04/11/2021 às 22h57min - Atualizada em 04/11/2021 às 21h24min

Lojas online: uma nova forma de empreender

O aumento da criação de lojas virtuais auxilia pessoas a ganhar sua renda de maneira própria

Renata Brito - Editado por Andrieli Torres
Reprodução/Pixabay

Antigamente, era comum ir até os shoppings e centros comerciais para comprar roupas, calçados, entre outras coisas necessárias para o nosso dia a dia. Porém, com o avanço da tecnologia e o período de pandemia, uma nova forma de vender e comprar esses produtos foi ganhando espaço. Devido ao fechamento de lojas durante o isolamento social e o aumento do desemprego, as lojas virtuais se tornaram não só um meio de garantir o sustento de muitas pessoas, mas também uma maneira mais prática e fácil dos clientes terem contato com as mercadorias.

 

A crise econômica no país sem dúvida afetou muita gente. Para driblar os tempos difíceis, as jovens Ludmila, Débora e Marcela, resolveram criar a sua própria loja virtual, onde elas vendem roupas para o público feminino. Inicialmente, elas cogitaram a ideia de fazer um negócio voltado para a venda de doces, mas com o período de pandemia acabaram desistindo do plano. Então, surgiu a opção de criar uma loja de roupas e atuar pelos meios digitais.

 

"O processo de criação demorou um pouco, eram muitas ideias, mas no fim conseguimos agregar um pouco de cada, definimos o que gostaríamos que os clientes sentissem ao conhecer nossa loja, definimos cores que combinavam com os nossos estilos”, explicou Ludmila.

 

As jovens empreendedoras trabalham em conjunto, se dividindo tanto para atender as demandas, quanto para produzir conteúdos nas redes sociais, que são suas principais ferramentas para divulgação das roupas. O negócio possui contas ativas no Instagram e no Facebook. O WhatsApp também é utilizado para a solicitação dos pedidos.

 

Sobre o nome da marca é a junção dos nossos nomes, MaDeLud, e o Miss é por conta de não termos um padrão de beleza e acreditamos que qualquer mulher deve ser o seu próprio padrão, as misses são sempre elegantes, lindas e inteligentes, todo mulher é uma Miss, somos uma junção de coisas, e isso é lindo", disse a empreendedora.

 

Com a falta de um emprego formal, a loja tem sido uma maneira das sócias conseguirem um dinheiro, e o formato digital é uma vantagem por não precisar pagar para alugar um local. Porém, não é fácil empreender, a maior dificuldade encontrada por elas é alcançar a confiança dos clientes, pois por serem iniciantes no ramo e ainda não possuírem grande reconhecimento, muitas pessoas ficam com medo de ser golpe, ou dos produtos não serem de qualidade. Apesar disso, as responsáveis pela loja buscam sempre garantir comprometimento com os clientes.

 

As lojas virtuais como renda extra

 

A auxiliar administrativa, Luana Souza, de 20 anos, mesmo possuindo um trabalho fixo sempre pensou em ganhar dinheiro de maneira própria. A princípio, pensou em vender bolsas, mas depois de pesquisar mais a fundo, achou que a melhor forma de fazer um dinheiro extra seria vendendo roupas íntimas femininas. A empreendedora buscou seu público alvo e meios de alcançar suas clientes.

 

Com uma rotina diária de trabalho e estudos, ela tem ajuda de seu marido, para embalar os pedidos que irão ser entregues. Por meio do Instagram e do WhatsApp, Luana produz os conteúdos e divulga a sua marca. E por conta de ter um emprego formal durante a semana, as entregas são feitas somente aos sábados.

 

“É bem difícil conciliar as vezes, porque você tem que fazer suas postagens oferecendo aquilo que você vende, quem não é visto não é lembrado né! Então às vezes eu procuro deixar o conteúdo, fotos e etc, tudo pronto só pra postar sem me atrapalhar muito no trabalho durante o dia.”

 

A jovem também ressalta sobre a dificuldade de se obter visibilidade no negócio, "então o esforço tem que ser grande, tem que correr atrás mesmo do cliente e tudo mais. Mas não é um bicho de sete cabeças, então dá pra correr atrás", destaca a jovem.
 


A importância da presença digital

 

Em ambas as lojas citadas acima é possível observar a semelhança entre elas: as duas possuem presença digital. As ferramentas utilizadas para ter contato com o público, são essenciais para o andamento do negócio.

 

Segundo uma pesquisa realizada pela plataforma HostGator, que é uma empresa responsável pela hospedagem de sites e provedora de serviços online, 58% das pessoas passaram a investir na presença digital durante a pandemia. Das 5 mil empresas participantes, 64% perceberam um aumento de vendas no formato online.

 

Segundo o economista Adelmir Brasil, é necessário investir cada vez mais em tecnologia.

 

“É necessário buscar mais conhecimento, principalmente em tecnologia, pois as redes sociais vem dominando o mercado, elas impactaram as vendas e o contato feito com os clientes.”, explica ele.

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »