08/01/2021 às 16h19min - Atualizada em 08/01/2021 às 15h16min

Cinco jogadores que desistiram da aposentadoria e voltaram a jogar

A retirada dos gramados pode ser algo difícil e, muitas vezes, alguns nomes voltam a fazer o que mais gostam

Caio Henrique Panini de Oliveira - editado por Wesley Bião
O holandês Arjen Robben foi um dos jogadores que deixaram a aposentadoria de lado e voltaram a jogar (Foto: Reprodução/ Twitter FC Groningen)

Vários jogadores que aposentaram sentem falta dos gramados. Por isso, atualmente, alguns desses atletas estão retomando a carreira de jogador. Encerrar a trajetória é algo muito difícil também para os torcedores. A sensação de ver aquele ídolo atuando novamente pelo seu time é algo sem explicação. Veja alguns nomes que decidiram deixar a vida de aposentado de lado, vestiram o uniforme e entraram em campo novamente. 

PETR CECH

Com toda certeza, Petr Cech foi o melhor goleiro da história do Chelsea. O tcheco iniciou a sua carreira no Chmel Blsany. Jogou ainda no Slavia Praga, do mesmo país e no Rennes, da França. Contudo, na Terra da Rainha, Cech se destacou e se tornou uma lenda embaixo das traves. Em resumo, pelo Chelsea, foram 494 jogos, conquistando diversos títulos importantes.


Cech nos tempos de Chelsea (foto: Saeed Khan)

Ao longo desses 11 anos de Blues, Cech ganhou quatro Premier Leagues (2005, 2006, 2010 e 2015), venceu a Champions League (11/12), quatro Taças da Inglaterra (2007, 2009, 2010 e 2012), três Taças da Liga Inglesa (2005, 2007 e 2015), uma Liga Europa (12/13) e quatro Supertaças da Inglaterra (2005, 2006, 2009 e 2010). Surpreendentemente, no ano de 2015, o goleiro assinou com o rival direto da equipe londrina. Na ocasião, o tcheco foi anunciado pelo Arsenal.

Com a nova equipe, o arqueiro disputou 139 jogos. Ganhou uma Taça da Inglaterra (2017) e duas Supertaças da Inglaterra (2016 e 2018). Em seguida, em 2019, o checo anunciou a sua retirada dos gramados. Nesse pequeno hiato, o ex-goleiro estava apenas aproveitando a aposentadoria, e ficando longe dos assuntos relacionados ao mundo da bola. Logo depois, ainda em 2019, foi apresentado como novo goleiro de hockey no gelo. Aos 37 anos foi contratado junto ao Guildford Phoenix, time inglês que joga a NIHL (National Ice Hockey League).



O ex-goleiro sendo apresentado no novo esporte (foto: Guildford Phoenix)

Ao contrário que muitos pensavam, o novo esporte caiu como uma luva para Cech. Logo em sua estreia, o goleiro defendeu pênaltis e foi eleito o melhor jogador da partida. No entanto, no ano de 2020, o Chelsea, anunciou a “contratação” novamente do tcheco. O goleiro de 38 anos está na lista do Campeonato Inglês. Por conta das preocupações envolvendo a pandemia, o clube londrino adicionou a lenda na lista de jogadores aptos a entrar em campo. Também foi inscrito na lista da Champions League. O goleiro é a 5ª opção do técnico Frank Lampard. O atleta ainda jogou pelo sub-23 dos Blues na partida contra o Totteham, conquistando o triunfo por 3x2.



Cech atuando pelo sub-23 do Chelsea (Foto: Reprodução/​Twitter Chelsea FC)


EDWIN VAN DER SAR

O segundo nome desta lista também é um goleiro. Edwin van der Sar é um dos principais nomes da história do Manchester United. O goleiro holandês teve passagens por Noordwijk Ajax, ambos da Holanda, Juventus, da Itália, Fulham, da Inglaterra, e por fim jogou nos Red Devils. Chegou no ano de 2005, e rapidamente recebeu carinho e admiração dos torcedores, além de garantir a vaga como titular. 



A lenda holandesa atuando no Campeonato Inglês (foto: Andrew Yates)
 

Foram 266 jogos com a camisa do United. O holandês conquistou quatro Premier Leagues (2007, 2008, 2009 e 2011), uma Liga dos Campeões (07/08), duas Taças da Liga Inglesa (2006 e 2010), um Mundial de Clubes (2009) e quatro Supertaças da Inglaterra (2007, 2008, 2009 e 2011).  Para muitos, é o melhor goleiro da história do time. Por outro lado, outros torcedores dizem que Peter Schmeichel é o dono da posição. 

No ano de 2011, o holandês de 40 anos disse que estava se aposentando do futebol. O jogador estava apenas querendo ficar mais com a sua família e dar maiores atenções a ela. Em 2009, van der Sar foi afastado amigavelmente pelo técnico Alex Ferguson. O goleiro cogitou parar de disputar jogos. Naquele ano, a sua esposa sofreu uma hemorragia cerebral, porém, após o hiato de afastamento, a lenda continuou a carreira como jogador por mais duas temporadas.

Entretanto, no ano de 2016, o ex-atleta disputou uma partida pelo Noordwijk, onde van der Sar jogou antes de chegar ao Ajax. Naquele momento, o goleiro titular do time tinha sofrido uma lesão e não iria se recuperar a tempo. Com isso, o goleiro vestiu a camisa e assumiu o trabalho no gol, até defendendo um pênalti. A partida foi contra o Jordan Boys, pela 19ª rodada do Hoodfdklasse (é a segunda maior liga de futebol amador da Holanda). Atuou em apenas um jogo e voltou para a aposentadoria.


ARJEN ROBBEN

Arjen Robben é bem conhecido pelos amantes do futebol. O holandês fez história pelo Bayern de Munique, além de passar por PSV, Chelsea e também pelo Real Madrid. O ponta-direita ficou marcado pela sua jogada característica, que era ir até a lateral do campo, cortar pra dentro e chutar para o gol de perna canhota. Primeiramente, o jogador ganhou mais holofotes na Inglaterra. Desembarcou em Londres no ano de 2004, mas acabou não tendo muito destaque.

Em 106 jogos, marcou 19 gols e deu 22 assistências. Aliás, o que ficou marcado nessa passagem foram as lesões. Na ocasião, o comandante era José Mourinho. O técnico português não utilizava o jogador em todos os jogos. Assim, após pouco tempo nos Blues, Robben foi negociado junto ao Real Madrid. Os tabloides espanhóis não entenderam aquela contratação. Afinal, Arjen estava longe do melhor futebol que apresentou nos times holandeses. Em 2007, o clube espanhol pagou 25 milhões de euros. Pelo time Merengue, o atacante disputou 65 jogos, balançou as redes em 13 oportunidades e deu 15 assistências.


O holandês comemorando pelo clube alemão (Foto: Reprodução/Twitter Arjen Robben)

Por outro lado, a melhor fase do jogador estava por vir. Em 2009, o Bayern de Munique comprou o atleta que viria a se tornar ídolo. Chegou para compor elenco, mas rapidamente se tornou titular e um dos líderes da equipe. Foram 309 jogos, 144 gols marcados e deu 101 assistências, mas as lesões não o deixou em paz. Em toda sua trajetória pelo Der Bayerische Riese, as contusões fizeram parte. 

Conquistou 20 títulos: quatro Supertaças da Alemanha (12/13, 16/17, 17/18 e 18/19), uma UEFA-Supercup (13/14), um Mundial de Clubes (2014), cinco Taças da Alemanha (09/10, 12/13, 13/14, 15/16 e 18/19), foi Campeão da Bundesliga oito vezes (09/10, 12/13, 13/14, 14/15, 15/16, 16/17, 17/18 e 18/19), por fim levantou o troféu da Champions League (12/13). Venceu também um prémio indivudual, em 2009 ganhou como Melhor jogador da Temporada.

Em 2019, o holandês anunciou a sua retirada do futebol. Mas, logo em 2020, menos de um ano após se aposentar, Robben voltou a jogar. O atacante de 36 anos estava de volta ao clube do início da carreira. A função era ajudar na recuperação do time após a crise do Coronavírus. O clube é Groningen, onde o veterano se formou nas divisões de base. No entanto, logo na estreia, a lenda sentiu e jogou apenas 29 minutos. O camisa 10 sofreu uma lesão muscular ainda no primeiro tempo. No momento, o atleta está em recuperação para entrar no ritmo competitivo.

Robben sendo anunciado pelo Groningen (Foto: Reprodução/site do FC Groningen)
 

PAUL SCHOLES

Criado nas categorias de base do Manchester United, Paul Scholes fez uma brilhante e histórica passagem pelos Diabos Vermelhos. O inglês iniciou a carreira em 1994. Naquele momento, o atleta fazia parte da famosa ‘Classe de 92’. Na temporada 98/99, Scholes junto com outros jogadores, conquistaram o inédito treble (tríplice coroa), que é composto pelos títulos da Premier League, FA Cup e UEFA Champions League. 


Scholes ainda na categoria de base do United, ao lado de jogadores como Gary Neville e David Beckham (foto: Paul Lewis)

O jogador atuava como meia-central, mas sempre chegava bem ao ataque. Tinha um ótimo passe e um bom chute de média distância. Ao todo, foram 710 jogos com a camisa do clube inglês. Marcou 152 gols e deu 73 assistências. Foi 11 vezes vencedor da Premier League (1996, 1997, 1999, 2000, 2001, 2003, 2007, 2008, 2009, 2011 e 2013), venceu duas Champions Leagues (98/99 e 07/08), quatro Taças da Inglaterra (1994, 1996, 1999 e 2004), três Taça da Liga Inglesa (1996, 2009 e 2010), um Mundial de Clubes (2009), uma Taça Intercontinental (2000) e cinco Supertaças da Inglaterra (1997, 1998, 2004, 2009 e 2011).

Em 2011 o jogador anunciou a aposentadoria. Mas o técnico Sir Alex Ferguson pediu a sua volta um ano depois. Logo em 2012, o jogador estava de volta ao plantel do Manchester. Atuou em mais um temporada, sendo titular na maioria dos jogos, e, em 2013, parou novamente. No ano de 2018, Paul atuou na 11ª divisão do futebol inglês. Na ocasião, a lenda ajudou o Royton Town. Detalhe: seu filho, Arron, atua pela mesma equipe. O treinador do time, Mark Howard, disse que a precisava de um jogador, afinal o comandante tinha oito desfalques para a partida. Fez apenas um jogo, porém os torcedores ficaram animados em ver a lenda nos gramados novamente.


Scholes comemorando um gol junto com Michael Carrick, hoje auxiliar técnico do United (Foto: Matthew Peters​)


TIM HOWARD

Tim Howard é um dos responsáveis por tornar o futebol um esporte mais popular nos Estados Unidos. O goleiro nasceu na Terra do Tio Sam e logo se encantou pelo esporte que não era tão famoso lá. Com 19 anos, o atleta já estava em um time profissional como titular . Com passagens por NJ Imperials e MetroStars, ambos dos Estados Unidos, Tim foi contratado pelo Manchester United. Ou seja, o arqueiro foi uma das primeiras apostas do futebol norte-americano a ir jogar na Europa. Em 2003, os Red Devils pagaram cerca de 3,20 milhões de euros.

Pelo clube de Manchester, Howard atuou em 77 jogos, um número considerado bom. Na temporada 03/04, o goleiro foi titular na maioria dos confrontos, jogando 32 partidas na Premier League. Naquele mesmo período, na Champions League, o goleiro estava entre os 11 titulares em todas as partidas. Com a chegada de Edwin van der Sar, o americano perdeu espaço. Tim ficou até 2006 no clube, quando se transferiu para o Everton, também da Inglaterra.

Por lá conquistou toda a torcida. Rapidamente foi ganhando espaço e confiança de todos. Pelo Toffees, o estadunidense jogou 414 partidas e marcou um gol. Na temporada 11/12, em confronto contra o Bolton, o arqueiro chutou da sua própria área e, com a ajuda do vento, a bola enganou o goleiro dos Wanderers, que nada pôde fazer. Em 2016, voltou a sua terra natal e assinou com o Colorado Rapids, onde atuou até 2020. Por fim, anunciou aposentadoria no início do mesmo ano, mas após dois meses sem disputar um jogo, foi anunciado como novo reforço do Memphis 901 FC, clube que disputa a USL Championship (equivalente à segunda divisão do futebol norte-americano). Com 41 anos, o veterano atuou em seis jogos.

 


Howard jogando pelo Colorado Rapids (foto: ​Ben Nelms)


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »