20/12/2019 às 22h56min - Atualizada em 20/12/2019 às 22h56min

Emicida lança livro em comemoração aos dez anos de sua primeira mixtape

Inspirado no universo de seu primeiro álbum, o lançamento contou com a participação de fãs, amigos e artistas

Letícia Agata Nogueira - Editado por Mário Cypriano
Emicida autografa sua antologia - Foto: Divulgação
Na quinta-feira, 19, o rapper Emicida comemorou os dez anos de sua primeira mixtape, "Pra quem já mordeu um cachorro por comida, até que eu cheguei longe",  lançando uma antologia inspirada nesse universo. O evento ocorreu na Livraria Cultura, localizada no Conjunto Nacional da Avenida Paulista, São Paulo,  contando com a presença de aproximadamente 450 pessoas, entre fãs, artistas e amigos do cantor, como Mundiko, Renan Inquérito, Dona Jacira, Souto MC, Juca Guimarães, DJ Nyack, Sérgio Vaz, Elizandra Souza, e outros, os quais fizeram parte da história, ilustração e composição do livro. O lançamento foi seguido de um show no teatro da livraria.

O livro é composto pelos depoimentos de 51 amigos e artistas que presenciaram a vida de Emicida e colaboraram com o surgimento das canções ao longo de sua trajetória. Dentre eles, encontramos depoimentos de Rashid, Kamau, Thiago Ventura, KL Jay, Tchelo, Leci Brandão, Drik Barbosa, Evandro Fióti, Toni C e muitos outros. O prefácio foi escrito pelo ex-presidente do Brasil, Luis Inácio Lula da Silva, enquanto estava na prisão:
 
"A nossa vida é feita dos sentimentos que nos unem, e que trocamos uns com os outros. Escrevo para você de uma sala onde tentam me isolar, me deixar sozinho. Mas quando eu troco cartas contigo, ou escrevo este prefácio, a solidariedade atravessa as paredes, destrói correntes, constrói movimentos e esperanças de dias melhores. 
Só quem passou fome, como nós, sabe o que é isso. Só quem teve mães guerreiras que lutaram para dar uma vida digna aos seus filhos sabe como o preconceito dói, quando duvidam da nossa garra, da nossa honestidade, dói. Só quem lutou sabe o valor da luta."
 

Livro "Pra quem já mordeu um cachorro por comida, até que eu cheguei longe". (Foto: Página oficial do Emicida no Facebook)

A antologia veio seguida de seu primeiro livro, Amoras, lançado em 2018 e dedicado ao público infantil, falando sobre representatividade e negritude.
 
O rapper Renan Inquérito, que já gravou algumas músicas com Emicida e deixou sua marca no livro, comenta a sensação de fazer parte da história de seu amigo ao ter discursado sobre a faixa Hey Rap, escrita há 10 anos atrás:
 
"Quando a mixtape saiu, foi o mesmo ano do filme “Quem Quer Ser Um Milionário?”, que mostrava a história de um garoto pobre da periferia, que apostou tudo que tinha no seu sonho. E aí eu faço um paralelo, que o Emicida era um garoto pobre da periferia também, não da Índia, mas do Brasil, e que também apostou tudo para ser um milionário e que ele já tinha milhões: milhões de zeros, milhões nãos, milhões de portas na cara, tá ligado? E ele chegou com milhões de sonhos e teve milhões de views e milhões de várias outras coisas, tá ligado?"


Emicida e Renan Inquérito. (Foto: Perfil oficial do Emicida no Facebook)
 
Mundiko, amigo do cantor, gerente de e-commerce e coordenador de vendas da LAB Fantasma, comenta sobre o evento e a sensação de ter sido homenageado na música Preciso (Melô do Mundiko)

"Ter a possibilidade de realizar e fomentar tantos sonhos ao lado do Emicida, é, sem duvidas, uma das missões mais importantes que Deus me deu. E ser homenageado no título de uma música que fala justamente sobre a concretização desses sonhos, é simplesmente mágico. Alimentou em mim o desejo de ser cada vez melhor enquanto pessoa, amigo e pai."


Emicida e Mundiko. (Foto: Perfil oficial do Emicida no Facebook)

Também houve o lançamento do álbum AmarElo, no Teatro Municipal de São Paulo, no dia 27 de novembro. O disco conta com a participação de Zeca Pagodinho, Pabllo Vittar, Fernanda Montenegro, Pastor Henrique Vieira, e mais. O rapper aproveita a sonoridade das palavras amar e elo e prega que “no vínculo de todas as cores, dizem que o amor é amarelo”, trazendo esperança à vida de quem desfruta o som.
 
O Emicida
 
Leandro Roque de Oliveira, conhecido como Emicida, nascido na Zona Norte de São Paulo, atualmente um dos mais influentes rappers do Brasil. Seu nome artístico surgiu de uma fusão das palavras MC e homicida, em referência às batalhas de freestyle que ganhou no início de sua carreira e alavancou sua história no mundo do Hip-Hop.
 
Sua primeira mixtape, “Pra quem já mordeu um cachorro por comida, até que eu cheguei longe”, já vendeu mais de 30 mil exemplares, foi lançada em 2009 e contém 25 faixas contando histórias do artista, entre elas, a música E.M.I.C.I.D.A. (Adoooro). O acrônimo criado para o nome do cantor significa “Enquanto Minha Imaginação Compor Insanidade Domino a Arte”.

O som Triunfo (A Rua é Nóiz) marcou a mixtape e é considerado uma marca do rapper. A faixa foi lançada em 2007, completando 10 anos em 2017, sendo comemorada com um show na Áudio Club, no dia 20 de novembro em 2017.

 
Juntamente com seu irmão, Evandro Fióti, Emicida deu início à empresa Laboratório Fantasma, carinhosamente conhecida como LAB, responsável pelo agenciamento dos artistas Rael, Drik Barbosa e Fióti, e fechamento da agenda de shows do Kamau e Rashid, além de comercializar roupas e acessórios da marca. 
 
Sua arte abriu portas pelo mundo, levando a participar de grandes festivais como o Rock in Rio, Lollapalooza, Roskilde (Dinamarca) e Coachella (Estados Unidos). Ao longo de sua carreira, Emicida gravou canções com Pitty, Vanessa da Mata, Rael, Rincon Sapiência, Caetano Veloso, Wilson das Neves, Capicua, entre outros.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »