11/07/2022 às 16h48min - Atualizada em 27/06/2022 às 08h57min

Dia do Orgulho LGBTQIAP+ e a importância da literatura queer

Marcelo Henrique Maciel - Revisado por Vanessa Kelly
Literatura LGBT+ é uma forma de se manifestar. (Foto: Reprodução/ Shutterstock)

No dia 28 de junho é celebrado o Dia do Orgulho LGBTQIAP+ em vários países do mundo, mas você sabe porque justamente nessa data específica? Tudo começou em 28 de junho de 1969 em Greenwich, quando clientes e frequentadores de Stonewall Inn., bar que reunia pessoas da comunidade LGBT+, se revelaram contra a violência policial, pois estavam cansados de serem humilhados e violentados pelas autoridades preconceituosas.

Vídeo de Louie Ponto sobre a revolta de Stonewall. (Reprodução: Dia Estúdio - Youtube)


O levante nos Estados Unidos foi o marco para a luta no mundo, mas no Brasil a necessidade se fez presente no período da ditadura militar, de 1964 a 1985, quando muitas pessoas da comunidade foram caçadas e perseguidos. De acordo com o Correio Braziliense, membros do Grupo Ação Lésbica Feminista (Galf) lideraram um movimento contra o dono do Ferros Bar que era contra as publicações de periódicos representativos, esse momento ficou conhecido como "Stonewall Brasileiro".

Durante a ditadura militar no Brasil, muitas publicações foram censuradas, sendo assim, para que a luta LGBT+ não morresse, houve a criação de periódicos focados no movimento queer, como por exemplo o Jornal Lampião da Esquina e ChanacomChana.

Leia mais: Literatura LGBT+: A escrita da representatividade

Por mais que a ditadura tenha acabado, a perseguição ao movimento ainda não acabou totalmente. De acordo com o relatório do Observatório Mortes e Violências contra LGBTI+, o Brasil é o país que mais mata pessoas LGBTQIAP+ no mundo. Segundo o relatório do observatório, em 2021 foram registradas 316 mortes, um aumento de 33.33% em comparação ao ano de 2020. Um dado ainda chocante e preocupante.

Importância da Literatura LGBT+



A literatura pode, e é, usada para amenizar a LGBTfobia, como afirma Gabriela Alves Brandão em seu artigo A importância da literatura contemporânea de temática LGBT para a educação"A Literatura LGBT existe e sempre existiu como forma de denunciar a LGBTfobia que permeia, de forma escondida e velada, a sociedade". Ela ainda fala que o apagamento de personagens LGBTs é grande nos meios artísticos e culturais, e, por isso, o debate sobre a Comunidade LGBT+ se faz necessário.

Desde a adolescência é "normal" acompanhar personagens héteros tendo relacionamentos românticos em livros ou em produções audiovisuais. Porém quando se procura representatividade queer, o que se encontra são comentários LGBTfóbicos nas poucas produções, falando que o romance entre pessoas do mesmo sexo é errado. Mas, o bacharel em Biblioteconomia, Eric Albuquerque, acredita que se deveria normalizar relacionamentos homoafetivos, para que jovens LGBTs possam sentir-se representados, ele afirma ainda que "a literatura tem o poder de transformar o leitor, ao apresentar outras realidades fora da sua bolha social. A presença que personagens LGBTQIA+ é uma forma de mostrar que fazemos parte da sociedade".

Indicações de romances LGBTQIAP+ nacionais
A seguir trouxe algumas indicações de autores nacionais com representatividade LGBT+


Escrito em Algum Lugar do autor Vitor Martins
Antônio é um personagem que não mede esforço para adquirir o ingresso que lhe permitirá participar do show de retorno de sua boyband preferida, sendo assim ele enfrenta uma fila por mais de quinze horas para, junto com a multidão presente, conseguir um ticket e, assim, poder assistir o espetáculo. Só que o destino trata de colocar o protagonista ao lado de Gustavo, um também fã da boyband. A situação desconfortável da fila fica menos ruim depois desse encontro.
Escrito em Algum Lugar é um conto super curtinho e pode ser lido em poucas horas, além disso, a história é muito fofa e nos apresenta personagens representativos, como podemos ver na capa.




1+1 A Matemática do Amor do autor Vinícius Grossos
Lucas e Bernardo são amigos desde pequenos e sempre viveram perto um do outro, porém a amizade deles pode sofrer uma grande reviravolta, já que o pai de Bernardo conseguiu uma vaga de emprego melhor em outro país, sendo assim a família do garoto precisa se mudar. Os dois terão apenas um mês para curtirem a companhia um do outro, e, para isso, Lucas irá fazer com que seja um período que fique para sempre na memória deles. Só que há algo a mais, um sentimento que vai além da amizade, e é nesse momento que a relação entre eles pode mudar.


 


Homens do Exército: Uma história de coragem e amor da autora Gi Leão. 
Aviso: Livros para +18. 
Em Homens do Exército vamos conhecer Leandro Fabbri, um militar super profissional que passou por muitas provas durante sua vida para conseguir chegar a patente de Capitão do Exército Brasileiro. Ao longo da leitura, se ver como é a vida de um homem cis gay em uma profissão que, além de perigosa, é desafiadora, ainda mais quando Çeandro esconde de todos o fato de ser homossexual.  Mas, tudo muda quando ele se aproxima de João Batista, um colega de trabalho que o ajuda a passar por todos os percalços que a vida apresenta ao capitão. Só que Leandro vai despertando em JB algo novo para ele, com isso o leitor pode acompanhar o processo de autodescoberta de João Batista.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »