10/12/2020 às 19h24min - Atualizada em 10/12/2020 às 19h03min

Ted Bundy, o anjo da morte

Zac Efron e Lily Collins protagonizam a terrível trajetória de um dos maiores predadores sexuais da história.

Viviane Ramos - labdicasjornalismo.com
Fonte: Netflix / Reprodução: Google
Em julho de 2019 foi lançado o filme documental “Ted Bundy: A irresistível face do mal”, que relata a história de um dos maiores serial killers e predadores sexuais da história. Com grandes nomes, como Zac Efron e Lily Collins no elenco, a atuação dos protagonistas foi fenomenal, mas o roteiro desorganizado dividiu opiniões.
 
O filme conta a história de Ted Bundy, que na década de 70 estuprou e assassinou de forma brutal mais de 30 meninas em 7 estados diferentes nos Estados Unidos. A história de Ted ficou muito conhecida após sua aparição na série documental “Conversas com um assassino”. Ted era um homem extremamente inteligente e encantador, o que foi fundamental para que ele conseguisse atrair suas vítimas e fazer com que todos acreditassem que ele não era o monstro que parecia.
 
O filme é passado através da perspectiva da namorada de Ted, Elizabeth, interpretada por Lily Collins. Ela vê seu grande amor ser acusado de crimes brutais e custa a acreditar que aquilo é real. A atuação de Lily e Zac foi excepcional, os dois tiveram uma ótima sintonia e puderam desconstruir a imagem de bom moço e boa moça que carregavam. 
 
Porém, nem tudo são flores. A produção contava com um elenco de peso e uma história repleta de reviravoltas e dramas, no entanto, é nítida a confusão que ocorreu no roteiro durante o filme. Vemos milhares de coisas acontecerem ao mesmo tempo, conhecemos diversos personagens e vemos a frenética luta de Ted para provar sua inocência. Tudo isso confunde o telespectador que, no final da trama, não entende quem realmente foi Ted Bundy e as atrocidades que ele cometeu.
 
O filme parece querer contar tudo ao mesmo tempo e no final não consegue contar nada. As histórias das vítimas e a do próprio Ted não são aprofundadas, fazendo com que o telespectador não crie uma relação e nem se identifique com os sentimentos passados pelos personagens. A história de Ted Bundy chocou os Estados Unidos e inspirou diversos filmes, séries e livros. Psicólogos estudam o seu caso até hoje, tentando entender o que o levou a ser um assassino em série. O filme podia ter ido mais a fundo na história e mostrado a verdadeira face do mal que foi Ted Bundy.
 
Zac Efron conseguiu quebrar a sua imagem de bom moço conquistada durante seus trabalhos em High School Musical. Vemos um Zac mais maduro e preparado para novos desafios neste filme. Ele carrega todo o carisma, encanto e inteligência que eram qualidades fortes em Ted Bundy. Lily Collins mostra o seu lado mais sombrio e dramático, deixando de lado a imagem de uma garotinha frustrada e mostrando a verdadeira decepção que foi descobrir quem realmente era o grande amor de sua vida.
  
Mesmo com uma grande superficialidade na hora de contar a história de Ted e das vítimas, o filme acertou em cheio na escolha dos atores. Internautas chegaram a apontar Zac como um dos concorrentes ao Oscar por sua brilhante atuação. 
 
O tema retratado no filme é extremamente delicado, e produzir qualquer obra relacionada a isso exige muito profissionalismo e dedicação. A falta de profundidade na história entedia quem não a conhece, mas mostra um pouco da realidade que foi o pesadelo chamado Ted Bundy.


REFERÊNCIA

ELOI Arthur; "Ted Bundy: A Irresistível Face do Mal"; Omelete; 2020; Disponível em: https://www.omelete.com.br/filmes/criticas/ted-bundy-a-irresistivel-face-do-mal; Acesso em 10 de dezembro de 2020.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »