18/09/2021 às 22h03min - Atualizada em 18/09/2021 às 21h57min

Conheça “Uma História de Amor e Fúria”, premiada animação brasileira

Ingrid Brandt - Editado por Ana Terra
A animação brasileira Uma História de Amor e Fúria (2013) ganhou o prêmio de Melhor Filme do Festival Annecy, na França, um dos mais prestigiados do cinema. Considerado o “Festival de Cannes da Animação”, a premiação ocorre desde 1960.

A animação traz eventos importantes do Brasil como base para narrativas circunstâncias.

Reprodução: Escotilha

Reprodução: Escotilha


Dirigido e escrito por Luiz Bolognesi, conhecido por ter roteirizado Bicho de Sete Cabeças (2001) e As Melhores Coisas do Mundo (2010), tem como atores centrais Selton Mello e Camila Pitanga, dando voz aos personagens principais e uma participação do ator Rodrigo Santoro dublando um dos líderes indígenas.
 
A história baseia-se em acontecimentos históricos nacionais, focando nos anos de 1500, 1800, 1970 e 2096. Unindo passado e um incerto futuro, em linhas do tempo transitórias. O protagonista vivido por Selton Mello, percorre inúmeros caminhos, transpassando épocas, que o levam ao seu grande amor Janaína (Camila Pitanga). Sua paixão resiste por 600 anos, até que seja possível viverem juntos.
 
Em primeira instância o foco narrativo é passado no Brasil Colônia, onde os portugueses tinham como interesse em colonizar os indígenas do país. A partir disso, o protagonista tupinambá Abeguar, reage aos afrontes dos emissários de Portugal.
 
Na segunda parte em um cenário de escravidão no Maranhão, Manoel do Balaio, chefe da Balaiada em uma época de revolta onde escravos, vaqueiros, artesãos, fabricantes de balaio, pequenos agricultores rurais, juntaram forças para lutar contra injustiças sociais ocorridas naquela região.
 
Em contrapartida durante o regime militar, estudantes resistem as cassadas ocasionadas pelo governo, referentes as ideologias empregadas naquele período. Já no futuro os protagonistas tentam sobreviver a escassez de água.
 
Uma frase reforçada em momentos específicos ao longo do filme é ‘viver sem conhecer o passado é viver no escuro’, trazendo ao espectador a ideia de questionar sobre seus antepassados e conhecer mais sobre sua própria cultura. Para se viver o futuro é preciso olhar o passado, bandeira levantada no longa em que traz uma reflexão agravante dos traços históricos. Não se vive sem se atentar para aquilo que realmente importa, quem somos diz muito sobre quem já fomos e isso quer dizer evolução.

Referências:
ARAÚJO, Andréa. Balaiada. Educa Mais Brasil, 2019. Disponível em: <https://www.educamaisbrasil.com.br/enem/historia/balaiada>. Acesso em: 18 de setembro de 2021.
SPGNA, Julia di. “Uma História de Amor e Fúria”: saiba como utilizar o filme no vestibular. Guia do Estudante, 2018. Disponível em: <https://guiadoestudante.abril.com.br/estudo/uma-historia-de-amor-e-furia-saiba-como-utilizar-o-filme-no-vestibular/>. Acesso em: 18 de setembro de 2021.
Uma História de Amor e Fúria o Mais Importante Prêmio de Animação do Mundo. Papo de Cinema. Disponível em: <https://www.papodecinema.com.br/noticias/uma-historia-de-amor-e-furia-ganha-o-mais-importante-premio-de-animacao-do-mundo/>. Acesso em: 18 de setembro de 2021.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »