25/01/2021 às 16h33min - Atualizada em 25/01/2021 às 16h11min

Akira não é só um desenho

Medo e avanços tecnológicos influenciaram animes como Akira

Lucas Moreira - Editado por Fernanda Simplicio
Fonte: Wallpaper Access

Uma gigantesca cidade e uma densa população dominada por corporações, luzes nas janelas dos imensos arranha-céus, hologramas e outdoors espalhados ao redor dos prédios se misturam com a poluição e enfeitam o cenário opaco. O barulho das buzinas dos carros funde se a gritos e conversas das pessoas que compartilham do mesmo oxigênio poluído, pisando todos num chão sujo com cheiro do lixo espalhado por quase todas as esquinas das avenidas. Era pra ser o recomeço de uma nova era, um futuro promissor e pacífico. Após a terceira guerra Tóquio foi devastada por uma bomba atômica em 1988, sendo destruída por completo. O que se sabe sobre a causa da explosão é o resultado do poder de um garoto chamado Akira. Neo Tokio se estabelece após a bomba e avança em quesitos tecnológicos. A violência fundida a tecnologia avançada enfeita um cenário característico do gênero cyberpunk.



Akira é um mangá de 1988, de Katsuhiro Otomo, posteriormente convertido em um filme dirigido pelo autor, mas nunca deixou de ser atual e moderno. Revolucionário e detalhista por si, o filme não é uma simples animação, uma projeção do futuro de uma sociedade traumatizada por bombas atômicas e projetada para dar errado.



Kaneda é o líder de uma gangue de motoqueiros, cujas motos são símbolo de status e poder, eles vivem em Neo Toquio 37 anos após o incidente nuclear, uma cidade pós-guerra de ultima geração corrompida pelo péssimo governo e com uma baixa qualidade de vida. A mesma sediaria as olimpíadas de 2020. Os habitantes estão largados as traças em decadência social, por mais que toda tecnologia esteja a favor da população ainda há pobreza e violência extrema.



Tetsuo é amigo de Kaneda que sempre foi o mais zombado da turma por ser impotente. Em uma briga de gangues, Tetsuo é ferido por um menino misterioso e em seguida é capturado pelo exército. Tetsuo é alvo de experimentos e de pesquisas biológicas. Kaneda procura seu amigo e descobre que há mais dessas crianças misteriosas e Tetsuo está como fonte do experimento, sendo Akira o estudo principal. Akira é venerado como Deus e é até uma crença local. Assim como Jesus terá seu retorno, Akira voltará.

O filme Akira nos mostra a influência do medo nos animês japoneses, embora muitos influenciados pelo trauma da população em relação às bombas atômicas, manifestam o quão influente é essa aversão na memoria coletiva da população, destruição e utopias refletiam no imaginário das pessoas na década de 80. Um futuro pessimista e distópico marcam e contornam o enredo do filme. 



O Japão teve de se reerguer após a Segunda Guerra Mundial que assolou o país e o mundo, o desespero japonês para com a sua derrota influenciou drasticamente em sua cultura. Akira foi produzido em uma época de ascensão tecnológica, onde os avanços japoneses contribuíam para a ciência e também para o ápice do aquecimento global e guerras, crises de petróleo e de energia, a crescente inflação do governo de Nixon, presidente dos EUA. Sendo assim influenciando a cultura pop oriental junto com o medo de uma terceira guerra mundial eminente entre duas potentes nações. A guerra fria botou pânico e insegurança em todo planeta. Enquanto de um lado dois países se enfrentavam numa tensão geopolítica, o consumismo japonês tomava forma à economia em alta no país. A tecnologia estava mais ligada ao pessimismo e não operava somente para coisas boas.



Akira foi inovador, feito de modo artesanal teve uma utilização de 327 cores diferentes sendo que 50 foram criadas exclusivamente para o filme, composto por 160 mil imagens únicas, dois terços a mais que um anime convencional, todos com fluidez perfeita e com CGI para dar riqueza aos detalhes, poucas imagens estáticas foram usadas, dando mais imersão ao anime, além de gravar os diálogos primeiro antes das cenas serem sincronizadas. Além disso, foi privilegiado com um orçamento de US$ 11 milhões.



Akira permitiu a entrada da cultura oriental no ocidente influenciando vários artistas e inclusive na música. É notório dizer que há filmes antes e depois de Akira e influencias em desenhos ocidentais como Robin, Hora de Aventura, e até mesmo Michael Jackson foram inspirados por alguns trechos clássicos do filme.


Akira não se trata apenas da rebeldia de adolescentes, mas sim de todo um contexto histórico envolvendo traumas, medos e uma visão promíscua e o aspecto de futuro afetado pelas ações presentes da época de um período conturbado.

 

REFERÊNCIAS:
AZAMBUJA. Bruno Souto de. Neo-Tokyo: Distopia Urbana e cidades genéricas. 20 de fev. 2020. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/29363/25376. Acesso em: 20 de jan. 2021.
 
CORDARO E MELO. As reminiscências da guerra no mangá e no anime. REVISTA ANAGRAMA. Dez de 2016. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anagrama/article/download/118021/115646/217632. Acesso em: 22 de jan. 2021.

Fontes sobre o orçamento e investimento do filme: WIKIPÉDIA: https://pt.wikipedia.org/wiki/Akira_(filme)


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »