08/10/2022 às 23h43min - Atualizada em 08/10/2022 às 23h27min

'Dahmer': série da Netflix gera polêmica e discussões nas redes sociais

Produção sobre serial killer foi feita sem o conhecimento das famílias das vítimas

Júlia Victória - Editado por Ana Terra
Fonte: Netflix

Entender o que se passa na mente de serial killers e as motivações para os seus crimes é um desejo de um grande número de pessoas. A comunidade "true crime” vem crescendo, assim como as produções que exploram e detalham esses casos. Ao mesmo tempo que ocorre essa popularização surge uma questão: até que ponto essas obras são aceitáveis?

 

Recentemente, a Netflix disponibilizou em sua plataforma a minissérie “Dahmer: Um Canibal Americano”. Dirigida e escrita por Ryan Murphy (American Horror Story), levantou novamente a discussão sobre filmes e outras obras que falam sobre crimes reais.

 

Dahmer é interpretado pelo ator Evan Peters (X-Men, American Horror Story), entretanto, apesar de ser uma dramatização, a história está longe de ser fictícia. Jeffrey Lionel Dahmer foi um assassino em série que matou 17 pessoas entre os anos de 1978 e 1991. Vitimando homens e garotos, praticava atos hediondos e cruéis como o canibalismo, o que lhe rendeu o apelido de “Canibal de Milwaukee”.

 

A produção foi baseada no ponto de vista das vítimas. Por um lado, ajudou a mostrar a omissão do Estado que conduziu uma investigação atrapalhada pela homofobia e pelo racismo. Conseguiu causar repulsa e indignação no público ao mostrar como as autoridades deram diversas “segundas chances” ao assassino, ignorando denúncias e provas.

 

Do outro, abriu brechas para interpretações e alguns espectadores chegaram a sentir empatia por Dahmer. Um aspecto que gerou esse sentimento foi a escalação de Evan para o papel. Ele, sem dúvidas, fez um ótimo trabalho e causa arrepios quando aparece na tela. O problema acontece por conta da popularidade do ator. Algumas pessoas passaram a enxergar Dahmer apenas como um personagem. E isso levou a um grande perigo: a romantização.

Outro fator que chamou atenção foi a informação que as famílias das vítimas e os sobreviventes não foram consultados antes. Com a minissérie sendo uma das mais assistidas no mundo inteiro e o nome de Dahmer comentado em todas as redes sociais, eles tiveram de reviver todos os traumas novamente. 

 

Eric Perry, parente de Errol Lindsey (uma das vítimas), comentou em seu Twitter que a família foi “retraumatizada”: 

 

"Minha família descobriu ao mesmo tempo que todo mundo. Quando eles dizem que estão fazendo essas produções 'com respeito às vítimas' ou 'honrando a dignidade das famílias', ninguém entra em contato conosco. Meus primos acordam quase todos os meses com ligações e mensagens dos parentes, e assim é que sabem que uma nova série sobre Dahmer está para sair. É cruel"

 

Logo após o lançamento, a Netflix liberou outra produção: “Conversando com um serial killer: O canibal de Milwaukee”, onde são apresentados depoimentos inéditos do assassino. E isso leva ao principal questionamento: por que há a necessidade de explorar esses assuntos cada vez mais? O caso de Jeffrey Dahmer é um dos mais conhecidos, já foram produzidos documentários, podcasts, livros e outros filmes sobre a história, então por que fazer mais um? 
 

Referências

SOLDEIRA, Gabriel. Dahmer: Um Canibal Americano alcança marca impressionante na Netflix. Observatório do Cinema, 2022. Disponível em: https://observatoriodocinema.uol.com.br/series-e-tv/dahmer-um-canibal-americano-alcanca-marca-impressionante-na-netflix. Acesso em 08 de outubro de em 2022.
 

MISSI, Luiza. 'Dahmer' cria fantasia e romantiza serial killer que matou 17 pessoas. Splash Uol, 2022. Disponível em: https://www.uol.com.br/splash/noticias/2022/09/30/dahmer-critica.htm. Acesso em 08 de outubro de 2022.

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »