14/10/2022 às 00h36min - Atualizada em 14/10/2022 às 16h44min

‘Travessia’, inspirada em caso real de fake news, destaca a importância cultural das novelas

Escrita pela novelista Glória Perez e com direção artística de Mauro Mendonça Filho, a obra substitui ‘Pantanal’ no horário nobre da emissora

Felipe Nunes - editado por David Cardoso
A nova novela das nove tem Lucy Alves, Rômulo Estrela, Chay Suede e Jade Picon como personagens principais. (Foto: Reprodução/Globo)

Nesta semana, “Travessia” estreia seus primeiros capítulos na rede Globo. A nova novela das nove girará ao redor dos avanços tecnológicos e dos danos causados pelas fake news. Na trama, a protagonista Brisa (Lucy Alves) será vítima de uma manipulação de imagem que a rotulará como uma sequestradora de crianças.

 

Conhecida pelo termo ‘deep fake’, essa distorção é uma técnica que altera expressões faciais e vozes com o apoio de inteligência artificial. Os programas que permitem essa adulteração são encontrados facilmente em lojas de aplicativos, como Apple Store (IOS) e Play Store (Android), e por isso as deep fakes se tornaram tão recorrentes

 

De acordo com a autora Glória Perez, a emoção e a reflexão são componentes essenciais de seus folhetins e de suas personagens. Para a construção da protagonista, a novelista defende que “como todas as minhas protagonistas, a Briza é uma mulher de atitude, corajosa, brava. Com suas qualidades e seus defeitos, é bastante humana”. 

 

“A novela tem que emocionar e fazer pensar. É isso que nós buscamos ao falar dessa travessia, uma história para divertir muito, para emocionar muito e para fazer refletir”, garante a escritora.


Ao longo de seu processo de escrita nos capítulos de “Travessia”, Glória Perez relata sua postura de aproximação com os temas que aborda em suas produções. Além dos temas, ela também se aproxima das pessoas que vivem as situações que pretende escrever.  

 

“O escritor escreve sempre sobre aquilo que lhe interessa e escrever uma novela é uma maneira de refletir sobre esses assuntos que interessam a gente. Quando eu vou tratar de um determinado assunto, eu gosto muito de chegar perto de quem está vivendo aquilo”, conta a escritora sobre seu método de trabalho. 

 

Sobre a temática abordada em seu novo folhetim, a escritora retrata os perigos criados com os avanços tecnológicos, essencialmente com as fake news. Nesse contexto, Perez se inspira em um caso real que resultou na morte de uma mulher em Guarujá.

 

“Me interesso muito pelas coisas que estão acontecendo à minha volta e sempre me interessei em observar como o avanço da tecnologia vai introduzindo na humanidade dramas novos, possibilidades novas de conflito”, comenta Glória Perez.

 

Conheça o caso que inspirou a novela

 

Em 2014, Fabiane de Jesus foi linchada por uma multidão após ter sido confundida com uma sequestradora de bebês. A família de Fabiane relata que, semanas antes do fatídico acontecimento, imagens da suposta sequestradora haviam sido compartilhadas na internet. 

 

No dia do acontecimento, a vítima estava indo à igreja buscar a bíblia que tinha esquecido. Contudo, no decorrer de sua trajetória, Fabiane foi torturada e assassinada ao ser confundida com as imagens de uma sequestradora de crianças que foram publicadas em perfis do Facebook.

 

Em entrevista ao ‘Fantástico’, Yasmin, filha de Fabiane, conta sobre o episódio de 2014 e ressalta a esperança de que o destino de Brisa (Lucy Alves) na arte seja diferente do que ocorreu na realidade com sua mãe. 

 

Só espero, sinceramente, que o final dessa personagem seja diferente da minha mãe, que ela consiga fazer justiça, ela consiga ter um final feliz junto com a família dela", declara Yasmin.

 

A teledramaturgia e sua importância cultural 

 

Consideradas como as filhas das radionovelas, as telenovelas criaram suas raízes no Brasil com a chegada da televisão em 1950. Desde então, várias mudanças foram implementadas e as gravações para posterior exibição, sem dúvida alguma, foram as de maior destaque. Isso porque, no início, os folhetins eram feitos ao vivo.

 

Construídas com semelhanças ao meio cinematográfico, as novelas têm, ainda no presente momento, elementos narrativos cênicos comuns. A mocinha que sofre, o vilão cruel, os clássicos triângulos amorosos e as reviravoltas. Todas essas características parecem receitas repetitivas. Mas, nas novelas, ganham um componente diferente quando trazem discussões sobre temas importantes aos lares brasileiros.

 

Por essas razões, as obras da teledramaturgia brasileira são tidas como ferramentas culturais geradoras de conhecimento. Os temas abordados em novelas atingem uma enorme quantidade de pessoas e levantam debates. Em “Travessia”, será a vez das fake news e o seu potencial destrutivo terem espaço.


Quando o assunto é discutir problemas contemporâneos, Glória Perez ganha destaque. Em "Salve Jorge" (2012), por exemplo, ela trouxe o tráfico humano como gancho central de sua história e fez com que os brasileiros conhecessem, de forma aprofundada, essa problemática tão delicada. Sua penúltima obra, “A Força do Querer” (2017), e sua produção mais famosa, "O Clone" (2002), também são lembradas pelos mesmos feitos em diferentes assuntos. 

 

E a importância de "Salve Jorge" está longe de ter ficado no passado. Não à toa, a novelista resgatou três personagens desse folhetim para compor os núcleos de “Travessia”. O trio que volta às telas é composto por: Stênio (Alexandre Nero), Delegada Helô (Giovanna Antonelli) e Creuza (Luci Pereira). 

 

Diversidade Regional

 

Na nova novela das nove, cenários nacionais e internacionais são uma das apostas para prenderem a atenção do público e mostrar a diversidade cultural existente nesses locais. Os núcleos serão representados pelas localidades de Lisboa, em Portugal, e Rio de Janeiro e Maranhão, no Brasil.

 

Briza, que é interpretada por Lucy Alves, terá sua história inicial ambientada no Maranhão. Nas produções, as tradicionais danças, áreas históricas e comidas regionais serão gravadas, com o intuito de representar essa população. A escalação da atriz é condizente com essa representatividade e reforça essa importância, já que Lucy é nordestina.

 

A união entre os três locais (Lisboa, Maranhão e Rio de Janeiro) se dará com a manipulação de imagem que a mocinha sofre. Depois de ser rotulada como uma sequestradora de crianças por um jovem em Portugal, Briza iniciará uma longa travessia para resgatar sua identidade e provar sua inocência. 

 

O elenco conta com nomes já conhecidos pelo público, como: Grazi Massafera (Débora), Humberto Martins (Guerra), Rodrigo Lombardi (Moretti), Alessandra Negrini (Guida), Cássia Kis (Cidália), Indira Nascimento (Laís), Ailton Graça (Monteiro) e Vanessa Giácomo (Leonor). Além desses atores, o elenco é composto também pela novata Jade Picon, que dará vida à personagem Chiara.

 

“Travessia” é escrita e criada por Glória Perez, com direção artística de Mauro Mendonça Filho. A nova novela das nove, exibida de segunda a sábado na faixa das nove, tem direção de Caio Campos, Walter Carvalho, Mariana Richard e André Barros. A produção conta com Tatiana Poggi e Claudio Dager e a direção de gênero com José Luiz Villamarim.

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »