20/12/2021 às 14h41min - Atualizada em 20/12/2021 às 14h26min

Investimento financeiro nos paratletas em Pernambuco

O esporte é um incentivo na vida de muitos desses paratletas, sem o investimento financeiro nenhuma dessas vitórias seriam possíveis.

Vanessa Morais - Revisado por Isabelle Marinho
(Foto: Reprodução/ folhape.com.br)
A primeira disputa entre atletas com deficiência física aconteceu há pelo menos 100 anos. Foi em 1960 que as competições com os paratletas ficaram conhecidas como Jogos Paralímpicos, em Roma, na Itália, onde os primeiros jogos foram realizados, passando a serem competidos a cada quatro anos.

Os Jogos Paralímpicos não são bem valorizados como os outros esportes. Em parceria com o gabinete do Senador Romário (PL-RJ), o Instituto DataSenado realizou uma pesquisa e apurou que 1/3 dos paratletas desistem por não encontrarem investimento financeiro para ajudá-los a continuar.

Em Pernambuco, o Governo vem ampliando os programas de incentivo ao esporte, investindo dinheiro nas bolsas concedidas para cada um desses atletas. No ano de 2020, projetos como Time Pe e Bolsa Atleta foram contemplados pelo Governador Paulo Câmara e, assim, receberam modificações em seu programa.


Secretário de Esportes em Pernambuco Diego Pérez, na posse dos novos conselheiros do @cref12pe.

Secretário de Esportes em Pernambuco Diego Pérez, na posse dos novos conselheiros do @cref12pe.

(FOTO: Reprodução/ Instagram: @1diegoperez)

Em entrevista, o Secretário de Esportes em Pernambuco, Diego Pérez, comenta a importância desses e outros projetos para os paratletas.
 
"Esses apoios são fundamentais para que esses atletas tenham a oportunidade de crescer e de ir avançando na carreira, passando por várias etapas e assim chegando ao ápice que seria a paralímpiadas principal, mas também tem as paralímpiadas escolares e as competições internacionais", disse Diego.
Segundo o Secretário, a grande novidade deste ano de pandemia é a Bolsa Técnico e o Passaporte Esportivo Técnico, que é o programa que os atletas já possuem e, agora, também será ofertado para os técnicos.

Todos os programas não só oferecem o apoio financeiro, mas também o apoio de passagem aérea. Mesmo com todos os benefícios de antes, o Governo não relaxou e agora eles também oferecem para esses paratletas o suporte de Nutricionista, Fisioterapeuta, Avaliador de Performance, Psicólogo e Dentista e até aulas de ingês através de todos esses programas.

 
"Isso é um grande diferencial para os paratletas em diversos níveis, desde os treinamentos, até o alto rendimento para que eles possam chegar com um diferencial a mais nessas competições", comenta o Secretário.
Os investimentos financeiros variam para cada bolsa, no Time Pe e no Bolsa Atleta, o investimento no ano é em torno de 5 milhões de reais. No Bolsa Atleta, os valores variam entre R$500 a R$2,500 reais por mês, no Time Pe R$2,500 reais para o atleta e R$1.000 reais para o técnico. Como já foi mencionado, esses investimentos são fundamentais para a permanência do atleta e a ida dele para todas essas competições.

Lucas Carvalho é paratleta na modalidade do Tênis de mesa, começou sua carreira ainda em 2012.

 

O paratleta desde então vem competindo e cada vez mais conquistando seus sonhos com o apoio desses investimentos financeiros. Só neste ano de 2021, Lucas já participou de competições como TMB Platinum, realizado no Rio de Janeiro, a primeira competição nacional e, sem perder 'sets', foi campeão com medalha de ouro na classe 9 e medalha de bronze no Absoluto B.

O paratleta Lucas Carvalho na competição TMB Challenge Plus Recife, competição que ele ganhou o ouro na classe 9 sem perder sets e também ganhou medalha de bronze no Absoluto B.

O paratleta Lucas Carvalho na competição TMB Challenge Plus Recife, competição que ele ganhou o ouro na classe 9 sem perder sets e também ganhou medalha de bronze no Absoluto B.

(FOTO: Reprodução/ Instagram: @luc4s.carvalho)

Lucas não parou por aí, ele participou de competições como Os Jogos Universitários Brasileiro, no circuito mundial na França, no circuito mundial na Argentina e também se tornou Tricampeão brasileiro na Classe 9 em Joinville-SC.
 
Esse título veio para coroar um fim de temporada muito especial, onde obtive 4 medalhas de ouro em três competições importantes", fala Lucas.
Assim como Lucas, muitos jovens possuem um grande sonho de ir para essas competições e finalmente fazer o que eles amam. Projetos como esses vêm provocando uma grande mudança na vida desses paratletas e no esporte, assim causando uma enorme mudança de vida.
 

"O esporte é muito importante para mim, ele já faz parte de quem eu sou. O tênis de mesa abriu diversas portas para mim, ele já faz parte de quem eu sou, portas essas como a questão competitiva, também me possibilitam a conhecer novos países, pessoas, culturas. Sou um privilegiado", disse o paratleta.

Pela Lei Estadual de Incentivo ao Esporte, desde 2015 foram aprovados 36 projetos. A Bolsa Atleta Pernambuco é o terceiro maior projeto do Brasil, só neste ano foram 300 passagens concedidas. Os editais para alguns desses programas já estão em aberto com critérios a serem cumpridos. O esporte faz parte da vida de muitas pessoas e através dele muitos jovens recebem ajuda, assim contribuindo para o desenvolvimento deles e de uma sociedade melhor.

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »