03/09/2021 às 16h12min - Atualizada em 03/09/2021 às 15h55min

Após 36 anos, Fórmula 1 volta para os Países Baixos

A categoria não marca presença no país desde 1985 e volta neste final de semana

Caio Henrique Panini de Oliveira - labdicasjornalismo.com
Pilotos no treino desta sexta-feira (foto/ reprodução: Fórmula 1)
A Fórmula 1 volta neste final de semana para o GP dos Países Baixos. A corrida acontece neste domingo (5), às 10h (horário de Brasília) e será no circuito de Park Zandvoort. Anteriormente, por conta da forte chuva e baixa visibilidade para os pilotos, a etapa da Bélgica teve apenas três voltas. Além disso, todos os carros ficaram atrás do safety car. Logo após a confirmação do fim da prova metade da pontuação foi dada a cada automobilista. Lewis Hamilton é o líder, com 202,5 pontos; Verstappen vem logo atrás, com 199, 5; e Lando Norris está em 3º, com 113.

TREINO LIVRE DE SEXTA-FEIRA

No primeiro treino livre, Hamilton liderou na maioria do tempo. Entretanto, uma bandeira vermelha interrompeu a sessão. O carro de Sebastian Vettel sofreu uma pane elétrica. A Ferrari foi bem nesta etapa e conseguiu terminar em terceiro com Carlos Sainz e quarto com Leclerc. Por outro lado, outros pilotos sofreram para se adaptar a pista. Afinal, o circuito está de volta após 36 anos. Yuki Tsunoda perdeu o controle do carro, mas não danificou. Por fim, destaque para Esteban Ocon, que terminou na sexta colocação.


Charles Leclerc no treino livre (foto/ reprodução: Fórmula 1)

No segundo treino livre, Max Verstappen e Hamilton não fizeram uma boa posição e terminaram em quinto e 11º respectivamente. O inglês quase não participou da etapa, já que o carro desligou nos minutos iniciais; assim, teve que abandonar. A Ferrari manteve o bom rendimento e Charles Leclerc terminou em primeiro e Sainz em segundo. Daniel Ricciardo, que terminou em quarto na Bélgica, fez uma sessão discreta e ficou na 15º posição. Ocorreram duas bandeiras vermelhas: uma por conta do problema com Lewis e a outra com Nikita Mazepin, que perdeu o controle da Haas.



Hamilton no momento que abandona a sessão (foto/rerprodução: Fórmula 1)

FIM DE UMA ERA

Após 342 GPs, Kimi Raikkonen anunciou a aposentadoria da Fórmula 1. O finlandês esteve na categoria por 19 anos e conquistou o titulo na temporada de 2007. O piloto é o detentor do recorde de maior número de largadas. O automobilista soma 21 vitórias, 18 pole-positions, 103 pódios e 46 voltas mais rápidas. O piloto da Alfa Romeo fica até o fim da temporada e pretende tirar um tempo com a família.

Com isso, alguns jovens pilotos podem aparecem na categoria no ano que vem. A saída do Finlandês abre uma vaga na Alfa Romeo, que tem no radar Bottas, Albon e de Vries. O último nome espera a situação da Williams com Russel, afinal, o inglês pode pintar na Mercedes na temporada de 2022. Valtteri Bottas possui a dúvida se permanece ao lado de Hamilton e Alexander Albon é reserva da Red Bull.



Kimi, piloto da Alfa Romeo (foto/ reprodução: Alfa Romeo)

EXPECTATIVA PARA A PRÓXIMA ETAPA

Após um final de semana baixo de chuva, a rivalidade entre Hamilton e Verstappen deve continuar com tudo para o GP de Park Zandvoort. O piloto da Red Bull vai pilotar em casa e durante os treinos livres de sexta-feira, os espectadores mostraram apoio a Max. Com a falha técnica ocorrida nesta sexta-feira, a Mercedes corre para ver o que aconteceu, arrumar o problema e não ter riscos durante a corrida do domingo (5).

No pelotão do meio, a Aston Martin mostrou um bom desempenho nas últimas corridas. Sebastian Vettel conseguiu se adaptar ao carro e busca ficar na parte de cima do grid ao longo da temporada. Giovinazzi, que terminou entre os dez primeiros no segundo treino, pode ter uma boa posição na classificação. Por fim, outra equipe para ficar de olho é a Ferrari. A Scuderia italiana mostrou uma rápida adaptação a pista e isso pode favorecer a equipe na corrida.

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »