24/06/2021 às 20h51min - Atualizada em 24/06/2021 às 21h07min

CRÍTICA | Elite perdeu a hora de parar ou a fórmula ainda funciona?

Joérica Cunha - Editado por João Martinez
A quarta temporada da série espanhola, Elite, chegou ao catálogo da plataforma de streaming Netflix na última sexta-feira, (18). Após um ano de espera, os fãs puderam finalmente descobrir os acontecimentos após o final da terceira temporada.

[ALERTA - O TEXTO ABAIXO PODE CONTER SPOILERS!]

A ansiedade e expectativa em torno da nova temporada foi amplificada com as estreias das Histórias Breves, capítulos curtos, ambientados entre a terceira e quarta temporada, onde foi explorado contos dos personagens que deixariam a série e dos que permaneceriam, e teriam seu desenvolvimento na série completamente afetados pelos acontecimentos das Histórias Breves.

No final da terceira temporada, os fãs de Elite tiveram de se despedir de personagens que vinham acompanhando a um certo tempo e que haviam se apaixonado, como a Carla, personagem de Ester Expósito, e a Lucrecia, interpretada por Danna Paola. Para tentar suprir a falta dos personagens por quem nos apaixonamos, a série trouxe um novo diretor para o Colégio Las Encinas, e os seus três filhos: Ari (Carla Díaz), Patrick (Manu Ríos) e Mencía (Martina Cariddi), além do Príncipe Philippe (Pol Granch).



Assim como nas temporadas anteriores, a quarta temporada também gira entorno de um mistério. Quem tentou matar Ari? Mas diferente dos mistérios anteriores, este não empolga, os episódios são arrastados e cansativos, e não despertam o menor interesse no telespectador em desvendar o crime.

Os quatro novos personagens apresentados possuem o potencial de mudarem os rumos da trama e proporcionarem emoções, mas o que foi apresentado não teve nada de inovador. Os personagens são mal aproveitados, e a maioria dos plots que os envolve foram reciclados das temporadas anteriores sem nem mudar a fórmula.

Elite sempre se propôs a fazer críticas sociais, mas falhou bruscamente ao tentar inserir na narrativa assuntos sérios como pedofilia, prostituição infantil, estupro e abuso de poder. No fim, a abordagem dos temas é feita de forma rasa, sem desenvolvimento, apenas como um tapa buraco para os problemas do enredo principal.

 
Outro grande problema desta temporada é a descaracterização do personagens, que magicamente parecem ter esquecido de todos os problemas que passaram, e todo o desenvolvimento que tiveram, e voltaram a ser os mesmos personagens que eram nos primeiros episódios da primeira temporada. Além do uso excessivo das cenas de sexo como forma de desenvolver os personagens e os casais, que parecem não saberem fazer nada mais além de sexo.



Guzmán, personagem de Miguel Bernardeau, é quem mais sofre com a descaracterização, o personagem que teve a irmã assassinada pelo melhor amigo, e depois perdeu o seu melhor amigo também, foi um dos que mais se desenvolveu e amadureceu no decorrer das temporadas devido a todas as situações que passou, e repentinamente se encontra tendo as mesmas atitudes da primeira temporada quando era apenas mais um adolescente rico, numa tentativa desesperada de fazer o roteiro se encaixar. Assim como o casal Omar (Omar Ayuso) e Ander (Arón Piper), que parecem ter esquecido de todos os momentos juntos e superações no momento em que Patrick chega a escola.

O principal erro de Elite foi não saber quando parar.  As três primeiras temporadas giravam em torno da morte de uma personagem, e os enredos se interligavam, fazia sentido que os personagens vivessem as consequências de um assassinato, mas o crime foi solucionado no final da terceira temporada. Não faz sentido criar um novo crime só para manter a série no ar e continuar lucrando, e neste período descaracterizar os personagens, e fazer com o público perca a empatia pelos mesmos.

Após 8 episódios difíceis de serem assistidos, a solução do mistério ocorre de forma decepcionante e nada surpreendente, e a série se encerra deixando inúmeras pontas soltas, que deverão ser abordadas na quinta temporada da série, que já está sendo produzida e contará com a adição do brasileiro André Lamoglia e da argentina Valentina Zenere no elenco.


Apesar de todos os problemas da temporada, a série conseguiu uma legião fiel de fãs nas temporadas anteriores que encontram-se ansiosos para a próxima temporada e para saber como os roteiristas irão arrumar toda a bagunça que fizeram.
 
REFERÊNCIAS:
OLIVEIRA, Luiz Henrique. Elite - 4ª Temporada: entenda o que aconteceu no final da série Netflix. Bola Vip, 20 de jun. 2021. Disponível em https://br.bolavip.com/entretenimento/Elite-4-Temporada---o-que-aconteceu-no-final-da-serie-20210618-0065.html . Acesso em 21 de jun. de 2021.
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »