque, buscava triangulações pelos lados do campo, tentando encaixar um cruzamento para Cavani. Na defesa, marcava por pressão e roubava a posse em muitas ocasiões. Mas as principais oportunidades eram através de cruzamentos, de bolas paradas e de jogadas construídas.
 
Esse cenário se repetiu até o fim dos 90 minutos. O Manchester United teve muitas dificuldades de superar a marcação do adversário. Foram dez finalizações na segunda etapa e 64% de posse de bola. Já o Villarreal não ameaçou tanto na parte final, mas explorou as bolas paradas e cruzamentos também.
 
PRORROGAÇÃO
 
Diferentemente da apresentação da segunda etapa, o Submarino Amarelo avançou suas linhas, começou a marcar por pressão e comandou as ações do jogo. Em menos de 15 minutos, alcançou as mesmas três finalizações de toda a segunda etapa. Essa pressão dos espanhóis se deu no meio-campo, pois chegavam com superioridade numérica perto da grande área do United.
 
Na segunda parte da prorrogação não houve estilos de jogos bem definidos. As equipes se preocupavam em colocar a bola mais próxima ao gol adversário ou se defender. O fator físico, também, fez com que ritmo diminuísse e tivesse muitas pausas para atendimento. Apesar de tudo, quem atacou mais e buscou a vitória foi o Villarreal, mas não foi suficiente.
 
PENALIDADES MÁXIMAS
 
O Villarreal começou batendo as cobranças, e todos os seus jogadores acertaram, na ordem: Gerard Moreno, Dani Raba, Paco Alcácer, Alberto Moreno, Dani Parejo, Moi Gomez, Raul Albiol, Coquelin, Mario Gaspar, Pau Torres e, por último, o goleiro Rulli.
 
Já o Manchester United converteu todas as cobranças dos seus jogadores de linha, apenas o goleiro De Gea perdeu, dando o título para os espanhóis. Ordem: Juan Mata, Alex Telles, Bruno Fernandes, Rashford, Cavani, Fred, Daniel James, Luke Shaw, Tuanzebe, Lindelof e De Gea.
 
PRÓXIMOS CONFRONTOS
 
Esta final foi a última partida na temporada para ambos os clubes, que só retornarão em agosto desse ano para o ano 2021/22.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »