18/11/2019 às 10h29min - Atualizada em 18/11/2019 às 10h29min

Disney+ exibe aviso nas sinopses de obras clássicas preconceituosas

"Este programa é apresentado como originalmente criado. Pode conter representações culturais desatualizadas’’, informa a empresa em criações como Peter Pan e Fantasia, presentes na plataforma

Gustavo Martins - Editado por Bárbara Miranda
FONTE : Print do filme Dumbo na plataforma Disney+, que mostra o alerta

O serviço de streaming Disney+ foi lançado na última terça-feira (12), nos Estados Unidos, competindo com os já consolidados Netflix e Amazon Prime. O catálogo conta com produções antigas, sem modificações no seu conteúdo original. O aviso antecede os filmes que apresentam visões racistas e sexistas como: ‘’A dama e o vagabundo’’ (1955) e ‘’Dumbo’’ (1941).
                                                                          
Em relação a esse último, a gigante do entretenimento informou em abril que editaria as partes nas quais aparecem os corvos fumantes de charutos – que representam um imagem racista – mas acabou optando por lançar sem alterações, assim como ‘’Mogli, o menino lobo’’, que igualmente apresenta certo teor de racismo. De acordo com a crítica de Abigail Disney, documentarista e sobrinha-neta de Walt Disney, esse é ‘’um filme sobre como você deve ficar próximo a seres do seu tipo no auge da luta contra a segregação’’, refletindo o conformismo na divisão do povo.  Já ‘’A dama e o vagabundo’’ é um dos exemplos de xenofobia. Nele, dois gatos cantam a canção We are siameses com um sotaque asiático de maneira estereotipada.

 
FONTE : Cena dos Corvos fumantes no filme Dumbo/Reprodução: Disney.

Apesar da decisão na exibição de seus clássicos, a Disney removeu alguns considerados mais polêmicos, como é o caso do musical Song of the South, que narra contos populares afros, mostrando um personagem negro feliz na condição de escravo. "Não espere vê-lo novamente por algum tempo — se é que algum dia", declara Robert A. Iger, executivo-chefe da empresa, sobre o primeiro live action da companhia, em uma reunião com acionistas em 2011,

A Disney é conhecida há tempos por essa visão ultrapassada que ela mesma reconhece. 
livro ‘’Para ler Pato Donald’’ (1971), de Ariel Dorfman e Armand Mattelart, analisa os quadrinhos e relata diversos casos, como a representação velada do México inferiorizado recebendo o nome de Aztecland, tendo toda a banalização e preconceito clichê do mexicano com poncho, sombreiros grandes, machismo, burros e cactos. Os autores afirmam a política de bom-selvagem, em que os protagonistas das histórias conhecem personagens habitantes de outros países que são apresentados de uma forma marginalizada ou até estúpida, como é o exemplo de Gu, o abominável homem das neves, habitante do Tibete, que não sabe o valor de seus pertences e apenas balbucia o seu próprio nome.       
                                                                         
O serviço Disney+ tem previsão de chegada no Brasil em 2020. Enquanto isso, os residentes dos EUA já podem realizar a assinatura por $6,99 mensais.  Ainda não há detalhes dos valores que serão aplicados por aqui.


REFERÊNCIAS
 
O Globo; The New York Times. Disney Plus alerta para 'representações culturais desatualizadas' em filmes como 'Pinóquio' e 'Dumbo'. O Globo, 14 de nov. de 2019. Disponível em <https://oglobo.globo.com/cultura/revista-da-tv/disney-plus-alerta-para-representacoes-culturais-desatualizadas-em-filmes-como-pinoquio-dumbo-24081098>.
 Acesso: 17 de nov. de 2019.
 
TALARICO, F. Disney+ colocou aviso em sinopses de obras com “representações culturais ultrapassadas”. Jovem Nerd, 13 de nov. de 2019. Disponível em: <https://jovemnerd.com.br/nerdbunker/disney-avisa-conteudo-ultrapassado/>.
Acesso: 13 de nov. de 2019.
 
AMENDOLA, B. Disney+ estreia hoje, mas não no Brasil; o que saber sobre o novo streaming. Uol, 12 de nov. de 2019.Disponível em: <https://entretenimento.uol.com.br/noticias/redacao/2019/11/12/disney-estreia-hoje-mas-nao-no-brasil-o-que-saber-sobre-o-novo-streaming.htm>.
Acesso: 13 de nov. de 2019.
 
O Globo. ‘Antissemita? Sim. Misógino? CLARO!’, diz parente de Disney sobre críticas de Meryl Streep. O Globo, 16 de jan. de 2014. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/cultura/antissemita-sim-misogino-claro-diz-parente-de-disney-sobre-criticas-de-meryl-streep-11315197>
Acesso: 17 de nov. de 2019.
 
DORFMAN, Ariel; MATTELART, Armand. Para ler Pato Donald: Comunicação de massa e colonialismo. 2.ed. São Paulo: Paz e Terra, 1978.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »