20/07/2021 às 19h09min - Atualizada em 20/07/2021 às 17h08min

Sua bolsa dos sonhos pode ser de uma grife americana

Diferentes modelos, materiais e cores, as grifes americanas tem cada vez mais produzido bolsas que agradam mulheres de diferentes estilos

Eduarda Lontra - labdicasjornalismo.com
Reprodução / Free-Photos por Pixabay
As bolsas tornaram-se itens que fazem a diferença em qualquer look, do dia ou noite, do trabalho ao happy hour, elas são práticas, lindas, possuem diferentes modelos, cores, preços e são indispensáveis. Algumas bolsas se tornaram tão icônicas que aguçam o desejo das mulheres, são as famosas bolsas de grifes, como Dior, Chanel, Louis Vuitton, Celine, e muitas outras que acabam por serem sonhos de consumo, mas possuem preços bem elevados.

Em sua grande maioria as it bags mais conhecidas são de grifes europeias, porém – o que muita gente não sabe – é que muitas grifes americanas também possuem peças para todos os gostos, e isso tem atraído cada vez mais as mulheres.

Mas se há tanta variedade, porque as bolsas de luxo vindas da Europa ganham mais destaque? A empresária e personal shopper (@importadopramim), Sabrina Silva, diz que isso acontece porque as grifes europeias possuem muita tradição e porque temos a tendência de desejar tudo aquilo que as pessoas que admiramos estão usando.

“São grifes com histórias bem intensas, quem não desejaria uma bolsa Lady Dior depois de ver a Lady Di usando uma? A história da Chanel, ela revolucionou a moda feminina, ela libertou as mulheres de antigos costumes. A Marilyn Monroe falava que usava o perfume Chanel nº 5, assim, as mulheres se inspiram em outras mulheres, se ela admira a outra, ela com certeza irá tentar ter um pedaço dela para si, e isso não só no campo de ideias, no campo material também, como uma bolsa, um sapato, um perfume. Como uma mãe inspira uma filha”, comentou Sabrina Silva.


Para a personal shopper, as marcas americanas, apesar de novas e com histórias e tradições mais recentes, já estão buscando mulheres que inspiram outras mulheres. “Uma grife que anda buscando mulheres que inspiram é a Coach, já trouxe a Selena Gomez, a Jennifer Lopez... A própria história da Kate Spade, também é uma mulher inspiradora, também traz nomes de celebridades do momento, mas é uma grife nova”, pontuou Sabrina. 
 


Por mais que as grifes americanas tenham surgido recentemente, elas vêm agradando muitos públicos, a advogada Priscila Machado veio de uma família de mulheres muito vaidosas e atentas à moda, diz que sempre foi ligada ao assunto, mas depois de viver uma época em Milão o amor pela moda ficou ainda maior. E sim, Priscila conhece e faz uso das bolsas americanas, já tem suas três marcas preferidas – Michael Kors, Kate Spade e Coach – e vê muitas vantagens em adquirir uma bolsa de grife.

Para o homem o relógio e o carro são sinônimos de status. Acho que os acessórios que transmitem isso para uma mulher são a bolsa e o sapato. As marcas de grifes americanas tem um desenho e um estilo próprio americano. Conseguem deixar a qualidade e a modernidade em destaque e isso eu valorizo muito. A qualidade do produto americano e o designer é superior às marcas nacionais – destacou a advogada.  

 
As vantagens são muitas, e os preços também. Grifes como Chanel e Louis Vuitton são conhecidas por terem bolsas lindas e com excelente qualidade, porém, o investimento para tê-las é alto e nem sempre é possível compra-las como a primeira bolsa de luxo. Segundo Sabrina, é possível ter uma bolsa de qualidade, que irá durar muito, com preços menos salgados e diferentes materiais ao apostar nas grifes americanas.
 
"O design é uma grande vantagem, tem modelos para todos os gostos, os materiais de altíssima qualidade, tecidos nobres, couros variados, peças banhadas a ouro. Você pode inclusive até ter peças colecionáveis, Marc Jacobs e Kate Spade fizeram sucesso na série Emily em Paris. Marc Jacobs foi diretor artístico na Louis Vuitton, que tal ter uma bolsa de um diretor artístico que fez história na Louis Vuitton, mas com um preço bem mais em conta?" , afirmou a personal shopper.



Para Priscila, adquirir uma bolsa de grife é um caminho sem volta, pois a qualidade conquista e depois fica muito difícil comprar outras que não tenham os mesmos padrões. A advogada conta que o momento em que ganhou sua primeira bolsa americana tem uma história especial, assim como a peça. “Minha primeira bolsa de grife foi um presente do meu marido. Ele quis me dar um presente para ter uma lembrança da Itália, quando já retornaríamos ao Brasil depois de viver um período em Milão, e acabei comprando lá no Vittorio Emanuele uma bolsa americana e não uma italiana! Mas a lembrança é linda e tenho ainda a bolsa Michael Kors, que agora tem 10 anos e em perfeito estado”, disse.

Mas antes de adquirir sua primeira bolsa de uma grife americana, é fundamental fazer uma pesquisa, tanto sobre as peças quanto as marcas, e achar a que mais lhe agrade em diferentes aspectos. Sobre o assunto, Sabrina diz que é preciso avaliar o que você busca na sonhada bolsa.

“Procure por uma bolsa que combine com a maioria de suas roupas, que caiba tudo que você gosta de carregar no seu dia, pense como um investimento, ela irá ficar com você por anos e anos. Se você dividir o valor investido pelo tempo que vocês irão ficar juntas, verá que no final, vai sair barato pela durabilidade. Compre uma de acordo com sua realidade financeira. Caso não vá comprar em loja oficial, procure referências de onde você está comprando para que faça uma compra segura. Siga sua intuição, você vai dizer sim para a bolsa perfeita do seu coração, você vai achar na hora certa aquela que irá atender seu estilo e o seu bolso”, destacou Sabrina Silva.
 
Mil e uma grifes para amar
Coach, Tommy Hilfiger, Tory Burch, Michael Kors, Calvin Klein, Marc Jacobs, Kate Spade, são só algumas das grifes que surgiram na América nos últimos anos. Com cores, cortes, materiais e modelos diversos, cada uma delas tem as suas características, por isso reunimos a história, e algumas curiosidades, sobre as três grifes americanas mais conhecidas: Coach, Kate Spade e Michael Kors.

Coach
Fundada em 1941, a grife surgiu em um loft em Manhattan, bairro de Nova York, como uma empresa familiar criada por dois imigrantes sobreviventes de campos de concentração da Polônia. No começo a grife era intitulada de Gail Manufacturing Company, e sua primeira coleção foi feita com peças de couro, desenvolvidas por seis artesões que utilizaram seus conhecimentos passados de geração em geração. Foi em 1957 que a marca foi oficializada com o nome Coach, e assim, recebeu seu famoso logotipo: uma carruagem laranja conduzida por um cocheiro.

No mercado há 80 anos, a grife tornou-se conhecida mundialmente, e a fama se estende devido aos padrões de qualidade, durabilidade, preços mais acessíveis e ao estilo americano com peças divertidas e atemporais. Com cintos, sapatos, carteiras, e claro, bolsas, a grife tem grandes objetivos, “a Coach é uma marca que deseja praticar preços de luxo acessível, mas há boatos que tenta abocanhar um império semelhante ao da Louis Vuitton, além disso, o mesmo grupo que tem propriedade da Coach também tem o da Kate Spade”, comentou Sabrina Silva.

De olho no mercado e na juventude, a marca a partir dos anos 90 começou a fazer peças com a letra “C”, e hoje, tanto a carruagem quanto o “C” são conhecidos nas peças da Coach. Além disso, a grife já teve como Coach Girl a cantora e atriz Selena Gomez, que desenvolveu inúmeras peças junto a marca. Hoje, a grife tem distribuição mundial, em mais de 1000 lojas pelo mundo, e no Brasil, a marca abriu seu e-commerce em 2017.

It Bag: Pillow Tabby
 
Kate Spade
Cores, frases, ar lúdico, modelagens divertidas, estampas, a Kate Spade é conhecida pelas bolsas que exalam um estilo nova-iorquino junto a uma mulher que busca modernidade. A grife surgiu em 1993 e foi idealizada por Katherine Noel Brosnahan, junto ao publicitário, na época noivo e a partir de 94 marido, Andy Spade. Tudo começou quando Kate após ser editora por seis anos da revista de moda Mademoiselle, cansou de só achar (e escrever sobre) bolsas clássicas, ela queria peças diferentes e logo percebeu que não havia essa variedade no mercado.

Kate decidiu sair da revista e investir nas sonhadas bolsas em parceria do noivo, então juntou seu nome ‘Kate’ ao sobrenome de Andy e assim surgiu a Kate Spade New York Handbags. No começo a marca produzia seis modelos de bolsas com um estilo retro, mas já com estampas e muitas cores. Porém, os três primeiros anos da grife foram apertados e sem lucros, mas em 96 a história começou a mudar, isso porque Kate recebeu o prêmio de Novo Talento de Acessórios pela CFDA (Conselho dos Estilistas Norte-Americanos) e no mesmo ano abriu sua primeira loja, no Soho em Nova York.

Assim, a Kate Spade só cresceu, conquistou inúmeras mulheres e é usada por muitas artistas (Taylor Swift, Sadie Sink, Olivia Palermo são algumas), o sucesso foi tanto que a marca investiu em criar acessórios, e hoje conta com carteiras, perfumes, cintos, roupas infantis e outros, a marca chegou a produzir coleções de roupas de cama (Kate Spade at Home) e até fez uma linha de uniformes para comissárias para a Song Airlines.

No Brasil, a loja Kate Spade foi inaugurada em 2011, em São Paulo, a grife chegou a ter cerca de cinco lojas no país, além do e-commerce, mas devido a crise econômica de 2015 as operações da marca foram encerradas no Brasil. Mas é possível adquirir uma peça Kate Spade através de sites e personal shoppers que vendem e fazem entrega de produtos de luxo no Brasil.

It Bag: Nicola
 
 Michael Kors
A Michael Kors leva o mesmo nome do estilista fundador e foi criada em 1981, de lá para cá, a grife vem ganhando cada vez mais notoriedade na moda, e conquistando diferentes consumidores por combinar sofisticação, casualidade e luxo. Michael Kors começou na moda cedo, foi ator mirim e fez testes para comerciais, logo após estudou na Fashion Institute of Technology, uma das instituições mais famosas da moda, localizada em Nova York.

Aos 19 anos, Michael Kors criava coleções na Butique Lothar´s, e assim, chamou a atenção da imprensa e de compradores. Mas foi em 1981 que o estilista começou a criar suas próprias roupas como uma marca, novamente chamou a atenção da alta sociedade com seu estilo sofisticado e modernista, conseguindo que sua primeira coleção de roupas femininas fosse disponibilizada nas lojas de departamento, como Saks Fifth Avenue, Bloomingdale´s, Bergdorf Goodman e outras.

“Uma curiosidade interessante sobre o estilista Michael Kors é que ele não sabe costurar ele apenas desenha. Ele também já foi diretor criativo de uma grande grife francesa, a Celine e ele elevou a marca a outro patamar de luxo, além disso, a grife Jimmy Choo também é do grupo Michael Kors, e quem assistiu Sex and the City com toda certeza sonha com um par de Choo”, destacou a personal shopper.

Através dos seus inúmeros produtos, como: roupas, bolsas, calçados, relógios, óculos, perfumes e outros, a grife abriu sua primeira loja própria no ano 2000, no número 974 da Madison Avenue, em Nova York. Hoje, a maison é distribuída para mais de 3.700 lojas em todo o mundo, fora as 500 lojas próprias. No Brasil, a Michael Kors abriu sua primeira loja em 2013 no Shopping Village Mall, no Rio de Janeiro, e atualmente a grife já possui seis lojas no país, além do seu e-commerce.

It Bag: Selma, Jet Set Chain e Jet Set East West Crossbody

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »