25/09/2021 às 16h16min - Atualizada em 25/09/2021 às 15h52min

Resenha: El Sueñero – O Sentinela dos Sonhos

Samantha Garcez - Editado por Ana Terra

Em um futuro distante e fantástico as guerras desapareceram pelo simples fato de que não haviam motivos para lutar, mas o povo que durante incontáveis séculos nada fizeram a não ser guerrear não sabiam o que fazer com a paz e chegou o ócio. A chamada “Peste Sutil” se espalha em uma epidemia que ameaça toda a população, assim, a morte vence a humanidade utilizando-se do tédio. É nesse cenário que o mercenário Ñato recebe então a missão de navegar pelo espaço-tempo a fim de capturar peculiares figuras de diferentes épocas e lugares.

A solução para o tédio mortal está na história: o Sirko Roman-Ho. Um lugar onde lutavam animais contra animais, homens contra animais e homens contra homens. Os espetáculos públicos atenderam a antiga política romana de “Pão e Circo”.

Mas com a falta de vontade dos homens para o combate é preciso trazer animais e lutadores de outros tempos e espaços. E é assim que Ñato, que agora fica conhecido com El Sueñero, parte em busca de animais fantásticos e guerreiros fabulosos para então vencer a “Peste Sutil”.

Figuras conhecidas da cultura pop como o Minotauro, Mr Hyde/ Dr. Jekyll e o Lobisomem são capturados e seguem a viagem do El Sueñero. Além de criaturas folclóricas argentinas, como a Chorona e a Mula-Penada, que completam os diversos personagens místicos que exploram a viagem futurística e fantástica da historieta.

A obra de Enrique Breccia tem um forte teor político e aborda de forma única questões complexas como a Ditadura Argentina e a Guerra das Malvinas. A HQ traz consigo fortes críticas sociais ao mesmo tempo que consegue enlaçar a fantasia com a história da humanidade em uma trama envolvente, onde tudo é possível e imprevisível.


REFERÊNCIAS:

Breccia, Enrique. El Sueñero: o sentinela dos sonhos. Trem Fantasma, 2021.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »