27/11/2021 às 10h23min - Atualizada em 23/11/2021 às 20h00min

O racismo e como ainda é tratado em pleno século XXI

Essa é uma luta que parece não ter fim e que ainda é muito debatida nesse século

Maurilio Gabriel - editado por Luhê Ramos
A imagem representa mãos levantadas como símbolo de resistência. | Fonte: Imagem retirada do Blog Scotilha
O racismo sempre esteve presente na nossa sociedade e foi se estruturando com a divisão de grupos e ideias de raça. Mesmo antes do Brasil ser Brasil, em sua colozinação foi implatada essa vertente de racismo na sociedade brasileira trazida da Europa. Com isso, o racismo surge realmente nos séculos XVI e XVII, sobretudo neste último. Os europeus praticavam a escravidão e há alguns séculos escravizavam pessoas na África e no Novo Mundo.

A história do racismo no mundo ocidental é amplamente associada à escravidão como a forma primitiva do colonialismo. É nesse contexto que algo chamado raça é criado, o que significa essencialmente que certos povos definidos como não europeus são dominados e governados por europeus. Para as pessoas nos EUA, nos séculos XVII e XVIII a raça era um fato da vida, e creio que o racismo é algo que surge como interação necessária. Onde não se trata de pessoas criando racismo no laboratório ou no escritório para depois sair ao mundo para aplicá-lo.

De certo modo, os brancos, os negros e os índios estabeleceram suas ideias de raça, em proximidade uns dos outros, através do contato. Os britânicos não se tornaram traficantes de escravos e escravizadores por serem racistas, tornaram-se racistas porque usavam escravos para obter grande lucro nas Américas e criaram um conjunto de atitudes em relação aos negros para justificar o que faziam. A verdadeira força motriz detrás do sistema escravocrata era a economia.

Mortes por racismo 

O racismo sempre foi algo brutal que afetou, desde então, a população negra no Brasil e no mundo. Sendo assim não podemos dizer o que o mesmo foi consolidado como algo positivo, mas sim como um precoceito negativo associado a cor da pele, da espeçura dos labios e até mesmo dos cabelos. Álias, um caso que chocou o mundo foi a morte de George Floyd, um afro-americano assassinado pelo policial Derek Chauvin, policial branco e norte americano. Chauvin sufocou Foyd com o seu joelho posto em seu pescoço até a morte, mesmo com o homem alertando que não conseguia respirar o policial continuou com o joelho posto sobre George, levando-o então a morte. 

 Morte de George Floyd por Policial. (Reprodução: ObservadorYoutube)
 

O vídeo acima é apenas umas de muitas provas do que o racismo é capaz de fazer, e que ainda sim, mesmo com leis antirracistas, movimentos, manifestações entre outras causas. Ainda sim, não se pode chegar em certo acordo para uma passividade entre quem comete algum ato racista ou até  mesmo para que seja banido esse preconceito.

Ainda se tratando de racismo, o "Caso Miguel", como chamado pela Justiça de Pernamundo, foi considerado como mais um caso de racismo no país 
por uma grande parte da pupulação e também pela Justiça. O que ocorreu foi que a mãe do menino Miguel que era empregada domestica em um hotel de luxo deixou o seu filho com sua patroa a Sarí, minutos depois Sarí sai com o menino do seu apartamento e o leva até o elevador e deixa o garoto de apenas 5 anos  sozinho, as câmeras de segurança do hotel deflagrou ainda que Sarí havia apertado o botão até o 9° andar e  abandonado o menino lá sozinho, o que acarretou na morte de Miguel. 

Casos como esses que chocam a populaçao como um todo, são noticiados quase todos os dias pelos grandes portais de rádio, TV, jornais impressos e até mesmo em portais de notícias, onde muitas vezes passam impunes, e outros que granham notoriedade, como os sitados acima. 

Movimentos antirracismo

movimento negro corresponde a uma série de movimentos realizados por pessoas que lutam contra o racismo e por direitos. A Declaração Universal dos Direitos Humanos, em seu primeiro artigo, diz que "todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos […]". Não só no Brasil, mas também no mundo todo, algumas manifestações foram criadas para combater a luta racial. Um exemplo é a Black Lives Matter, que é um movimento internacional com origem afro-americana que campanha contra a violência direcionada a pessoas negras. Além disso, também tem-se o dia 20 de Novembro, o dia da Conciencia Negra no Brasil, para lembrar que negro também é gente e que vidas pretas importam para nossa sociedade. Movimentos como esse nos trazem a importância de negros se sentirem livres e iguais em direitos e liberdade, como já está estabelecido por lei. 

Outros movimentos que se juntaram a causa em combate ao racismo foram o Movimento Feministas e até a Comunidade LGBTQIA+ que, mesmo dentro de suas linhas de pensamentos, ajudam apoaiando uns aos outros para combater a desigualdade no mundo (até porque dentro desses movimentos exitem mulheres negras e gays negros também). Alguns levantamentos de dados mostram que: os negros tem 2,6% mais chances de sofrer homicidio do que pessoas brancas no Brasil e nos últimos anos essa porcentagem cresceu cerca de 11,5%,  aqui no Brasil a prática de racismo é declarado como injúria racial e a pessoa que comete tal ato pode ser condenana a prisão ou até mesmo reassarcir em dinheiro a pessoa caluniada. 

Portanto, ter empatia, comprensão e amor com o proximo se tornou algo difícil nos últimos dias, viver em uma sociedade onde o ódio é destilado quase o tempo todo e que a violência tem sido mascarada, podemos parar para refletir e se por no lugar do outro, para então sentir o peso da descrimininação, do ódio, do desamor e muitas vezes da culpa. 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »